terça-feira, 29 de novembro de 2016

CRIOLO SE APRESENTA EM CURITIBA NESTE SÁBADO EM EVENTO COM BLACK ALIEN E MC MARECHAL






Três shows na Live Curitiba reúnem alguns dos rappers mais celebrados da música brasileira

Três elogiados artistas  do rap nacional poderão ser vistos ao vivo em Curitiba no próximo sábado, dia 03 de dezembro. Criolo, Black Alien e MC Marechal se apresentam na Live Curitiba. Com dois lotes já esgotados, os ingressos estão à venda a partir de R$ 40 e podem ser comprados nos quiosques da Disk Ingressos, no telefone (41) 3315-0808 ou pelo site www.diskingressos.com.br/evento/4986.

Criolo - Ainda há tempo

Muita gente não sabe, mas antes de lançar os aclamados Nó na orelha e Convoque seu Buda, Criolo já tinha um disco clássico. Ainda há tempo, lançado em 2006, é hoje considerado um disco fundamental na história do rap brasileiro. “Naquela época existia uma cena em construção, e a gente tava no meio: não se encaixava nem no chamado gangsta, nem exatamente no dito underground”, conta o artista.  Como todos os projetos do Criolo que vem a público, sua nova turnê é mais ambiciosa do que à primeira vista possa parecer. A série de shows baseada em seu primeiro disco vem no formato clássico do hip hop, com DJ e MC no palco — e ao mesmo tempo é muito mais do que isto, e não só por conta do esmerado projeto cênico. 

Daniel Ganjaman, diretor artístico e musical do espetáculo, conta: “Tudo foi se moldando de acordo com o que cada um tinha na mão, e organicamente tomando um rumo”. O cenário, uma paisagem móvel de tela de LED, foi imaginado pelo artista plástico Alexandre Órion, que fez as engenhosas e lisérgicas animações que acompanham o fluxo contínuo de canções e moldam a experiência ao vivo. O show traz uma miríade de novas interpretações pros raps de dez anos atrás, e não apenas um retorno saudosista ao artista quando ele ainda atendia por Criolo Doido. É uma releitura audiovisual do que aconteceu em sua vida até chegar ali. E ele espera que isto signifique mais uma contribuição sua pra cultura Hip Hop e pra música brasileira. 

Assim como na época de feitura, e também por conta disso, a releitura destes raps apresenta uma dificuldade técnica em sua realização: não existem mais as masters originais, então não há como abrir as sessões de áudio para adequar as composições aos padrões sonoros atuais dos equipamentos de espetáculo. Criolo relembra: “Não tinha internet, não tinha telefone na casa das pessoas. Quem têm 20 ou 25 não faz a mínima ideia de como foi. E isso não quer dizer que a gente seja melhor ou pior que ninguém. Apenas que quero dividir o esforço incansável de como era ser esse rap na virada do milênio – que é o me trouxe aqui”. Como antes, a solução foi criativa e inclusiva: alistar uma renca de novos e talentosos produtores de rap brasileiro para recriar algumas das batidas, com acabamento final de Daniel Ganjaman, que também assinará beats do disco em parceria com Marcelo Cabral. 

Na reaparição deste disco, do qual algumas músicas fazem parte do repertório dos shows do Criolo desde o lançamento de Nó na orelha e prosseguiram na turnê de Convoque Seu Buda, Criolo é acompanhado pelos DJs DanDan e Marco; Orion adequa as animações à dinâmica do espetáculo e Ganja pilota a mesa de som, mixando ao vivo com técnicas dos soundsystems de reggae e dos live P.A.s de música eletrônica.  

“O mundo mudou – tem letra escrita dez anos atrás, tem música com 20 anos – mas há uma mesma essência. Era um meio hostil, e quando cada um tá tentando sobreviver no seu microcosmo, não percebe muitas possibilidades. Só que quando alguém te dá uma oportunidade, ninguém sabe o que vai acontecer, e outras portas na sua mente se abrem. Pensei que seria bom confraternizar com as pessoas. Ativar sensores”, finaliza Criolo. 

Novamente, é a ambição como característica e fruir artístico, como desejo bom, livre da mesquinhez. “Retornar pra essa parada traz combustível pro chicote estralar de novo”, diz Ganja. 

Black Alien: o Babylon by Gus de um dos MCs mais versáteis do Brasil
Gustavo de Almeida Ribeiro, o Black Alien, subiu ao palco pela primeira vez em 1993 e nunca mais parou. Speedfreaks, grande amigo, deu a primeira oportunidade musical quando o convidou para cantar em sua banda e gravar a música Hit Hard Hip Hop. Mas foi com o Planet Hemp que o artista ganhou, de fato, projeção nacional e internacional.

Entrou oficialmente para o Planet Hemp em 1996, a convite de BNegão. O rapper permaneceu no grupo até 2001, participando da gravação dos discos Usuário, Hemp New YearOs cães ladram, mas a caravana não para e A invasão do sagaz homem fumaça. Após sua saída do grupo, Black Alien seguiu carreira solo e acumulou participações especiais com diversos artistas da música brasileira, como Paralamas do Sucesso, Sabotage, Charlie Brown Jr., RappinHood, Fernanda Abreu, Raimundos, Banda Black Rio, Frejat, Pavilhão 9 e Marcelinho da Lua.

Babylon by Gus vol.1 - O ano do macaco veio em 2004. Produzido por Alexandre Basa e com participação especiais de peso, o álbum, que marca a estreia da carreira solo de Black Alien, rende frutos até os dias de hoje. Faixas como Mister NiteróiFrom hell do céuBabylon by GusExtrapunkextrafunk tornaram-se verdadeiros clássicos do rap nacional, atravessando gerações.

Apesar de muitos trabalhos paralelos, Gustavo Black Alien continuou trabalhando para o lançamento de um segundo disco. Em 2014, lançou o single Terra. O álbum, intitulado Babylon by Gus vol.II No princípio era o verbo, também produzido por Alexandre Basa, foi lançado em 2015 e gravado com ajuda de financiamento coletivo. O álbum conta com 12 faixas autorais e participações especiais de Luiz Melodia, Céu, Edi Rock, Kamau e Parteum.

MC Marechal
MC Marechal iniciou sua carreira em batalhas de MCs no final dos anos 90, nas quais se destacava. Integrou o extinto grupo de rap Quinto Andar, em 1999, e foi o primeiro a deixar o grupo para seguir carreira solo. Além de rapper, Marechal também é produtor musical.

Em 2003, ganhou seis edições seguidas da Batalha do Real e saiu invicto na Liga dos MCs. Em 2006 iniciou o projeto da Batalha do Conhecimento. Idealizada e divulgada por ele, a Batalha do Conhecimento visa a valorizar o conteúdo das rimas em batalhas de rap. Ela propõe enfatizar rimas sobre novos conceitos, educação, cultura, política entre outros temas.

Em 2010 lançou a música Guerra, que foi trilha sonora do filme Alemão, do diretor José Eduardo Belmonte. Em 2012, criou o projeto Livrar, no qual distribui livros de autores independentes pelo Brasil em seus shows. Recentemente, no dia 1 de abril, lançou o single Primeiro de abrilTudo indica que seu primeiro disco, esperado há mais de 10 anos pelos amantes do rap nacional, será lançado neste ano.



Serviço:
Música: Criolo (lançamento Ainda há tempo), Black Alien e MC Marechal
Local: Live Curitiba - R. Itajubá, 143 – Portão – Curitiba (PR)
Data: 03 de dezembro de 2016
Hora: sábado, às 21h
Ingressos: à venda pelo Disk Ingressos – (41) 3315-0808, nos Shoppings Mueller, Estação e Palladium e pelo link www.diskingressos.com.br/evento/4986
Pista: Lote 3 R$ 80 e R$ 40
Superior: Lote 2 R$ 100 e R$ 50 (meia)
Camarote: Esgotado
Informações: (41) 3315-0808
Lotação máxima: 3.400 pessoas
Classificação indicativa: 18 anos

Nenhum comentário:

Postar um comentário