quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Quinteto austríaco levará música erudita ao encerramento da Oficina de Música de Curitiba



 Vinda do Ensemble Kaleidoskop foi “costurada” pela presidência da FCC e pela Embaixada na Áustria no Brasil
O encerramento da 32ª Oficina de Música de Curitiba, no próximo domingo, dia 26, acaba de ganhar um evento muito especial. Além do esperado show de encerramento na Boca Maldita, que acontece a partir da uma hora da tarde – com o grito de carnaval do bloco Garibaldis e Sacis -, os curitibanos também terão a oportunidade de assistir a uma apresentação de gala de música erudita. A partir das seis e meia da tarde, na Capela Santa Maria, o Ensemble Kaleidoskop, um dos grupos mais populares de música de concert

o da Áustria, apresentará peças de Antonin Dvorak, Helmut Schmidinger e Johann Strauss II. O show é gratuito.
Internacionalmente reconhecido por sua capacidade de interpretar a experiência de concertos de música clássica com repertório tradicional, o Ensemble Kaleidoskop de Viena encanta as audiências e os amantes da música com uma performance inesquecível de obras do repertório de música de câmara tradicional mescladas com obras populares de grandes compositores austríacos, como Johann Strauss II.
Os membros do Ensemble tocam regularmente com as principais orquestras sinfônicas de Viena, que executam a música através de uma ampla variedade de estilos e gêneros – desde a música antiga até a contemporânea -, que exige de cada musico alto nível de performance e especialização. 
“A vinda do Kaleidoskop vinha sendo costurada pessoalmente, há algum tempo, pelo presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Marcos Cordiolli. A ideia era fazer uma aproximação entre a Oficina de Música e a Áustria, que é um país central da cena musical erudita”, explica a diretora geral da Oficina, Janete Andrade. “Ficamos muito felizes com a presença dos músicos em Curitiba.” Nesse processo, o papel da Embaixada da Áustria no Brasil foi fundamental.
No sábado (25), a partir das 10h30, o grupo apresenta um workhop gratuito no Paço da Liberdade. Eles vão falar sobre a cena musical na Áustria, país em que a música erudita é tremendamente popular.
Quem é quem no Kaleidoskop – Jacqueline Roscheck Morard (violino I) estudou no Conservatório de Friburgo, na Suíça, e, posteriormente, no Conservatoire Supérieur de Musique de Genebra, onde terminou seus estudos de violino com honras. Ela se apresenta regularmente como solista e membro de conjuntos de música de câmara na Europa, Estados Unidos, Japão e o Oriente Médio. Em 2004, fundou o Conjunto Kaleidoskop Viena. Desde 1986, é professora da Universidade de Música de Viena e de master classes de nível internacional.
Celine Roscheck (violino II) fez suas primeiras aulas de música aos seis anos. Posteriormente, estudou com Michael Frischenschlager na Universidade de Música de Viena, onde se graduou com honras em 2010. Em 1999 e 2000, ganhou o prêmio “Prima la Musica”, o mais importante da música austríaca.
Johannes Flieder (viola) estudou violino de 1966 a 1977 com M. Biedermann, no Conservatório de Música de Viena. De 1977 a 1983, estudou viola com Siegfried Führlinger na Universidade de Música de Viena. Em 1980, ganhou o prêmio do ARD-Competition e, no mesmo ano, tornou-se spalla de viola da Orquestra Sinfônica de Viena, lugar que ocupa até hoje.
Erich Oskar Huetter (violoncelo) estudou com Hildgund Posch, na Universidade de Música de Graz, e com Reinhard Latzko, na Academia de Música de Basileia. Graduou-se em 1999 com honras como solista e pedagogo. Ganhou prêmios em competições em Viena, Stresa, Düsseldorf e Gorizia. É diretor artístico do Festival de Música de Câmara de Styria e do Festival “Sounding Jerusalem”. Erich realiza atividades pedagógicas como professor de violoncelo em Ramallah, na Palestina, dentro do projeto “Música para a Paz”, de Daniel Barenboim.
Christian Roscheck (contrabaixo) estudou com Ludwig Streicher, um dos mais famosos contrabaixistas do século 20. Desde 1980 é membro da Orquestra Sinfônica de Viena. Em 1997, fundou a orquestra de Câmara “Wiener Concert Orchestra”, de que é gerente e principal contrabaixista. Recebeu o prêmio de mérito artístico do Ministério de Educação e Cultura da Áustria.
A presença do Ensemble Kaleidoskop na Oficina de Música de Curitiba foi possível graças ao apoio da Embaixada da Áustria no Brasil, da Referência Locadora de Veículos e do Ateliê Sergius Erdelyi.

Nenhum comentário:

Postar um comentário