quarta-feira, 22 de maio de 2013

Camerata Antiqua apresenta obras de Schubert






A Camerata Antiqua de Curitiba apresenta-se na Capela Santa Maria Espaço Cultural nesta sexta-feira (24), às 20h, e no sábado (25), às 18h30, com regência e comentários de Osvaldo Colarusso. O concerto integra a temporada de apresentações 2013 da Camerata, patrocinada pelo Ministério da Cultura e pela Volvo.

No programa, obras do compositor austríaco Franz Schubert, como Der Goldenfahrer (O Gondoleiro), Nachthelle (Brilhos da Noite), Städchen (Serenata), Mirjam’s Siegesgesang (Canto de Vitória de Miriam), Gesang der Geister über den Wassern (Canto dos Espíritos sobre as Águas) e Missa Nº 2 em Sol maior.



Fé – Uma das marcas na curta vida de Schubert (1797-1828) foram as especulações sobre sua fé religiosa. De família católica, ele compunha obras sobre textos sacros, mas não deixava de questionar aspectos da Igreja.

Depois de adulto, mesmo depois de abraçar ideias humanistas, influenciado pela poesia de Goethe, Schubert continuou dedicando suas obras às cerimônias públicas da igreja, um caminho seguro para quem aspirasse algum prestígio profissional na Viena do século XIX.



Maestro – O regente paulista radicado no Paraná Osvaldo Colarusso nasceu em 1958. Entre 1980 e 1985, foi maestro do Coral Lírico do Teatro Municipal de São Paulo e premiado duas vezes pela Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA).

Foi maestro da Orquestra Sinfônica do Paraná, com a qual realizou mais de 250 concertos, óperas e balés, além de gravar um disco com obras de Heitor Villa-Lobos. Desde 1980, tem atuado frente às principais orquestras do país como maestro convidado.



Informações sobre as obras:

Der Goldenfahrer – O Gondoleiro para coro masculino e piano ID 809. Texto de Johann Mayrhofer – Composto em março de 1824, O Gondoleiro descreve a lenta agitação das águas dos canais de Veneza.



Nachthelle – Brilhos da Noite – Para tenor solo, coro masculino e piano ID 892 – Uma das principais obras corais de Schubert, e ao mesmo tempo uma das composições com mais efeitos harmônicos inusitados. Escrita em setembro de 1826, utiliza um tenor solista que lidera o coro masculino.



Städchen – Serenata – para contralto solo e coro feminino e piano ID 920 – Composta em julho de 1827, é uma obra escrita sob encomenda de uma amiga do compositor, Anna Frölich. Descreve uma serenata em meio ao silêncio da noite. Ao ouvi-la, Schubert expressou sua satisfação: “Eu não imaginava que era tão linda”.



Mirjam’s Siegesgesang – Canto de Vitória de Miriam – Cantata para soprano solo, coro misto e piano ID 942 – Escrita em março de 1828, ano da morte do autor, é uma verdadeira cantata na qual é narrada a passagem bíblica da fuga dos judeus do Egito. Miriam seria a irmã de Moisés e é ela quem narra toda a aventura da travessia do mar vermelho.



Gesang der Geister über den Wassern – Canto dos Espíritos sobre as Águas para coro masculino, duas violas, dois violoncelos e contrabaixo ID 714 – Uma das obras primas de Schubert. A originalidade da instrumentação e a maravilhosa poesia de Goethe fazem dessa partitura, composta em fevereiro de 1821, um marco na história da música vocal.



Missa Nº 2 em Sol maior para solistas, coro misto e orquestra de Cordas ID 167 – Escrita em cinco dias em março de 1815, a Missa em Sol maior obedece a uma regra do imperador Joseph II, que não permitia missas com um grande efetivo instrumental. Schubert, então com 17 anos, se acomoda à regra escrevendo uma missa de grande lirismo.




Serviço:

Apresentações da Camerata Antiqua de Curitiba, com regência e comentários a cargo de Osvaldo Colarusso, dentro da temporada 2013 de concertos, patrocinada pelo Ministério da Cultura e pela Volvo. No programa, obras do compositor austríaco Franz Schubert. 

Datas e horários: dias 24 de maio (sexta-feira), às 20h; e 25 de maio de 2013 (sábado), às 18h30.

Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada)

Local: Capela Santa Maria – Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro)

Nenhum comentário:

Postar um comentário