sexta-feira, 26 de abril de 2013

Demon Hunter: shows em SP e RJ neste final de semana



A banda norte-americana Demon Hunter se apresenta, neste final de semana, no Brasil. Shows acontecem em São Paulo (27/04 - Inferno Club) e Rio de Janeiro (28/04 – Teatro Odisséia). Ainda há ingressos disponíveis e, em ambos os eventos, estará à venda merchandising oficial do grupo.


Faltam poucas horas para a estreia da banda norte americana Demon Hunter no Brasil. O shows estão confirmadíssimos para amanhã (27/04), na Inferno Club, em São Paulo, e domingo (28/04), no Teatro Odisséia, no Rio de Janeiro.

A produtora Dark Dimensions informa que ainda restam ingressos disponíveis para ambos os shows. Os fãs interessados podem confirmar presença através do site www.ingressosparashows.com.br. Mais informações no serviço abaixo.

Além disso, haverá venda de merchandising oficial do grupo formado por Ryan Clark (vocal), Patrick Judge (guitarra), Jeremiah Scott (guitarra), Jonathan Dunn (baixo) e Yogi Watts (bateria).

O Demon Hunter surgiu em 2000 e tem influencia de bandas como Sepultura, Pantera, Machine Head e, nas partes melódicas, Killswitch Engage. No início de 2010, a banda vendeu mais de meio milhão de discos. Atualmente, eles estão divulgando o novo álbum "True Defiance".

O videoclipe da música "My Destiny" está disponivel em http://www.youtube.com/watch?v=BHao3Fhakps.

Links relacionados:
http://www.demonhunter.net/main.php
http://www.twitter.com/demonhunterband
http://www.youtube.com/demonhuntermusic

Serviço São Paulo
Dark Dimensions apresenta Demon Hunter
Data: 27 de abril de 2013 - sábado
Local: Inferno Club
Endereço: Rua Augusta, 501 - Centro (próximo ao Metrô Consolação)
Hora: 20h | Abertura da casa: 18h
Valor: R$ 70,00 (Pista Promocional Antecipada) e R$ 100,00 (pista no dia)
Venda online: http://ingressosparashows.com.br
Censura: 15 anos
Proibida a entrada de câmeras profissionais


Serviço Rio de Janeiro
Data: 28 de abril de 2013 - domingo
Local: Teatro Odisséia
Endereço: Rua Riachuelo, 20 - Centro
Hora: 20h30 | Abertura da casa: 18h
Valor: R$ 70,00 (Pista promocional antecipada e estudante) | R$ 140,00 (pista no dia conforme disponibilidade)
Venda online: http://www.ingressosparashows.com.br
Censura: 15 anos
Proibida a entrada de câmeras profissionais

Próximas divulgações THE ULTIMATE MUSIC - PR:
27/04 – Demon Hunter – Inferno Club – SP/SP
28/04 – Demon Hunter – Teatro Odisséia – RJ/RJ
28/04 – Texas Hippie Coalition – Manifesto Bar – SP/SP
11/05 – UFO – Carioca Club – SP/SP
15/05 – Anthrax e Testament – HSBC Brasil – SP/SP
26/05 – Shadowside – Via Marquês – SP/SP
21/05 – Vinnie Moore – Teatro Municipal – Santos/SP
31/05 – André Matos – Fenix Club – Santos/SP
01/06 – Ensiferum – Carioca Club – SP/SP
14/06 – Blitzkrieg e Avenger – TBA – Santos/SP
16/06 – Blitzkrieg e Avenger – Blackmore Rock Bar – São Paulo/SP
02/07 – CJ Ramone – TBA – Santos/SP
 

Karol Conka faz show de lançamento em Curitiba


Show de lançamento de "Batuk Freak", primeiro álbum da curitibana Karol Conka, que já conta com mais de 20 mil downloads. A apresentação será no dia 03 de maio, no Jokers Pub.Karol Conka lança "Batuk Freak" com show em Curitiba

Rapper apresenta repertório do primeiro álbum no dia 03 de maio no Jokers Pub

Os mais de 20 mil downloads em apenas uma semana dizem muito: Karol Conka lançou um dos discos mais aguardados de 2013. "Batuk Freak" caiu na rede e, um mês depois de ser disponibilizado, será apresentado ao vivo na cidade da rapper. O show de lançamento do álbum de estreia da curitibana será no dia 03 de maio, sexta-feira, no palco do Jokers Pub.

Karol promete levar todo o peso do disco para o show. Para isso, além de contar com a presença de Nave, produtor do álbum e responsável pelas batidas, a rapper terá a companhia de uma banda de apoio. Fabio Abu no baixo, Madu Madureira na guitarra e Daniel Perim na bateria ajudarão a entortar o batuque. E para a performance ficar ainda mais caprichada, o dançarino Flavio Smile completará a apresentação comandando os passos. A discotecagem da festa ficará a cargo do projeto Cambalacho, com os DJs Jeff Bass e Anaum.

"Batuk Freak" foi disponibilizado no dia 8 de abril no site da revista Vice. Para baixar o material completo, o internauta precisa "pagar" com um tweet ou uma postagem no Facebook. A estratégia ajudou a espalhar a novidade e fez o nome de Karol Conka pipocar ainda mais na internet. A corrida pelo download foi, de certa forma, natural: antes mesmo de lançar o álbum, a curitibana já acumulava mais de 1,5 milhão de visualizações em seus três clipes oficiais no Youtube - "Boa Noite", "Gandaia" e "Corre, Corre, Erê". Com isso, a MC já vinha sendo apontada como uma das revelações do rap nacional, tendo dividido o palco com nomes como Racionais MCs, Emicida, Marcelo D2, além de abrir o show de Criolo, no Rio de Janeiro.

Abusando da mistura de samples e instrumentação orgânica com batidas digitais dançantes, "Batuk Freak" vem arrancando elogios por onde é tocado. Produzido por Nave - que tem músicas de Marcelo D2, Emicida, Kamau, entre outros no currículo -, o álbum ainda conta com as participações especiais do MC gaúcho Tuty (em "Olhe-se") e do paulista Rincón Sapiência ("Sandália"). Para baixar o disco, basta acessar http://www.vice.com/pt_br/read/lancamento-karol-conka-batuk-freak.

Serviço:
Karol Conka - Show de lançamento de "Batuk Freak"
Dia 03 de maio, sexta-feira, 23h
Jokers Pub - Rua São Francisco, 164 - (41) 3324-2351
Ingressos antecipados à venda no local: R$ 15
Discotecagem: Jeff Bass e Anaum (Projeto Cambalacho)

Centro Cultural Banco do Nordeste do Brasil e Ministério da Cultura apresentam o VIII Festival da Música Instrumental




A música instrumental nordestina contemporânea terá lugar garantido no VIII Festival da Música Instrumental, apresentado pelo Ministério da Cultura e o Centro Cultural Banco do Nordeste. Durante seis dias, dez grupos e artistas irão se apresentar, traçando um verdadeiro panorama da produção instrumental do País. O Festival acontecerá nos Centros Culturais do Banco do Nordeste em Sousa (PB) e Juazeiro do Norte (CE) - de 30 de abril a 04 de maio - e em Fortaleza, no

A programação musical será composta por nove bandas/artistas que representarão cada qual um estado do Nordeste e mais um convidado especial, o guitarrista e bandolinista baiano Armandinho. O artista promete um grande show, acompanhado por sua banda completa, e também participa de um bate-papo no CCBNB de Juazeiro do Norte, no dia 01/05, às 17h.

Dentre as atrações, vários instrumentos e estilos dialogam. O grupo A La Sax Quarteto, de Alagoas, mostra que é possível inventar bastante ao som de quatro tipos do instrumento de sopro. Já o Viola de Arame (BA) explora um instrumento pouco comum na construção de melodias: a viola de 10 cordas. A programação diversificada contempla novos músicos e grupos - Thiago Almeida Trio (CE) e Rivotrill (PE) – além de consagrados instrumentistas, como Xisto Medeiros (PB) e Chiquinho França (MA). 

A mistura de linguagens, influências, referências, tradições e novidades deixa clara a efervescência que vem acontecendo nessa frente da música brasileira. Em sua oitava edição, o Festival dá visibilidade e fortalece a cena musical instrumental do Nordeste. As atrações circulam em todas as cidades-palco do festival, fazendo, cada uma, três shows, para deixar que os sons ressoem sem fronteiras e cheguem ao maior público possível, favorecendo contatos e parcerias, sempre em prol do acesso à diversidade cultural.

Há tempos, instrumentistas e compositores das mais diversas influências vêm provando que o leque de opções sonoras é bem mais amplo do que se pode supor a partir dos meios convencionais de circulação da música. Acreditando no potencial dos grupos dessa região, o VIII Festival da Música Instrumental surge com o intuito de expandir novas sonoridades e linguagens que se fundem e se constroem a partir da rica diversidade rítmica do território brasileiro e nordestino, calcado no folclore e em danças típicas (coco, bumba meu boi, maracatu etc.).

O VIII Festival da Música Instrumental é apresentado pelo Ministério da Cultura, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e pelo Centro Cultural Banco do Nordeste, com patrocínio do Banco do Nordeste do Brasil, em parceria com o Theatro José de Alencar e Governo do Estado do Ceará, e realizado pela Sociedade Cearense de Jornalismo Científico e Cultural e Ministério da Cultura, Governo Federal.



PROGRAMAÇÃO



Caninga Trio (RN)

Sousa (CCBNB): 01/05, às 19h; Juazeiro do Norte (CCBNB): 02/05, às 18h30; Fortaleza (TJA): 04/05, às 17h;

Formado em 2006, o Caninga Trio surge com a proposta de desenvolver um repertório instrumental voltado para uma formação pouco comum. O sax de Heleno Feitosa (Costinha), a guitarra de Manoca Barreto e o baixo de Mário Cavalcanti “Primata” executam temas autorais e arranjos próprios da música popular e instrumental.



Thiago Almeida Trio (CE)

Juazeiro do Norte (CCBNB): 30/04, às 18h30; Sousa (CCBNB): 02/05, às 19h; Fortaleza (TJA): 05/05, às 19h40;

Pianista, compositor, arranjador. Músico autodidata, Thiago Almeida integra o quarteto cearense Marimbanda e já tocou ao lado de Raimundo Fagner (CE), Arthur Maia (RJ) e Breculê (CE). Promete o seu primeiro disco solo para 2013, intitulado Forró Real. No show, é acompanhado pelos músicos Miquéias dos Santos (baixo) e Wladimir Catunda (bateria).



À La Sax Quarteto (AL)

Sousa (CCBNB): 01/05, às 20h20; Juazeiro do Norte (CCBNB): 02/05, às 19h50; Fortaleza (TJA): 04/05, às 18h20.

No repertório, Pixinguinha e Tchaikovsky, entre outros gênios da música. Idealizado pelo professor e maestro Almir Medeiros. Além do próprio, o grupo é composto pelos instrumentistas alagoanos Aldo Nicolau, no sax alto e flauta, Elizaubo Wandemberguer, no sax tenor e clarinete, e Elizio Goethe, no sax barítono.



Chiquinho França (MA)

Fortaleza (TJA): 02/05, às 18h; Juazeiro do Norte (CCBNB): 03/05, às 18h30; Sousa (CCBNB): 04/05, às 19h.

Chiquinho França é o que se pode chamar de “um artista completo”. Canta, compõe, produz e toca virtuosamente. No show, é acompanhado pelos músicos Luiz Jr (violão) e Carlos Pial (percussão). Seu último trabalho, o DVD Chiquinho França, intitulado “Solos”, foi gravado ao vivo no Teatro Arthur Azevedo, na sua terra natal.



Quarteto Bumba Trio (PI)

Fortaleza (TJA): 02/05, às 19h20; Juazeiro do Norte (CCBNB): 03/05, às19h50;  Sousa (CCBNB): 04/05, às 20h20.

O forte sotaque jazzístico possui intenção de retratar, por meio de sonoridades, a diversidade cultural que há em nosso País. O grupo existe desde 2004 e já participou dos mais importantes festivais de música instrumental do Nordeste. É formado pelos músicos Flaubert Viana (Sax); Rafael Viana (Bateria) e Thiago Cabral (Piano) e Valdir Coyote (Contrabaixo).



Xisto Medeiros (PB)

Sousa (CCBNB): 30/04, às 20h20; Juazeiro do Norte (CCBNB): 01/05, 19h50; Fortaleza (TJA): 03/05, às 21h.

Natural de Patos (PB), é da terceira geração de músicos da família Medeiros. Contrabaixista, arranjador, compositor e produtor, iniciou seus estudos musicais sob a orientação do seu tio João Linhares e do professor Hector Rossi. No show considerado dinâmico e divertido, é acompanhado por seus irmãos Hélio Medeiros (teclado/piano) e Hermes Medeiros (bateria/percussão).



Café Pequeno (SE)

Souza (CCBNB): 02/05, às 20h20; Juazeiro do Norte (CCBNB): 04/05, às 19h50; Fortaleza (TJA): 05/05, às 17h.

O terceto surgiu em 2005. É composto pelos músicos Pedrinho Mendonça (Percussão), Júlio Rêgo (Gaita) e Guga Montalvão (Violão). Os sergipanos têm o repertório marcado por músicas da MPB e do choro instrumental, além de composições próprias. Atualmente o grupo está em estúdio preparando seu mais novo álbum.



Rivotrill (PE)

Sousa (CCBNB): 30/04, às 19h; Juazeiro do Norte (CCBNB): 01/05, às 18h30; Fortaleza (TJA): 03/05, às 18h.

O trio formado por Júnior Crato (flauta, saxofone, teclado), Lucas dos Prazeres (percussão) e Rafael Duarte (contrabaixo) tem mostrado criatividade e inovação em suas composições, estabelecendo sua posição como um dos talentos excepcionais da música instrumental brasileira. Em suas performances, despertam um olhar diferenciado sobre a música.



Viola de Arame (BA)

Sousa (CCBNB): 03/05, às 19h; Juazeiro do Norte (CCBNB): 04/05, às 18h30; Fortaleza (TJA): 05/05, às 18h20.

O grupo formado pelos músicos Júlio Caldas, Cássio Nobre e Ricardo Hardmann faz um show de um gênero musical que pode ser classificado ao mesmo tempo como “regional” e “universal”. Nele, a viola de 10 cordas - também chamada “viola caipira” ou “viola de arame” - é a principal atração.

 

Armandinho (BA – Convidado especial)

Juazeiro do Norte (CCBNB): 30/04, às 19h50; Sousa (CCBNB): 03/05, às 20h20; Fortaleza (TJA): 04/05, às 19h40.

Bate-papo em Juazeiro do Norte (CCBNB): 01/05, às 17h.

Filho de Osmar Macêdo, músico e idealizador do trio elétrico, e integrante do grupo A Cor do Som. Já se apresentou ao lado de músicos como Raphael Rabello, Moraes Moreira, Yamandú Costa, entre outros. No show, além de tocar sua guitarra baiana e bandolim, é acompanhado pelos músicos Júlio Leony (baixo), Yacoce Costa (teclado), Márcio Diniz (bateria) e Magno Stanchi (percussão).



Serviço

VIII Festival da Música Instrumental

De 30 de abril a 04 de maio nos Centros Culturais do Banco do Nordeste em Sousa (PB) e Juazeiro do Norte (CE).

E de 02 a 05 de maio em Fortaleza, no Theatro José de Alencar.


Theatro José de Alencar, de 02 a 05 de maio de 2013.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Quarteto Tau se apresenta no Programa Tardes Musicais da Fundação Ema Klabin





Formação receberá participação especial do clarinetista e compositor italiano Luca Luciano. Em maio, músicos farão turnê pela Europa. 

Com originalidade nos arranjos, o grupo traça um panorama da música brasileira.



Em continuidade ao programa Tardes Musicais - música de Câmara -  a Fundação Ema Klabin apresenta nesse sábado, 27 de abril,  às 16h30,  o grupo brasileiro de violões  Quarteto Tau. 

O grupo formado pelos violonistas Breno Chaves, José Henrique de Campos, Fábio Bartoloni e Daniel Murray,  terá a  participação especial do reconhecido clarinetista e compositor italiano Luca Luciano.
O repertório inclui clássicos de nomes de referência como Ernesto Nazareth e Garoto, e peças contemporâneas de Chico Saraiva, Paulo Bellinati, Weber Lopes, Emiliano Castro e Daniel Murray.


Com dois CDs lançados: "Brasileiro" ( 2007) e "Cordas Brasileiras" (2011) , o grupo se apresentará , em maio, em espaços  de referência como a St. Martin in the Fields e em Cambridge na Inglaterra, durante turnê pela Europa.



O Programa Tardes Musicais – música de câmara - tem apoio cultural da  Fritz Dobbert.



Serviço: Tardes Musicais – Música de Câmera

Concerto: Quarteto Tau e Luca Luciano

Data: 27/04/2013

Horário: 16h30

Entrada Gratuita

Lotação: 180  | Indicação: Livre

Visitação Gratuita ao Museu a partir das 15h.

Local: Fundação Ema Klabin

Rua Portugal, 43 – Jardim Europa – São Paulo. 01446-020

Estréia do albúm Animal Nacional nesta sexta em Curitiba!!!



#BEEWARE: ANIMAL NACIONAL VEM AÍ!

A decima segunda edição do projeto Radar “A nova música brasileira no Teatro Paiol” traz para Curitiba pela primeira vez, a banda Vespas Mandarinas, para o lançamento no seu novo álbum ‘Animal Nacional’

Vespa Mandarina, inseto nativo da Ásia, igualmente conhecida como Zangão Japonês ou Vespa Assassina, figura no topo da lista dos insetos mais perigosos do Planeta. Essa classe de artrópode possui uma neurotoxina cujo veneno mata, todos os anos, cerca de 40 pessoas ao redor do mundo, além de dizimar outros insetos, como abelhas e louva-a-deuses. Vespas Mandarinas, no plural, também é o nome da banda paulistana – formada por Chuck Hipolitho (guitarra e voz), Thadeu Meneghini (guitarra e voz), André Dea (bateria) e Flavio Guarnieri (baixo) – que lança “Animal Nacional”, seu álbum de estreia pela gravadora Deck. Tanto Vespas Mandarinas quanto “Animal Nacional” são nomes que, nesse primeiro disco, se ajustam como uma carapuça e guardam, ao longo de seus 41 minutos, inoculantes venenos poético-sonoros.

As Vespas Mandarinas tiveram na populosa e sempre caótica cidade de São Paulo o cenário e a maior fonte de inspiração na qual sorveram seu combustível. No álbum, a urbanidade de megalópole revela-se direta, indireta, sonora e metaforicamente. O conjunto de influências musicais da banda, que inscreve no rock de ascendência brasileira seu traço genético, é amplo: vai da “era de ouro” do rock verde-amarelo, os anos 80, através de bandas que chegaram ao mainstream – Titãs, Ira!, Paralamas do Sucesso e Engenheiros do Hawaii – e outras mais subterrâneas, mas não menos importantes – como, por exemplo, Gueto, Smack, Picassos Falsos e Violeta de Outono.


“Animal Nacional” valoriza as letras, o discurso, a poesia e enfatiza, em muitas canções, as guitarras, grandes e robustas, manejadas pela dupla Chuck/Thadeu. O acompanhamento de André e Flavio, baixo e bateria respectivamente, dão corpo à massa sonora das Vespas Mandarinas. As composições, segundo Meneghini, expressam profundidade, a “filigrana dourada” que se perdeu no “desletrado” e superficial rock desses esvaziados tempos. A banda encorpou esse “mojo letrístico” – em certos momentos literário e romântico e, em outros momentos, ríspido e crítico –, contando com novas e antigas parcerias musicais. Uma delas foi a contribuição do compositor de mão-cheia Adalberto Rabelo Filho, da banda Judas, um dos grandes letristas dessa geração, e outra a participação intelectual de Fábio Cascadura, da banda baiana Cascadura.

O álbum tem 12 faixas e, dentre elas, “Cobra de Vidro”, já conhecida pelos fãs da banda. A música ganhou videoclipe dirigido pela lente do cineasta Ivan Cardoso, mestre do “terrir”, diretor de filmes seminais como “As Sete Vampiras” e “Escorpião Escarlate”.

O disco foi gravado entre os estúdios Tambor (RJ) e Costella (SP) e tem produção de Rafael Ramos.

Animal Nacional – “‘Animal Nacional’ é um bicho que a gente criou no cativeiro do nosso inconsciente, mas tem muito de consciente nele também”, explica Thadeu Meneghini. “É uma valorização do que é brasileiro sem o lado piegas e chato de ser nacionalista. É a representação de um Brasil possível convivendo com o que é certo e errado, sem a sombra do politicamente correto, sem o medo da intelectualidade e da comunicação popular”. Um Brasil, ele completa, inserido na cultura pop mundial. O Brasil do Raulzito, Ivan Cardoso,
Wally Salomão e Tiririca.

O guitarrista Chuck Hipolitho diz que o melhor do rock brasileiro dos anos 80 está no DNA das Vespas Mandarinas. Foi, para ele, uma época tão legal e frutífera na arte no Brasil que tudo o que aconteceu na música “infiltrou” em todo mundo – mesmo que indiretamente. “Eu era uma criança e recebi tudo; as crianças estão abertas. Naquela época, no Brasil, eu acho que existia uma equação muito interessante de ingenuidade, sagacidade, vontade e criatividade dadas as limitações comerciais, sociais, políticas e técnicas. O que gosto mesmo naquilo tudo é o poder de penetração e a conexão com o aqui e o agora que tinha na época”.

“Animal Nacional” é a cura para o mundo superficial de nossos dias. Um veneno que, ao mesmo tempo, é um antídoto para as falsas modernidades.

Texto: Cristiano Bastos


O projeto ‘’Radar - A nova música brasileira no Teatro Paiol’’ traz á Curitiba artistas relacionados à música contemporânea brasileira que integrarão a programação do Teatro Paiol. Já passaram pelo projeto Anelis Assumpção, Siba, Lira, Bixiga 70, Maquinado, O Terno, Cicero, entre outros. O projeto é idealizado e realizado pela Verdura Produções Culturais e tem como principal objetivo a formação de público e o intercâmbio musical entre os artistas.

O projeto com com o apoio cultural da Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura de Curitiba, Lumen FM, Meio Fio Cultural, Efexx Sonorização, Ocupa Filmes, Blog Tudo O que Você (Ou)vê, Maquina Produções, Ambiental Pub, Estofaria Bar, Cana Benta e Ocupa Filmes.
***
Serviço:

O que?
Radar - A nova música brasileira nos 40 anos do teatro Paiol convida Vespas Mandarinas.
Data: 26 de Abril (Sexta-feira)
Onde: Teatro Paiol
Endereço: Praça Guido Viaro S/N
Horario: 20:30h
Telefone: 3213-1340
Ingressos: R$ 20,00 Estudantes, Professores, Idosos, Doadores de 1Kg de Alimento, Doadores de Sangue e Deficientes fisicos.
R$ 40,00 inteira.

DOBRADINHA CAMBALACHO /INMWT É DESTAQUE DA SEMANA NO JAMES




Tem pra todo mundo na programação desta semana no James. Além das guitarras na Quarta Rock e dos hits radiofônicos da POPLine, a casa oferece uma grande variedade musical nesta semana, quando as festas Cambalacho e In New Music We Trust (INMWT) voltam a fazer a dobradinha da quinta e sexta-feira (25 e 26.04).

“O Baile do Macaco”, como a Cambalacho se popularizou, costuma fazer uma grande fusão sonora a partir do hip-hop e outros vários gêneros, como black music, rock, eletrônico, brasilidades, entre outros. O convidado dos residentes Anaum e Jeff Bass nesta quinta-feira é o DJ Schasko, já bastante conhecido do público curitibano – ele é um dos produtores da balada Funk You – e também de São Paulo, onde costuma tocar na Chocolate.

A INMWT, dedicada às grandes novidades nas pistas mundiais, volta também a cada dia mais abrangente. Na edição desta sexta, o produtor e DJ Denis Pedroso recebe vários convidados, começando com o aquecimento da discotecagem do jornalista Guga Azevedo (Antipista).

Em seguida, uma avalanche musical em um desfile de diversos estilos: os catarinenses Mixdude e Rheg com moombahton, trap, nu-disco, disco e bass; a dupla Bernardo Correia e Georgia Settanni (Rock2Rock) com indie rock; e Celso Ferreira, um dos residentes da POPLine, apresentando os hits das divas da nova geração.

CAMBALACHO. Com os DJs residentes Anaum e Jeff Bass. Convidado DJ Schasko (Funk You/CWB). Nesta quinta-feira (25.04), a partir das 22h, com entradas a R$ 15 e R$ 12 na Lista Amiga (nome completo enviado com o assunto “Lista” para cambalachocwb@gmail.com até às 18h – a entrada com desconto só é válida até as 0h30).

IN NEW MUSIC WE TRUST PARTY. DJ residente Denis Pedroso. Convidados Mixdude (SC), Rheg (SC), Rock2Rock (Bernardo Correia e Georgia Settanni), Celso Ferreira e Guga Azevedo. Hostess Monique Maito, shots free com Sibele Loesch. Sorteio de entradas VIP e drinks ao longo da semana, pela fanpage da festa no Facebook. Nesta sexta-feira (26.04), a partir das 22h, com entradas a R$ 18.

JAMES (www.james.com.br)
Av. Vicente Machado, 894. Curitiba/PR.
INFORMAÇÕES PARA O PÚBLICO E RESERVAS: (41) 3222-1426. Formas de pagamento: Todos os cartões de débito, Créditos Amex, Diners, Master, Visa e Visa Vale Refeição.


Coro da Camerata abre temporada 2013 com programa que apresentará na Alemanha






As apresentações do Coro da Camerata Antiqua de Curitiba, que acontecem de sexta-feira a domingo (26 a 28), na Capela Santa Maria Espaço Cultural, proporcionam ao público momentos especiais. Na abertura da agenda anual de espetáculos, patrocinada pelo Ministério da Cultura e pela Volvo, o grupo executa um concerto que levará à Alemanha, no próximo mês de junho, quando representará o Brasil na Bienal de Coros, em Aachen. A maestrina cubana Maria Antonia Jimenez, que assume a direção artística e a regência do Coro na temporada 2013, elaborou ainda outro programa para evidenciar a versatilidade e o virtuosismo dos cantores.

Na sexta-feira (26), às 20h, e no domingo (28), às 18h30, o concerto “A Cantiga Brasileira – Música Coral do Brasil” – com declamação de Claudia Römmelt e concepção de dramaturgia a cargo de José Brazil – reúne obras de Heitor Villa-Lobos (1887-1959), Lindembergue Cardoso (1939-1989), Waldemar Henrique (1905-1995), Camargo Guarnieri (1907-1993), Francisco Mignone (1897-1986), Henrique de Curitiba (1934-2008), Ernani Aguiar (1950), Aylton Escobar (1953), Chico Buarque de Holanda (1944) e Ronaldo Miranda (1948).

É com essa programação que o Coro da Camerata Antiqua de Curitiba mostrará na Alemanha a excelência do trabalho que desenvolve desde a sua criação, em 1974, e que extrapolou fronteiras. A apresentação dos cantores conta com a preparação cênica do carioca José Brazil, que escolheu Curitiba para expandir sua carreira artística. Barítono da Camerata Antiqua de Curitiba, Brazil formou-se em Canto pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná – Embap, além de dedicar-se à direção cênica de óperas.

O concerto completa-se com a declamação de Claudia Römmelt, nascida em Bonn (Alemanha), mas que vive no Brasil desde 1994. Na Universidade Federal do Paraná, Claudia obteve doutorado em História e, em 2003, assumiu a gerência do Instituto Goethe em Curitiba, atuando em diferentes áreas da cultura, com ênfase em música e artes visuais.



Outro programa – No sábado (27), às 18h30, o Coro da Camerata Antiqua de Curitiba apresenta o concerto “O Sacro na Música Coral Brasileira”, com composições de Manoel Dias Oliveira (1745-1813), José Maurício Nunes Garcia (1767-1830), Heitor Villa-Lobos (1887-1959), Ronaldo Miranda (1948), Ernani Aguiar (1950), Camargo Guarnieri (1907-1993) e Aylton Escobar (1943).

O espetáculo contará com comentários da maestrina Maria Antonia Jimenez, dando continuidade à proposta da Fundação Cultural de Curitiba de introduzir breves palestras de especialistas nos concertos da Camerata Antiqua, Orquestra de Câmara e Coro da Camerata, com o objetivo de permitir ao público melhor apreciação da produção de grandes compositores.



O coro – Formado em 1974, pelo maestro Roberto de Regina, o Coro da Camerata Antiqua de Curitiba reúne cantores com sólida formação musical, sendo uma referência da música vocal, no Brasil. Destacando-se pela originalidade e leveza na interpretação da música barroca e renascentista, incorporou também a música contemporânea, o que imprimiu ao grupo a característica marcante de transitar com sucesso por um vasto e eclético repertório.

Citado pela imprensa europeia entre os dez melhores do mundo, o Coro da Camerata integrou o 18º Festival Corale Internazionale “La Fabbrica Del Canto”, realizado na Itália, em junho de 2009. Na ocasião, o coro curitibano levou quatro programas diferentes para uma série de dez concertos pela região da Lombardia, com início na cidade de Legnano e término em Milão. A participação no festival resultou do sucesso obtido pelo grupo no 8º Simpósio Mundial de Música Coral, que aconteceu em Copenhague (Dinamarca), em 2008.

Essas não foram as primeiras incursões internacionais do Coro da Camerata Antiqua de Curitiba. Em 2006, o grupo realizou uma turnê pela Alemanha, acompanhado da Orquestra de Câmara de Arad (Romênia). No ano seguinte, cantou em Portugal com a Orquestra Sinfônica da Póvoa do Varzim, a convite do 29º Festival Internacional de Música do Algarve. No Brasil, já realizou concertos como convidado da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), sob a regência de Roberto Minczuk. E, neste ano de 2013, leva novamente seu talento à Europa, representando o Brasil na Bienal de Coros, em Aachen (Alemanha), que acontece de 12 a 23 de junho. 

De 2009 a 2011, o maestro Wagner Polistchuk assumiu a direção artística da Camerata Antiqua de Curitiba (coro e orquestra). Durante os anos de 2009 a 2012, o Coro teve como regente titular a maestrina Helma Haller. Para a temporada de 2013, o grupo estará sob a direção artística e regência de Maria Antonia Jimenez.



A regente – Formada em Regência Coral pelo Conservatório de São Petersburgo (Rússia), a cubana Maria Antonia Jimenez foi convidada, em 1995, pela Fundação Carlos Gomes (Belém do Pará) para ministrar aulas de canto e regência coral. No mesmo ano, fundou o Coro Carlos Gomes, com o qual obteve reconhecimento da crítica especializada e do público, no Brasil e no exterior.

Com importantes premiações, entre elas os Diplomas de Ouro e Prata no 26º Concurso Internacional de Coros Franz Schubert (Áustria – 2010), as Medalhas de Ouro e Prata nas 5ª Olimpíadas Mundiais de Coros (Áustria – 2008), a Medalha de Ouro no 9º Concurso Internacional de Coros Orlando Di Lasso (Itália – 202) e a Medalha de Bronze no 12º Concurso de Música Sacra (Grécia – 2006), também realiza pesquisas sobre a música folclórica paraense.

Maria Antonia ainda respondeu pela produção e direção musical dos CDs solos do Coro Carlos Gomes, intitulados “O Belo” (2002) e “O Cantochão dos Mercedários do Grão Pará” (2004). Em 2012, foi homenageada pela Fundação Carlos Gomes pela sua contribuição musical.



Serviço:

Apresentações do Coro da Camerata Antiqua de Curitiba, sob a regência da maestrina Maria Antonia Jimenez, na abertura da temporada 2013 de espetáculos patrocinada pelo Ministério da Cultura e pela Volvo.

Datas, horários e programas: dias 26, às 20h, e 28 de abril de 2013, às 18h30 (sexta-feira e domingo), “A Cantiga Brasileira – Música Coral do Brasil”, com declamação de Claudia Römmelt, concerto que será levado à Bienal de Coros em Aachen (Alemanha), no próximo mês de junho; dia 27 de abril de 2013 (sábado), às 18h30, “O Sacro na Música Coral Brasileira”. A apresentação conta com comentários da maestrina Maria Antonia Jimenez. 

Local: Capela Santa Maria Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro)

Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada).

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Fim de semana com show de Consuelo de Paula e Orquestra À Base de Corda





A cantora mineira Consuelo de Paula é a convidada da Orquestra À Base de Corda para apresentações no Teatro da Reitoria, no sábado (20), às 20h, e no domingo (21), às 19h. O espetáculo marca o lançamento do CD “Casa”, cujo repertório é formado por canções de Consuelo, em parceria com o violonista Rubens Nogueira, falecido em fevereiro de 2012, a quem o show é dedicado.

A música de Consuelo de Paula chega muito bem acompanhada neste trabalho – do qual assina concepção, direção, produção e todas as letras, que foram musicadas por Rubens Nogueira – pelo talento da orquestra curitibana À Base de Corda, que confere ainda mais vigor ao personalíssimo trabalho da artista.

Surpresas permeiam todo o CD, que tem em cada canção um toque, um tempero diferente. É que Consuelo convidou não apenas um arranjador para a “construção” de sua “Casa”: além de João Egashira, André Prodóssimo e Luís Otávio Almeida (integrantes da orquestra), os músicos Dante Ozzetti, Chico Saraiva, Weber Lopes e Luiz Ribeiro assinam os belos e delicados arranjos desse trabalho. São arranjos diferentes para conduzir com unidade a poesia e o canto de Consuelo.



A artista e seus trabalhos – Mineira de Pratápolis e radicada em São Paulo há mais de 20 anos, Consuelo de Paula é uma das poucas artistas de sua geração que possui, de fato, uma obra autorreferente, na forma e no conteúdo. Com forte presença de palco e carisma, revela-se primorosa intérprete de sua própria obra e de outros autores. A artista é cantora, compositora, poeta, diretora artística e produtora musical de seus próprios trabalhos.

A trajetória de Consuelo de Paula é marcada pela trilogia “Samba, Seresta e Baião” (1998), “Tambor e Flor (2002) e “Dança das Rosas” (2004). Discos que consolidaram sua carreira como compositora e intérprete, conferindo-lhe respeito e reconhecimento pela musicalidade e sensibilidade, marcando sua arte na cultura brasileira. Após o período dedicado aos CDs citados, Consuelo lançou um livro de poemas e imagens, “A Poesia dos Descuidos”, em parceria com Lúcia Arrais Morales, em julho de 201, seguido pelo DVD “Negra”, em outubro de 2011, que agora também será lançado em versão digital.

No atual CD “Casa”, Consuelo registra o afeto e a admiração por Rubens Nogueira: “Rubão traduzia em notas musicais a expressão contida na letra, por mais metafórica que fosse. Ele fazia a música certeira para elevar e respeitar a poesia. E fazia isso de forma genial”.

Nas músicas escolhidas para o CD, Consuelo de Paula não se contenta em apenas montar uma sequência. Ela cria um enredo que recebe, acolhe e festeja o ouvinte, e dele se despede. Abrindo o disco, “Convite” faz exatamente o chamado para que entremos na “roda” para brincar e aproveitar a festa que o disco vai propiciar. A música também reporta às suas raízes mineiras, para que não haja dúvidas.

O samba “Marinheiro” reafirma o convite à música de Consuelo, com arranjo brejeiro e faceiro de Egashira. A composição ganha molejo e cadência para a recepção – o cavaquinho de Julião Boêmio, a viola de Junior Bier e o violão de Hestevan Prado marcam o gingado irresistível dessa música. Na terceira faixa, “Desafio”, o mineiro Weber Lopes assina o arranjo, que começa grandioso enaltecendo a música de Rubens. O tema da próxima canção, “Notícias” (arranjo alegre de Chico Saraiva), brinca com o que pode vir pela frente e termina com um belo solo de bandolim de Rodrigo Simões.

“Borboleta” foi inspirada no poema “Elegia a uma pequena borboleta”, de Cecília Meireles, ganhando arranjo de Dante Ozzetti. Na sexta música, “Espera”, o arranjo sofisticado e delicado de Chico Saraiva valoriza a interpretação de Consuelo. 

Com arranjo coletivo da Orquestra À Base de Corda e de Consuelo, “Navegações” tem piano de Fábio Cardoso e batuque afro de Luís Rolim para falar do mar, de saudades e sentimentos. Em seguida, “Destino” é considerada pela cantora como a canção mais atávica e fluente deste CD. Com arranjo de André Prodóssimo, a letra trata de amorosidades e heranças, com destaque para o solo de violino de Helena Bel. A faixa “Azul” revela a cor que guiou o CD: “A música é repleta de simbologia e sintetiza bem o conceito do disco. O arranjo de Luiz Otávio Almeida dá movimento à música, como o próprio vento”, diz Consuelo.

O samba “Fé”, novamente ao lado de Egashira, traz uma gota de melancolia. Continuando o último bloco, inspirado no “Réquiem” de Mozart, o arranjo de Dante Ozzetti para o “Réquiem” de Rubens e Consuelo não poderia deixar de conter o dolorido tom da despedida. Mas, como tudo na obra desta artista repleta de contrastes, aqui ela inicia falando de sol. E “Casa” termina com a música “Estrela” (arranjo de Luiz Ribeiro), uma homenagem ao talento de Rubens Nogueira como compositor e instrumentista. É a derradeira melodia da obra que ele enviou para Consuelo: “Essa melodia chegou para mim como um presente porque era inspirada em meus universos musicais, em minha casa, e agora retribuo apenas ouvindo-a, com a certeza de que o silêncio é outro poema acertado em nossa parceria”, afirma a cantora.



A orquestra – Criada por Roberto Gnattali, em 1998, a Orquestra À Base de Corda, grupo mantido pela Fundação Cultural de Curitiba, dedica-se à pesquisa e à divulgação da música brasileira. A formação instrumental ímpar – com violino, bandolim, cavaquinho, viola caipira, violão, violão 7 cordas, piano e percussão – confere ao grupo sonoridade bastante particular. O repertório da orquestra procura abranger diversos períodos da história da música brasileira e inclui composições de seus integrantes.

Na extensa lista de convidados ilustres em suas apresentações, o grupo contabiliza participações de Mônica Salmaso, Roberto Corrêa, Ceumar, Pedro Amorim, Dominguinhos, Joel Nascimento, Andrea Ernest Dias, Caíto Marcondes, Maurício Carrilho, Zé Renato e Ná Ozzetti. Outro diferencial da orquestra são os arranjos elaborados por seus integrantes e por nomes como Paulo Bellinati, Maurício Carrilho, Leandro Braga, Dante Ozzetti, Jayme Vignoli, Mario Manga, André Abujamra, Paulo Aragão e Josimar Carneiro.

Desde 2001, a Orquestra À Base de Corda conta com a direção musical do violonista e bandolinista João Egashira. Em 2008, o grupo lançou seu primeiro CD, intitulado Antiqüera, ao lado do violeiro Roberto Corrêa, tendo sido indicado para o Prêmio Rival.



Serviço:

Show “Orquestra À Base de Corda convida Consuelo de Paula”, com lançamento do CD “Casa”.

Datas e horários: dia 20 de abril (sábado), as 20h, e dia 21 de abril de 2013 (domingo), às 19h.

Local: Teatro da Reitoria (Rua XV de Novembro, 1.299 – Centro)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada).

Informações: (41) 3321-2855

Para saber mais: www.consuelodepaula.com.br

ABRiL JAZZ mil - Festival de Jazz de Palmela




"ABRIL JAZZ mil" - uma iniciativa iniciada em 2009 que proporciona à Comunidade Educativa, e ao público em geral, um contacto próximo com esta linguagem musical - o Jazz. A programação é composta por alguns artistas Portugueses de topo nesta área musical.
20ABRIL
   

 João Paulo Esteves da Silva Quarteto
 João Paulo Esteves da Silva: Piano
 João Moreira: Trompete
 Mário Franco: Contrabaixo
 André Sousa Machado: Bateria

 AFTER-HOURS
 STANDARTS + JAM SESSION João Vítor Martins Trio


21ABRIL
   

 Orquestra Jazz Conservatório Reg. Palmela
 Direcção musical: Claus Nymark

 Orquestra Jazz Humanitária
 Convidado especial: Ivo Soares
 Direcção musical: Claus Nymark

PROGRAMAÇÃO SEMANAL JAMES DE 24 A 27 DE ABRIL


PROGRAMAÇÃO DA SEMANA
De 24 A 27 DE ABRIL

QUARTA 24.abr: 22h
QUARTA ROCK convida Water Rats
DJs residentes Ale Dantas, Claudinha Bukowski  e Pablo Busetti.
DJs Convidados Water Rats (Grips e Bi).
SORTEIO DE VIPs com participação a partir das 13h, na fanpage da festa no Facebook.
DOUBLE DRINK* até 24h.
*Destilados nacionais.
22h/R$ 10

QUINTA 25.abr: 22h
CAMBALACHO
Djs residentes Anaum e Jeff Bass.
DJs convidado Schasko (Funk You - CWB).
R$ 12,00 na lista amiga (válida até 00h30) enviando o nome completo com assunto LISTA até as 18hrs do dia da festapara: cambalachocwb@gmail.com
22h/R$ 15

SEXTA 26.abr: 22h
IN NEW MUSIC WE TRUST
DJ residente Denis Pedroso.
Convidados: Mixdude (SC), Rheg (SC), Rock2Rock (Bernardo Correia e Georgia Settanni), Celso Ferreira. E, no warm up, Guga Azevedo.
SORTEIO DE VIPs e DRINKs ao longo da semana, pela fanpage da festa no Facebook.
22h/R$ 18.

SÁBADO 27.abr: 22h
POP LINE
DJs residentes Denis Pedroso, Lu Padilha e Celso Ferreira
SORTEIO DE VIPs com participação a partir das 14h, na fanpage da festa no Facebook.
22h/R$ 18.

JAMES
Av. Vicente Machado, 894. Curitiba/PR. (41) 3222-1426. Formas de pagamento: Todos os cartões de débito, Créditos Amex, Diners, Master, Visa e Visa Vale Refeição.

A música do Quarteto Zenamon toma conta do Teatro do Paiol


A música do Quarteto Zenamon toma conta do Teatro do Paiol



Uma noite ao som dos violões do Quarteto Zenamon é a atração do Teatro do Paiol, às 20h desta quarta-feira (24), com uma programação de música erudita que leva ao público composições de autores latino-americanos. Os ingressos para o espetáculo custam R$ 8 e a classificação etária é de 12 anos.

Formado pelos instrumentistas Allan Kolodzieiski, Jean Barcelos, Cainã Rocha e Jean Gabriel Coutinho, o Quarteto Zenamon surgiu em 2010, numa iniciativa de alunos do curso de Violão Superior em Instrumento da Escola de Música e Belas Artes do Paraná – Embap. Com o seu nome, o grupo homenageia Jaime Zenamon, compositor e violonista boliviano radicado no Brasil, responsável por uma vasta obra para violão erudito, orquestra e outras formações, além de ser o fundador do curso de violão, na Embap.

O quarteto desenvolve um repertório que reúne obras de compositores latino-americanos e também com transcrições para essa formação. No currículo do grupo constam apresentações em Curitiba e em outras cidades paranaenses, além de gravações para televisão e participações em oficinas, paralelamente a concertos na série Música de Câmara na Capela Santa Maria Espaço Cultural e na última edição do Simpósio Acadêmico de Violão da Embap.



Serviço:

Apresentação do Quarteto Zenamon, formado pelos violonistas Allan Kolodzieiski, Jean Barcelos, Cainã Rocha e Jean Gabriel Coutinho.

Local: Teatro do Paiol (Praça Guido Viaro, s/n – Prado Velho).

Data e horário: dia 24 de abril de 2013 (quarta-feira), às 20h.

Ingressos: R$ 8

Classificação: 12 anos

Jota Quest chega a 1 milhão de seguidores no Twitter




Banda é a mais seguida do país




Com perfil criado há 3 anos pelos próprios integrantes, a banda Jota Quest comemora esta semana a marca de 1 milhão de seguidores no microblog Twitter. É a primeira vez que um grupo de pop-rock brasileiro alcança tal índice, desde a explosão das redes sociais por aqui.



O grupo mineiro, que segue em estúdio produzindo seu oitavo álbum de inéditas, contabiliza também 900 mil fãs no Facebook, e mais de 28 milhões de vews de seus vídeos no Youtube e Vevo. A banda já vendeu mais de 4,5 milhão de cópias de seus cds, dvds e conteúdo digital, em pouco mais de 16 anos de carreira.

quinta-feira, 18 de abril de 2013

24/04 - Dona Inah – Fonte de Emoção




Pocket Show de lançamento do Cd na FNAC Pinheiros

Nascida em Araras (SP) e ligada à música desde criança, Dona Inah só teve seu talento devidamente reconhecido em 2005, aos 69 anos. Foi neste ano que ela ganhou o Prêmio TIM na categoria Revelação, com seu primeiro CD, “Divino Samba Meu”. A partir de então sua carreira deslanchou.
Uma das vozes expressivas do samba do Brasil, lança agora, aos 77 anos, seu terceiro CD, “Fonte de Emoção”, pelo selo Pôr do Som.

No trabalho, Dona Inah chama atenção pela voz firme e pela naturalidade com que canta. O CD, conta com composições de grandes representantes do samba, como Paulo César Pinheiro, Dona Ivone Lara Monarco, Délcio Carvalho e Ivor Lancellotti. O trabalho também teve participações de Monarco, Délcio Carvalho, Anaí Rosa, Carmen Queiroz, Karine Telles, Roberta Valente, João Macacão, entre outros.

24 de abril de 2013 19:30
Local: Fnac Pinheiros - Entrada Franca
Praça dos omaguás, 34, São Paulo, SP - Tel: (11)3579-2000

Clique e saiba mais sobre o disco.

terça-feira, 16 de abril de 2013

Degustação Musical 2013 - Joaquín Rodrigo


clique para ampliar

Márcio Werneck prepara lançamento do EP “Márcio Werneck e Chegados”








Um dos fundadores das banda Fábrica Fagus (1987 a 1994) e Caboclada (1997 a 2005), o cantor e guitarrista Márcio Werneck retoma sua carreira musical com o projeto “Márcio Werneck e Chegados”. Ele lança um Ep homônimo e estreia o novo show no Bourbon Street, em São Paulo, dia 18 de abril, com participação da banda Z’Africa Brasil.



Nas 5 faixas do Ep, todas de autoria própria, Márcio retoma a influência do funk original, samba e soul brasileiros, que fazem parte do universo do compositor vivido e assimilado na sua adolescência quando frequentava “bailinhos” na Zona Norte de São Paulo.  “ Se tem alguma coisa de moderno no som, é que ele é antigo…tudo tocado. ” diz Werneck.



Além de músicos profissionais e experientes, em parceria com a Escola do Auditório Ibirapuera, Werneck convidou 7 alunos, entre 17 e 19 anos, vindos da periferia de SP para gravarem no Ep e participarem dos shows.



Mais informações: www.mwchegados.com

PROGRAMAÇÃO SEMANAL JAMES DE 17 A 20 DE ABRIL


QUARTA
17.abril
QUARTA ROCK Hostess Edition
DJs residentes Ale Dantas, Alessandrinho e Pablo Busetti.
Convidadas Monique Maito, Rafa Camilo e Lets Do It Better.
SORTEIO DE VIPs com participação a partir das 13h, na fanpage da festa no Facebook.
DOUBLE DRINK* até 24h.
*Destilados nacionais.
22h/R$ 10

QUINTA
18.abril
TIED DO THE 90’s Especial Dream Pop & Shoegaze
DJs residentes Marcell Boareto e Sol Lingau.
Convidados Juliana Girardi e Palugan (SP).
DOUBLE DRINK* até 24h.
*Destilados nacionais.
22h/R$ 12

SEXTA
19.abril
ALTA FIDELIDADE
DJs residentes Ale Dantas e Claudinha Bukowski.
LISTA FIDELIDADE meia entrada, a partir das 13h, na fanpage da festa no Facebook.
22h/R$ 16

SÁBADO
20.abril
POP LINE
DJs residentes Lu Padilha, Ale Dantas e Denis Pedroso.
SORTEIO DE VIPs com participação a partir das 14h, na fanpage da festa no Facebook.
22h/R$ 18.

JAMES (www.james.com.br)
Av. Vicente Machado, 894. Curitiba/PR.
INFORMAÇÕES PARA O PÚBLICO E RESERVAS: (41) 3222-1426.
FORMAS DE PAGAMENTO: todos os cartões de débito, Créditos Amex, Diners, Master, Visa e Visa Vale Refeição.

Conservatório de MPB promove curso para professores de piano




       

O Conservatório de Música Popular Brasileira de Curitiba promove de 20 de abril a 12 de maio, aos sábados, o curso de Capacitação para Professores de Piano, com a professora Abigail Rodrigues Silva. O curso é voltado à formação de professores pelo método construtivista “Aprender, tocar e criar ao piano”, desenvolvido pela própria Abigail Silva. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas pelo e-mail profabigail@profabigail.com.br ou na secretaria de cursos do Conservatório de MPB.

O método, que pode ser utilizado tanto para aulas individuais ou em grupo, foi criado a partir dos cursos realizados pela pianista com Robert Pace, na Universidade de Columbia (EUA). Sua metodologia propõe que o aluno receba, desde as primeiras aulas, conhecimentos musicais que normalmente são estudados mais tarde. Além da técnica, são ensinadas desde cedo noções de harmonia, transposição, improvisações, desenvolvimento rítmico, auditivo e coordenação. O curso será realizado em quatro aulas, nos dias 20 e 27 de abril, e 4 e 12 de maio, das 13h30 às 16h30, com investimento de R$ 150.



Serviço:

Curso de Capacitação para Professores de Piano, com a professora Abigail Rodrigues Silva.

Local: Conservatório de Música Popular Brasileira de Curitiba – Rua Mateus Leme, 66 – Centro Histórico.

Datas e horários: 20 e 27 de abril, e 4 e 12 de maio de 2013, das 13h30 às 16h30.

Valor: R$ 150

Inscrições e informações: profabigail@profabigail.com.br ou na secretaria de cursos do Conservatório de MPB – fone: (41) 3321-3315

                   

Deck lança EP do Before You Exit



Talento e carisma são peças chave para uma produção de qualidade. E são essas as características que chamam atenção instantaneamente no trio norte-americano Before You Exit. Com milhões de visualizações no Youtube, eles lançam seu primeiro EP, “I Like That EP”, que chega no Brasil em maio pela gravadora Deck, menos de um ano após terem se apresentado no país no festival "No Capricho", em São Paulo.
O trio é formado pelos irmãos Connor McDonough, 19, Riley McDonough, 17, e Toby McDonough, 15, de Orlando (FL – EUA).  “I Like That EP” contém 6 faixas, todas compostas pelos meninos, e a edição brasileira será exclusiva, incluindo as bonus tracks “A Little More You (Acoustic Version)” e a versão deles para o hit “Some Nights” do Fun.
Com cada vez mais destaque na cena internacional, o Before You Exit sai esse mês em turnê com o inglês Olly Murs, cantor do megahit “Troublemaker”.

Saulo Duarte, Curumin, Andreia Dias e Felipe Cordeiro no Studio SP - 19/04





FESTA ODARA NO STUDIO SP BAIXO AUGUSTA




Trazendo Saulo Duarte e a Unidade e as participações especiais de Andreia Dias, Curumin e Felipe Cordeiro. Todos com trabalhos novos no mercado.



A festa temática Odara, de música brasileira, traz o show do Saulo Duarte e a Unidade. A banda, que acaba de lançar um disco (YBmusic) homônimo com produção de Carlos Eduardo Miranda, toca carimbó e guitarradas adicionando a isso o brega da música romântica brasileira dos anos 70, o suingue do violão de Jorge Ben e o pop de Paul McCartney.



A maioria das composições do disco tem assinatura de Saulo Duarte, com exceção de “Não vale a pena” (Saulo Duarte/Beto Gibbs), “Manda ela comprar um iglu” (Saulo Duarte/Klaus Sena/Beto Gibbs) e todos os arranjos são de autoria da banda.



De fora, vêm as participações especiais de Vitor Colares do Fóssil (“Onze horas” e “Não vale a pena”), João Eduardo(“Nada pra depois”, “Não vale a pena”, “Meu sonho e você”), Felipe Cazaux (“Amor e otras cositas más”), Diogo Soares do Los Porongas e Daniel Groove (“Que Massa”) que dividem também a autoria da canção e Tulipa Ruiz (“Onze Horas”).



Saulo Duarte chamou para participar de seu show na Festa Odara três artistas que também estão com trabalhos novos no mercado: Andreia Dias, Curumin e Felipe Cordeiro. É um encontro inédito e que consiste em cada artista cantar uma música do Saulo Duarte e a Unidade e outra de seu próprio trabalho.



O nome do novo trabalho de Andreia Dias é “Pelos Trópicos”, terceiro disco solo da cantora e compositora. Em 2011, Andreia gravou um álbum de forma itinerante em 10 capitais brasileiras, saindo do Rio de Janeiro seguindo para Belém e descendo até Salvador.

Durante um ano, Andreia circulou cidades do Norte, Nordeste, Sul e Sudeste do Brasil e interagiu com bandas locais atuantes na cena pop das suas cidades.

Foi uma viagem de intenso escambo cultural e traçado da nova cena pop contemporânea do nosso país. Uma iniciativa inédita e muito corajosa, gravada às próprias custas e com ajuda de coletivos e amigos espalhados pelo Brasil.

Em cada cidade, Andreia foi recebida por uma banda ou por um coletivo cultural que a apresentou à cena musical local. As canções e parcerias surgiram durante a estadia de Andreia na cidade, períodos que variavam de uma semana até um mês.



Curumin, cantor e baterista paulistano, está com um novo trabalho chamado “Arrocha”. Com produção de Zé Nigro, Lucas Martins e Curumin e participações de músicos como Gui Amabis, Edy Trombone e Ricardo Hertz, o novo álbum deságua no que seria a continuidade de um processo de pesquisa e referência às antiguidades orais iniciado com “Japan Pop Show,” lançado em 2009.



Em 2003, Curumin iniciou sua carreira solo com o lançamento de seu primeiro disco “Achados e Perdidos”, que apresenta influências musicais do Soul e Funk americanos, além de Samba-Funk dos anos 70 e Hip-Hop. Em 2005, o CD foi lançado no mercado norte-americano pelo selo californiano Quannum Projects.



Em 2007, Curumin inicou a produção de seu segundo disco “JapanPopShow”, contando com a participação de artistas como Blackalicious, Tommy Guerrero, General Electric, Lucas Santtana e Turbo Trio. "JapanPopShow" foi lançado em 2008 simultaneamente no Brasil pela YB Music, nos EUA pela Quannum Projects e no Japão pela JVC / Victor Entertainment.



Como baterista, Curumin acompanhou grandes nomes da MPB, como Arnaldo Antunes (de 1999 a 2012), Crioulo (2011), Céu (2007), Vanessa da Matta (2006) e Paula Lima (de 1997 a 2002), entre outros. Ainda na década de 1990 tocou com a Banda Toca ao lado do guitarrista e produtor Gustavo Lenza, com quem veio a produzir seus dois primeiros discos.



Felipe Cordeiro é um dos principais expoentes da nova geração da sempre efervescente cena musical do Pará. Cantor, compositor e instrumentista, a sonoridade do músico é permeada por ritmos amazônicos que vão da lambada ao carimbó, da guitarrada ao atualíssimo tecnomelody, sons embalados com a ironia do brega e do pop retrô revisitados, numa confluência feliz e anárquica de referências a que o artista batiza de “pró- Kitsch”, ou Kitsch Pop Cult, trabalho que já rendeu ao paraense boa recepção de crítica e ótima repercussão na cena independente nacional.



Em 2011, o performático show Kitsch Pop Cult foi considerado pelo jornal O Estado de São Paulo como um dos melhores shows do evento catalisador da nova cena musical do país, o pernambucano Rec Beat.



Segundo crítica entusiasmada da revista Bravo! (agosto/2011) Felipe Cordeiro pode ser considerado “um dos principais renovadores da música pop brasileira”, e seu álbum, Kitsch Pop Cult, é cotado pra ser um dos mais interessantes desta década.



Andreia Dias é parceiro musical de Felipe Cordeiro, que por sua vez é parceiro musical de Saulo Duarte que é parceiro musical de Curumin. Será um encontro ao vivo inédito para o público e cheio de afinidades sonoras.



Os DJs residentes da Festa Odara, Rubens Ca e Johnny Harp, fazem o baile de carnaval com repertório tropicalista, misturando clássicos com grandes novidades da música popular brasileira.



A Festa Odara (www.facebook.com/festaodara) , do produtor Rodrigo Faria, foi eleita a 3ª melhor festa paulista de 2012, através de voto popular, segundo a enquete do Guia Folha, guia cultural do jornal Folha de S. Paulo. A festa acontece há cinco anos em São Paulo e já passou por locais lendários da cidade como Edifício Copan, Teatro Oficina, Hotel Cambridge, Studio SP, Tapas Club e Favela da Vila. No Rio, já passou pelo Circo Voador, Teatro Odisseia e Cine Lapa. É uma festa de música brasileira, sempre com banda ao vivo. Alguns artistas renomados já participaram da festa como Odair José, Karina Buhr, Arnaldo Antunes, DizMaia (PE), Marcia Castro, Brasov (RJ), Domênico Lancelotti e Pedro Sá (RJ), Letuce (RJ), Daniel Groove (CE), Exalta Rei (RJ), Samba de Rainha, Do Amor (RJ), Trupe Chá de Boldo, The Mockers, Marcela Bellas, Edy Star, Todos os Caetanos do Mundo (BH), Leo Cavalcanti, Péricles Cavalcanti, Kiko Dinucci, entre outros.



***

FESTA ODARA

19 de abril – sexta - 23h
Show: Saulo Duarte e a Unidade. Convidados: Andreia Dias, Curumin e Felipe Cordeiro.
DJs residentes da Festa Odara - DJ Rubens Ca e DJ Johnny Harp

Studio SP Baixo Augusta – Rua Augusta, 591. Centro, São Paulo - SP - Tel.: (11)3129-7040

www.studiosp.org

Programação Mundo Pensante (19/04 à 25/04)




19/04 – Noite de Gafieira

Show: Grupo João de Barro



Com repertório variado focado na música brasileira, o Grupo João de Barro promove um resgate e uma nova leitura a sucessos consagrados nas rodas de choro e no samba.

Inspirados no conceito da cultura boêmia, a banda leva os clássicos da gafieira ao palco do Mundo Pensante. Elis Regina, João Bosco, Beth Carvalho e Noel Rosa são alguns dos destaques do repertório da noite.

Formado por Zé Leônidas (voz/ percussão), Pedro Bruschi (violão de 7 cordas/ guitarra), André Banchur (bandolim), Angelo Ursini ( flauta , clarinete e sax alto), Kiko Woiski (baixo), Ed Woiski ( trompete), Adair Vinicius (trombone) e Marcos Simon (bateria), o grupo marca presença nas noites paulistanas com o seu set list variado e novos arranjos a cada apresentação.



Serviço:

Dia: 19 de abril (sexta)

Local: Mundo Pensante

Endereço: Rua 13 de maio, 825 – Bixiga – Bela Vista

Horário de abertura da casa: 22h

Horário do show: 23h30

Preço:   R$ 15 (até 00h)/ R$ 25 (após às 00h)

Informações: 11 5082 2657/ http://www.mundopensante.com.br/

Censura: 18 anos

Capacidade: 150 pessoas





20/04 – Show: Andreia Dias toca o disco “Pelos Trópicos”

Show: Andreia Dias



Pelos Trópicos é o nome do terceiro disco solo da cantora e compositora Andreia Dias. Em 2011, Andreia gravou o álbum de forma itinerante em dez capitais brasileiras, partindo do Rio de Janeiro, seguindo para Belém e descendo até Salvador.

Durante um ano, circulou pelas regiões Norte, Nordeste e Sudeste do Brasil e interagiu com bandas locais. Em cada cidade que passou, Andreia foi recebida por uma banda ou por um coletivo cultural que a apresentou à cena musical atuante. As canções e parcerias surgiram durante sua estadia, em períodos que variavam de uma semana até um mês. O resultado é um disco solar, intenso e pop.

Esta viagem de escambo cultural reforçou o verdadeiro traçado da nova cena pop contemporânea do país. Uma iniciativa inédita e corajosa, gravada às próprias custas e com ajuda de coletivos e amigos espalhados Brasil a fora.

Na estrada musical há 15 anos, a cantora tem sete álbuns gravados: dois solos da trilogia em construção Linfa Ácida, dois com a Banda Glória e dois com a banda DonaZica, entre eles Composição (2003), considerado pela Folha de S. Paulo como o melhor disco da década.  E agora, o mais recente, Pelos trópicos.



 Serviço:

Dia: 20 de abril (sábado)

Show: Andreia Dias

Local: Mundo Pensante

Endereço: Rua 13 de maio, 825 – Bixiga – Bela Vista

Abertura da casa: 22h

Horário do show: 23h30

Preço:   R$ 15 (lista)/ R$ 25 (na porta)

Informações: 11 5082 2657/ http://www.mundopensante.com.br/

Censura: 18 anos

Capacidade: 150 pessoas





25/04 – Lenna Bahule na “Quinta Cantante”

Show: Lena Bahule



A moçambicana Lena Bahule apresenta os sons que aportam no místico africano, sem esquecer do breve passeio pelo jazz. O seu trabalho combina a música com a sua forma poética de escrever.



Serviço:

Dia: 25 de abril (quinta)

Local: Mundo Pensante

Endereço: Rua 13 de maio, 825 – Bixiga – Bela Vista

Horário de abertura da casa: 22h

Horário do show: 23h30

Preço:   R$ 20

Informações: 11 5082 2657/ http://www.mundopensante.com.br/

Censura: 18 anos

Capacidade: 150 pessoas

Márcio Werneck e Chegados lançam Ep no Bourbon Street dia 18 de abril


Márcio Werneck e Chegados lançam Ep no Bourbon Street dia 18 de abril



Na ocasião será o lançamento do clipe de “Moderno/Medieval”, gravado na África



O músico Márcio Werneck lança o EP “Márcio Werneck & Chegados” dia 18 de abril no projeto “ Quinta do balanço”, no Bourbon Street Music Club. Nas 5 faixas do Ep, Márcio retoma a influência do funk original, samba e soul brasileiros, que fazem parte do universo do compositor vivido e assimilado na sua adolescência quando frequentava “bailinhos” na Zona Norte de São Paulo.  “ Se tem alguma coisa de moderno no som, é que ele é antigo…tudo tocado. ” diz Werneck.

Esse estilo musical foi muito difundido por artistas como Tim Maia, Jorge Ben, Bebeto, Cassiano, Lady Zu e Carlos Dafé nos anos 70 e 80. Nos dias de hoje os mais jovens não sabem o que é o funk original. E nem de onde veio este termo.



Em parceria com a Escola do Auditório Ibirapuera, Werneck convidou 7 alunos, entre 17 e 19 anos, vindos da periferia de SP para participarem do projeto. No show eles farão participações especiais. Para essa apresentação também foram convidados um naipe de metais muito experiente para exercer efetivamente esta troca com os mais novos. São eles: Ed trombone ( Seu Jorge), Fernando Bastos ( Seu Jorge) e Reginaldo ( Funk Como Le Gusta).

Ainda acompanham Werneck (que além de cantar, toca guitarra) os veteranos Carlos Strobing (baixo), Marinho Lemes (bateria), Márcio Forte (percussão) e Theo Werneck (guitarra e backing vocal).



O resultado é uma banda de funk original, que tem a música brasileira como guia. É samba funk. No set list, estão as que fazem parte do CD: “Moderno/Medieval”, “Kendanza”, “Embaço”, “Joana” e “Dos Outros”, além de algumas homenagens a Jorge Ben e Tim Maia, resgatando o clima de baile.



Márcio Werneck e os Chegados marca a volta do músico, que foi um dos fundadores da banda Fábrica Fagus (1987 a 1994) e Caboclada (1997 a 2005). Com anos de experiência de palco, seus shows são sempre um convite a dança, privilegiando o contato dos músicos com a plateia, sempre aberto para improvisos e participações. A ideia é compartilhar o conhecimento vivido e adquirido em suas viagens à África, onde esta prática é comum, principalmente no Festival Nuits Atypiques de Koudogou, em Burkina Faso , no qual Werneck esteve por dois anos participando como músico e documentarista.



Nesse show haverá, ainda, a participação da banda Z’ Africa Brasil e o lançamento do clipe da música “ Moderno/Medieval”, que tem a participação do moçambicano Bhaka Yafole. Foi gravado parte em Maputo e parte numa Aldeia Masai, na Tanzânia, em sua última viagem a África, em 2012, quando passou por 10 países.





Serviço



Local: Bourbon Street | Rua Dos Chanés, 127 – Moema – SP

Bilheteria Bourbon Street: Rua dos Chanés 194 – de 2ªf.a 6ª.f das 9h às 20h, sábado e feriado das 14h às 20h

Fone para reserva: (11) 5095-6100 (Seg. a sexta) das 10h às 18h



Data : 18/04/2013- quinta-feira

Horário: 23h

Abertura da casa:  21h.

Duração: 90 min. aproximadamente

Couvert Artistico: R$ 40,00

Censura: 18 anos e 16 anos acompanhado de responsável

Capacidade: 400 pessoas

Estacionamento/ Valet: R$ 20,00

Aceita todos os cartões de débito e crédito.

Acesso para deficientes.

Ar condicionado.

Homepage: http://www.bourbonstreet.com.br/

Paulo Carvalho apresenta o álbum “O Amor é uma Religião” no Sesc Santo André




O cantor e compositor Paulo Carvalho faz show no SESC Santo André, no próximo dia 19 de abril (sexta), às 21h, no projeto “MPB Deles”. Paulo mostra as canções do seu segundo disco, “O Amor é uma Religião”.

Produzido por Regis Damasceno e Yuri Kalil, integrantes da banda Cidadão Instigado, o novo trabalho do artista traz 10 canções de sua autoria e 2 regravações, “Solando no Tempo” (Luiz Melodia) e “Aeroplanos” (Jorge Mautner e Rodolfo Grani Jr).

Durante o show, Paulo Carvalho (voz) é acompanhado por Rian Batista (baixo), Caetano Malta (guitarras), Brunno Marques (bateria) e João Eduardo Vasconcelos (teclados).

O repertório do show é composto por músicas lançadas no novo CD, como “Teu Nome”, “Conta – Gotas” e “Aeroplanos”, e canções do álbum de estreia “De Longe” (2007/ Lua Music), como “De Longe”.

Show: Paulo Carvalho – O Amor é uma Religião

Local: SESC Santo André

Endereço: Rua Tamarutaca, 302 Vila Guiomar – Santo André

Horário: 21h

Informações: 11 4469 1200

Preço: R$ 20 (inteira) / R$ 10 (usuário matriculado no SESC e dependentes, aposentado, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante), R$ 5 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no SESC e dependentes).

Vanguart apresenta pocket show ao vivo no Google+




Em estúdio preparando o seu terceiro álbum, o Vanguart apresenta um pocket show transmitido ao vivo via hangout no Google+ e YouTube, nesta quarta-feira às 20h. O grupo cuiabano, que já conquistou o Brasil com sua melodia folk e letras sentimentais, apresentará além de sucessos dos discos anteriores, algumas inéditas.



Durante a apresentação o Vanguart responderá algumas perguntas dos internautas. Essas serão selecionadas
pelo radialista Magno Rodrigues que estará no comando do programa.

Lançamento do novo disco "Animal Nacional" da banda Vespas Mandarinas



“A decima segunda edição do projeto Radar “A nova música brasileira no Teatro Paiol” traz para Curitiba pela primeira vez, a banda Vespas Mandarinas, para o lançamento no seu novo álbum ‘Animal Nacional’



Vespas Mandarinas, inseto nativo da Ásia, igualmente conhecida como Zangão Japonês ou Vespas Assassinas,figura no topo da lista dos insetos mais perigosos do Planeta. Essa classe de artrópode possui uma neurotoxina cujo veneno mata, todos os anos, cerca de 40 pessoas ao redor do mundo, além de dizimar outros insetos, como abelhas e louva­a­deuses. Vespas Mandarinas, no plural, também é o nome da banda paulistana – formada por Chuck Hipolitho (guitarra e voz), Thadeu Meneghini (guitarra e voz), André Dea (bateria) e Flavio Guarnieri (baixo) – que lança “Animal Nacional”, seu álbum de estreia pela gravadora Deck. Tanto Vespas Mandarinas quanto “Animal Nacional” são nomes que, nesse primeiro disco, se ajustam como uma carapuça e guardam, ao longo de seus 41 minutos, inoculantes venenos poético­sonoros.



As  Vespas  Mandarinas  tiveram  na  populosa  e  sempre  caótica  cidade  de  São  Paulo  o  cenário e a maior fonte de  inspiração  na  qual  sorveram  seu  combustível.  No  álbum,  a   urbanidade  de  megalópole  revela­se   direta, indireta,  sonora  e  metaforicamente.  O  conjunto  de   influências  musicais  da  banda,  que  inscreve  no  rock  de ascendência  brasileira  seu  traço genético,  é  amplo:  vai  da  “era  de  ouro”  do  rock  verde­amarelo,  os  anos  80, através  de  bandas  que  chegaram  ao  mainstream  –  Titãs,  Ira!,  Paralamas  do  Sucesso  e  Engenheiros  do Hawaii  –  e  outras  mais  subterrâneas,  mas  não  menos  importantes   –  como,  por  exemplo,  Gueto,  Smack, Picassos Falsos e Violeta de Outono.



“Animal  Nacional” valoriza as letras, o discurso, a poesia e enfatiza,  em muitas canções, as guitarras, grandes e  robustas,  manejadas  pela  dupla  Chuck/Thadeu.  O  acompanhamento  de  André  e  Flavio,  baixo  e  bateria respectivamente,  dão  corpo  à  massa  sonora  das  Vespas  Mandarinas.  As  composições,  segundo  Meneghini, expressam  profundidade,  a  “filigrana  dourada”  que  se  perdeu  no  “desletrado”  e  superficial  rock   dessesesvaziados  tempos.  A  banda  encorpou  esse  “mojo  letrístico”  –  em  certos  momentos  literário  e  romântico  e, em  outros   foi a contribuição  do  compositor  de  mão­cheia  Adalberto  Rabelo  Filho,  da  banda  Judas,  um  dos  grandes  letristas dessa geração, e outra a participação intelectual de Fábio Cascadura, da banda baiana Cascadura.



O  álbum   tem   12  faixas  e,  dentre  elas,  “Cobra  de  Vidro”,  já  conhecida  pelos  fãs  da  banda.  A  música  ganhou videoclipe  dirigido  pela  lente  do  cineasta  Ivan  Cardoso,  mestre do “terrir”, diretor de filmes seminais como “As Sete Vampiras” e “Escorpião Escarlate”. O disco foi gravado entre os estúdios Tambor (RJ) e Costella (SP) e tem produção de Rafael Ramos. Animal  Nacional  –  “‘Animal  Nacional’  é  um  bicho  que   a  gente  criou  no cativeiro  do  nosso  inconsciente,  mas tem  muito  de  consciente  nele  também”,  explica  Thadeu  Meneghini.  “É  uma  valorização  do  que  é  brasileiro sem o lado piegas e chato de ser nacionalista. É a  representação de um Brasil possível convivendo com o que é  certo  e  errado, sem  a  sombra  do  politicamente  correto,  sem  o  medo  da  intelectualidade e da comunicação popular”. Um Brasil, ele completa, inserido na cultura pop mundial. O Brasil do Raulzito, Ivan Cardoso, Wally Salomão e Tiririca. O  guitarrista   Chuck  Hipolitho  diz  que  o  melhor  do  rock  brasileiro  dos  anos  80  está  no  DNA  das  Vespas Mandarinas.   Foi,   para  ele,  uma  época  tão  legal  e  frutífera  na  arte  no  Brasil  que  tudo  o  que  aconteceu  na música  “infiltrou”  em  todo  mundo  – mesmo que indiretamente. “Eu era uma criança e recebi tudo; as crianças estão  abertas.  Naquela  época, no Brasil, eu acho que existia uma equação muito interessante de ingenuidade, sagacidade,  vontade  e criatividade  dadas  as  limitações  comerciais,  sociais,  políticas  e  técnicas. O que gosto mesmo naquilo tudo é o poder de penetração e a conexão com o aqui e o agora que tinha na época”. “Animal  Nacional”  é  a  cura  para  o mundo superficial de  nossos dias. Um veneno que, ao mesmo tempo, é um antídoto para as falsas modernidades.
-  Cristiano Bastos



O projeto ‘’Radar ­ A nova música brasileira no Teatro Paiol’’ traz á Curitiba artistas relacionados à música contemporânea brasileira que integrarão a programação do Teatro Paiol. Já passaram pelo projeto Anelis Assumpção, Siba, Lira, Bixiga 70, Maquinado, O Terno, Cicero, entre outros. O projeto é idealizado e realizado pela Verdura Produções Culturais e tem como principal objetivo a formação de público e o intercâmbio

musical entre os artistas. O  projeto  com  com  o  apoio cultural da Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura de Curitiba, Lumen FM,  Meio Fio Cultural, Efexx Sonorização, Ocupa Filmes.



Saiba mais:  https://www.facebook.com/AsVespasMandarinas



Serviço:

O que?

Radar ­ A nova música brasileira nos 40 anos do teatro Paiol convida Vespas Mandarinas.

Data: 26 de Abril (Sexta­feira)

Onde: Teatro Paiol

Endereço: Praça Guido Viaro S/N

Horario: 20:30h

Telefone: 3213­1340

Ingressos: R$ 20,00 Estudantes, Professores, Idosos, Doadores de 1Kg de Alimento, Doadores de Sangue e

Deficientes fisicos.

R$ 40,00 inteira.

ALMIR SATER E BANDA NO GUAIRÃO




O cantor e compositor sulmatogrossense Almir Sater, volta à Curitiba para sua tradicional apresentação, que acontece na próxima sexta-feira, dia 19, no Guairão. Figura ímpar no cenário musical brasileiro, um dos principais expoentes da chamada música de “raiz”, Almir estará cantando seus principais sucessos como “Tocando em Frente”,  “Chalana”, “Trem do Pantanal”, etc.

Almir Sater nasceu em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, em 14 de novembro de 1956. Seu contato com a cidade grande veio muitos anos depois, quando, já adulto, foi para o Rio de Janeiro estudar direito na Faculdade Cândido Mendes.

Em menos de três anos, Almir descobriu que, definitivamente, não seria advogado. Na solidão que a cidade grande lhe impôs, descobriu na viola sua grande amiga e companheira, dedicando-se completamente ao instrumento.

Um dia, por acaso, passando pelo Largo do Machado, reduto nordestino do Rio de Janeiro, Almir, ao ouvir as duplas regionalistas que se apresentavam, percebeu o que realmente importava na sua vida; não teve outra atitude, a não ser voltar para Campo Grande.

O contato com a gente da terra favoreceu a pesquisa de novos ritmos, novos sons da viola. Almir tornou-se um dos responsáveis pelo resgate da viola de 10 cordas, mais conhecida como viola caipira, base de criação da música caipira. Suas composições refletem o popular e o erudito de maneira impar, como jamais se ouviu na MPB.

Sua produção é intensa e apaixonada. A música flui de dentro do coração, do interior da alma. Mesmo tendo chegado a excelência técnica, Almir é um músico que jamais deixou a emoção de lado. Por isso, o público, ao sair do show, tem a impressão de ter estado na sala de visitas do cantor, completamente a vontade.

TÉCNICA E EMOÇÃO

Almir Sater não despreza a técnica que se obtém com a eletrônica moderna e os efeitos dos sons de laboratório. Mas quando sobe ao palco, não existem montagens. Almir pega na viola e o som flui suave e naturalmente.

Em 1988, a crítica, na sua unanimidade, escolheu Almir para participar do Free Jazz Festival, juntamente com nomes sagrados da música mundial. O sucesso foi tamanho que Almir abriu o evento, no Rio de Janeiro, no ano seguinte. Daí para Nashiville-EUA, a meca da música country mundial, foi um passo. A liberdade de ação junto aos músicos americanos foi rapidamente absorvida, o que resultou no LP Rasta Bonito, onde percebe-se claramente a mistura de sons, sem perder a integridade do instrumentista.

Almir ganhou dois prêmios Sharp, com as canções Moura e Tocando em Frente, gravada por Maria Bethania.

Em 1990, seu desempenho na novela Pantanal, da Rede Manchete, fez aumentar a publicidade em torno do já reconhecido músico Almir Sater. O grande sucesso o fez voltar à telinha em 1991, como protagonista da novela Ana Raio e Zé Trovão.

Em 1996, estrelou ao lado de Antonio Fagundes, a novela O Rei do Gado, convidado pelo próprio autor Benedito Rui Barbosa, exibida pela Rede Globo, fazendo o papel de Pirilampo.


SERVIÇO:

SHOW ALMIR SATER E BANDA

DATA: 19/05 ÀS 21 HORAS
LOCAL: GUAIRÃO (PRAÇA SANTOS ANDRADE)

INFORMAÇÕES: 41 3304-7982
INGRESSOS: R$ 180,00, R$ 160,00 E R$ 120,00

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Orquestra de Câmara de Curitiba usa a música para descrever países






A Orquestra de Câmara de Curitiba preparou um passeio auditivo para este fim de semana, com o espetáculo “Música da terra, a música descrevendo um país”, dentro da temporada 2013 de concertos patrocinada pelo Ministério da Cultura e pela Volvo. No programa estão obras do russo Kara Karayev (1918 – 1982), do norte-americano Aaron Copland (1900 – 1990), do tcheco Leos Janacék (1854 – 1928) e de Alexandre Brasolim (1969), paulista radicado em Curitiba, que também é o comentarista do concerto, além de responsável pela direção musical.

As apresentações acontecem às 20h de sexta-feira (12), na Igreja Batista do Cajuru, com entrada franca, e às 18h30 de sábado (13), na Capela Santa Maria Espaço Cultural, com ingressos a R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada). Antecede a sessão na Capela a palestra de Alexandre Brasolim, que tem início às 17h45. A proposta da Fundação Cultural de Curitiba de introduzir breves comentários de especialistas nos concertos da Camerata Antiqua, Orquestra de Câmara e Coro da Camerata tem por objetivo permitir ao público melhor apreciação da produção de grandes compositores.

A Orquestra de Câmara ainda oferece mais uma oportunidade para participar desta viagem musical, abrindo as portas da Capela Santa Maria para o ensaio geral do concerto, às 10h de quinta-feira (11), com entrada franca.



Os compositores – O estilo de composição de Aaron Copland (1900 – 1990), considerado uma marca norte-americana, poderá ser conferido com a execução de “Primavera nos Apalaches – Suíte para Orquestra”. Do compositor e folclorista tcheco Leos Janácek, a escolha recaiu sobre a “Suíte para Orquestra de Cordas”, cujos títulos de cada movimento foram originalmente tirados de suítes de dança antiga. A obra mostra ao ouvinte a consciência de canção popular do autor, que mais tarde tornou-se sua assinatura musical.

A obra “Duas Miniaturas”, de Kara Karayev, foi extraída do balé “As Sete Beldades”, baseado em libreto do poeta Nizamihi, e depois adaptada pelo compositor em uma suíte sinfônica de sete danças. As duas peças, de inspiração folclórica, são escritas para orquestra de cordas e deixam transparecer em sua totalidade a rica concepção melódica de Karayev.

Em “Alma Brasileira”, de Alexandre Brasolim, revela-se a forte influência da música popular brasileira na escrita do compositor. Após uma primeira parte alegre, com uma harmonia bastante nacional e uma melodia rica em contracantos, com um pouco de Villa-Lobos e Camargo Guarnieri, chega-se a uma segunda parte mais tranquila e expressiva, sempre misturando acordes clássicos com populares, sem perder a atmosfera brasileira. Ainda nessa segunda parte, percebe-se a influência da bossa nova e do impressionismo, que é algo dominante nas composições de Alexandre.



O palestrante – Alexandre Brasolim é natural de São Paulo e vive em Curitiba desde  1993. Começou seus trabalhos musicais muito cedo, aos dez anos de idade, quando já estudava composição, regência, arranjo e orquestração. Após um ano de constantes estudos, passou a se dedicar também à flauta, música barroca e violino.

Participou de vários cursos e festivais dentro e fora do Brasil, entre eles o Festival de Campos do Jordão, encontros de orquestras de São Paulo, edições da Oficina de Música de Curitiba e o Primeiro Encontro Latino-americano de Orquestras, Críticos e Regentes, em La Plata (Argentina).

Convidado pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, Alexandre representou o Brasil no Festival de Orquestras das Américas, em San Juan (Porto Rico), onde foi concertino da orquestra do festival. Desde 1985 tem se dedicado a compor, arranjar e orquestrar obras para as mais diferentes formações instrumentais, desde pequenos grupos até grandes bandas e orquestras completas.







Serviço:

Apresentações do espetáculo “Música da terra, a música descrevendo um país”, a cargo da Orquestra de Câmara de Curitiba, sob a direção musical de Alexandre Brasolim, na temporada 2013 de concertos, patrocinada pelo Ministério da Cultura e pela Volvo. No programa estão obras do russo Kara Karayev (1918 – 1982), do norte-americano Aaron Copland (1900 – 1990), do tcheco Leos Janacék (1854 – 1928) e de Alexandre Brasolim (1969), paulista radicado em Curitiba, que também é o palestrante do concerto.

Datas e horários:

Dia 11 de abril de 2013 (quinta-feira), às 10h, ensaio aberto na Capela Santa Maria Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro), com entrada franca.

Dia 12 de abril de 2013 (sexta-feira), 20h, na Igreja Batista do Cajuru (Rua José Rissato, 93 – Bairro Alto), com entrada franca.

Dia 13 de abril de 2013 (sábado), às 18h30 – Capela Santa Maria Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro), com ingressos a R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada). Nessa ocasião, acontece palestra de Alexandre Brasolim, com início às 17h45.

ELETROVERACRUZ ESTREIA COM LUIZ FELIPE LEPREVOST NA JAMES SESSIONS





Um pouquinho de samba, com guitarra, mais algumas doses de teatro e muita criatividade. Assim, com pitadas de vários gêneros e referências, numa mistura de linguagens inclassificável, tenta-se definir o que é a banda Eletroveracruz. E a estreia desse projeto acontece nesta quinta-feira (11.04), com a participação especial do multifacetado artista Luiz Felipe Leprevost.


A banda nasceu essencialmente do trabalho do artista João Francisco Paes, que faz de tudo um pouco no meio cultural. E, ao adaptar suas composições do violão para uma expressão mais enérgica, surgiu a vontade de eletrificar seu trabalho em uma banda.


Assim surgiu a Eletroveracruz, que, além de João Francisco Paes (voz e guitarra), traz em sua composição Caro Pisco (bateria) e Biel Carpenter (baixo). A definição possível para o projeto é rock que vai "do samba paulista até Nirvana" e encontra conexão com a nova música popular brasileira. Para o encontro de estreia, a banda escolheu a parceria do talentoso artista local Luiz Felipe Leprevost para fazer da apresentação não somente o que se espera de um show convencional, como também uma experiência quase cênica em palco. Dá pra ter um pouquinho da ideia do que é em três faixas liberadas pela banda.


PHILLIP A. (KILLER ON THE DANCEFLOOR-SP) INCENDEIA A ALTA FIDELIDADE


O Killer on the Dancefloor é um dos projetos de música eletrônica mais cobiçados em todo o Brasil e esteve poucas vezes por aqui antes. E o público daqui poderá ter mais um gostinho do que é a apresentação do duo paulistano com um de seus integrantes, Phillip A., que faz um DJ set na noite desta sexta-feira (12.04), na Alta Fidelidade.


Contemporâneos de grandes nomes da música eletrônica nacional, como The Twelves e Database, o Killer on the Dancefloor tem aparecido nos principais festivais nacionais e internacionais nas últimas temporadas. No James, Phillip A. promete muito indie, deep house, nu disco, techno e french touch.


JAMES SESSIONS com ELETROVERACRUZ e LUIZ FELIPE LEPREVOST – Show com a banda Eletroveracruz e participação especial de Luiz Felipe Leprevost. DJ convidado JC Branco (Só o Soul Salva). Double drink de destilados nacionais até a meia-noite. Nesta quinta-feira (11.04), a partir das 22h. Entradas a R$ 15 e meia pra quem for de bicicleta.


ALTA FIDELIDADE recebe Phillip A. (Killer on the Dancefloor) – Apresentação do convidado especial Phillip A. (Killer on the Dancefloor – SP). DJs residents Ale Dantas e Anaum. Lista Fidelidade valendo bônus, a partir das 13h, na fanpage da festa no Facebook. Nesta sexta-feira (12.04), a partir das 22h, Entradas a R$ 18.



JAMES
Av. Vicente Machado, 894. Curitiba/PR. INFORMAÇÕES PARA O PÚBLICO E RESERVAS: (41) 3222-1426. Formas de pagamento: Todos os cartões de débito, Créditos Amex, Diners, Master, Visa e Visa Vale Refeição