quinta-feira, 21 de março de 2013

Camerata Antiqua celebra o 320º aniversário de Curitiba






Os acordes da obra de Johann Sebastian Bach (1685 – 1750), executados pela Camerata Antiqua, homenageiam Curitiba no mês em que a cidade completa 320 anos. O concerto que leva ao público a Missa em Si Menor BWV 232, sob a regência do maestro mineiro Luís Otávio Santos, marca também a abertura da temporada 2013 de espetáculos do grupo curitibano, patrocinada pelo Ministério da Cultura e pela Volvo.

As apresentações, na Capela Santa Maria Espaço Cultural, acontecem nos dias 22 de março (sexta-feira), às 20h, e 23 de março (sábado), às 18h30. Neste ano, a Camerata acrescenta às suas performances breves palestras de especialistas, numa iniciativa para disseminar a produção de grandes compositores. O convidado para a primeira edição dessa proposta é o maestro Osvaldo Colarusso, que tem atuado frente às principais orquestras do país, acumulando a regência de mais de 500 concertos. A palestra antecede as apresentações e, no dia 22, começa às 19h15, sendo que no dia 23 tem início às 17h45. 

“A excelência do trabalho da Camerata Antiqua de Curitiba é referenciada com a série de palestras, que até o final do ano reunirá comentaristas para abordar obras de autores consagrados, abrindo ao público novas janelas para a apreciação musical”, destaca o presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Marcos Cordiolli.

Em 2013, a Camerata Antiqua, formada por Coro e Orquestra, mantém a tradição de executar obras monumentais nos eventos que marcam a cultura ocidental, tendo como convidados regentes nacionais e estrangeiros. Embora fiel às suas origens, dedicando-se à produção barroca, o grupo amplia o repertório, incorporando composições de autores de outras épocas, além de realizar apresentações com representantes de diferentes linguagens musicais.

Um exemplo dessa postura é o espetáculo que a Orquestra de Câmara de Curitiba – parte instrumental da Camerata – apresenta no mês de novembro, atuando junto com o Uakti. O grupo mineiro desenvolve um trabalho inédito, construindo seus próprios instrumentos a partir de materiais inusitados como vidro, metais, pedras, borracha e até água, deles tirando sons inimagináveis. Todas as composições e arranjos do programa são de autoria do Uakti, criados especialmente para orquestra de cordas.

Outra novidade na programação da Camerata Antiqua é a “Série Ritornello”, dedicada àqueles que construíram uma carreira musical erudita em Curitiba e hoje integram importantes instituições em outros países. O virtuosismo do grupo curitibano extrapola fronteiras e permite turnês como a do Coro da Camerata Antiqua de Curitiba, que representará o Brasil na Bienal de Coros em Aachen (Alemanha), no mês de junho.



Concerto de aniversário – “A Missa em Si Menor BWV 232, concebida numa escala monumental, é um dos picos mais altos do gênio humano. Numa entrevista que tive com Villa-Lobos, ele disse emocionado que realizou a execução dessa obra com seus professores no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, mas o fez de joelhos!”, revela nas notas do programa o maestro emérito da Camerata, Roberto de Regina.

A Missa é farta em drama e simbolismo e muito se tem discutido sobre como Bach, devoto protestante, escreveu uma missa católica. Entretanto, como lembra Roberto de Regina, “desde a Reforma, missas latinas eram normalmente escritas por músicos protestantes e o ordinário da missa era usado na Igreja Evangélica Alemã. Apenas o dogma romano era repudiado”.

O cuidado da Camerata às nuanças da interpretação da música antiga ganha a regência segura de Luís Otávio Santos, que contará, ainda, com cantores convidados para o espetáculo. Sobem ao palco nomes que são expressões da música erudita e desenvolvem carreiras internacionais: as sopranos paranaenses Marilia Vargas e Luciana Melamed, o contratenor mineiro Pedro Couri Neto, o tenor catarinense Marcos Liesenberg e o barítono austríaco Norbert Steidl.



O regente – Luís Otávio Santos é formado em violino barroco pelo Koninklijk Conservatorium Den Haag (Holanda). Nos 15 anos em que morou na Europa, o músico atuou em destacados grupos, sendo spalla e solista, desde 1992, da renomada orquestra barroca belga “La Petite Bande”, dirigida por Sigiswald Kuijken. Com a orquestra tem realizado turnês por toda Europa, China, Japão, México, Argentina, Colômbia e Chile, além de gravar dezenas de CDs e programas de televisão para as televisões belga, francesa e japonesa.

O músico ainda liderou outros conjuntos europeus, entre eles “Ricercar Consort” (direção de Philippe Pierlot), “Le Concert Français” (direção de Pierre Hantai), “Nederlandse Bachverening” (direção de Gustav Leonhardt) e “Den Haag Baroque Orchestra”. Foi professor de violino barroco na “Scuola di Musica di Fiesole”, em Florença (Itália), de 1997 a 2001, e no “Conservatoire Royal de Musique de Bruxelles”, de 1998 a 2005.

Na sua discografia solo destacam-se a integral das Sonatas de Johann Sebastian Bach, ao lado do cravista Peter-Jan Belder, para o selo holandês Brilliant; As Quatro Estações de Vivaldi com La Petite Bande, pelo selo belga Accent; e as Sonatas para violino de J. M. Leclair, para o selo alemão Ramée, gravação que recebeu o prêmio “Diapason d´Or”, a maior distinção francesa concedida a um registro fonográfico.

Luís Otávio Santos integra o conselho artístico da Camerata Antiqua de Curitiba, além de responder pela direção artística do Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora (MG), que tem mais de 20 anos de história. Nesse evento é também regente da Orquestra Barroca do Festival, que já gravou nove CDs e um DVD com obras brasileiras e europeias, em registros inéditos no Brasil.

Em 2007, Luís Otávio Santos foi agraciado com o título de Comendador da Ordem do Mérito Cultural, concedido pelo Governo Federal e o Ministério da Cultura por seu envolvimento com a cultura nacional e reconhecimento à carreira internacional. Também é fundador e coordenador do Núcleo de Música Antiga da EMESP – Escola de Música do Estado de São Paulo, no qual ministra aulas de violino barroco desde 2008.



Serviço:

Aniversário de 320 anos de Curitiba

Apresentações da Camerata Antiqua de Curitiba, sob a regência de Luís Otávio Santos, na abertura da temporada 2013 de concertos, patrocinada pelo Ministério da Cultura e pela Volvo. No programa está a Missa em Si Menor BWV 232, escrita por Johann Sebastian Bach (1685 – 1750).

Datas e horários: dias 22 de março (sexta-feira) – palestra do maestro Osvaldo Colarusso às 19h15 e concerto às 20h; e 23 de março de 2013 (sábado) – palestra do maestro Osvaldo Colarusso às 17h45 e concerto às  18h30.

 Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada)

Local: Capela Santa Maria – Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro)

Nenhum comentário:

Postar um comentário