quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Camerata apresenta-se no IV Festival Penalva




            A Camerata Antiqua de Curitiba realiza neste final de semana dois concertos dentro da programação do IV Festival Penalva, realizado em homenagem ao compositor paranaense José Penalva, falecido há 10 anos. Sob a regência do maestro Norton Morozowicz, serão apresentadas obras do compositor e de outros autores paranaense. As apresentações acontecem sexta-feira (26), às 20h, e sábado (27), às 18h30, na Capela Santa Maria – Espaço Cultural.
            O Festival Penalva, realizado pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná, foi criado para divulgar a música paranaense e celebrar a memória e o legado do padre José Penalva (1924-2002), considerado um dos mais importantes compositores brasileiros do século 20. Regente, professor, musicólogo, Padre Penalva compôs música de câmara, peças para solistas, obras orquestrais e corais.
            Neste concerto, a Camerata executa duas de suas obras: Provérbios (moteto para coro misto e narrador) e Três Momentos (para orquestra de cordas). A regente do Coro da Camerata, Helma Haller, explica que a música vocal, na obra de José Penalva, predomina sobre a instrumental. Sua produção pode ser dividida em dois grandes blocos – o primeiro voltado à música mais independente, de função estética, e o outro que ele chamava de “música funcional”, voltado tanto à música sacra de função litúrgica, quanto à música de inspiração no folclore brasileiro, bossa nova e MPB, com função de entretenimento. De acordo com Helma Haller, “Provérbios” faz parte do primeiro grupo, ou seja, composição original de função estética. A obra escrita em 1970 para coro misto e narrador, divide-se em três partes. Os textos bíblicos que compõem este moteto foram retirados dos livros de Salmos, Provérbios e Eclesiastes, e se apresentam nessa ordem. 
            Para Elisabeth Seraphim Prosser, musicista e professora da Embap, a música de Penalva “revela um diálogo intenso, expressivo e extremamente significativo entre a tradição e a brasilidade, que se reconhece nos ritmos, modos, temas e gêneros que usa e nas linguagens da vanguarda e da pós-vanguarda, com sua ousadia e busca por novas sonoridades”. Seus “Três Momentos”, para cordas (1990), compõem-se de gêneros e formas musicais conhecidas (Ponteio, Lied e Rondó). Contudo, Penalva as trata de maneira harmonicamente livre e inovadora.
            A Camerata apresentará também duas obras de Henrique de Curitiba (1934-2008) – “Cantigas do Bem Querer” e “Versos de Cassandra Rios” (para soprano solo, coro, orquestra de cordas e piano), e uma de Jaime Zenamon (1953) – “Curitiba tecida pelos povos, Op. 157”. 
            A regência ficará a cargo do maestro e flautista Norton Morozowicz, um dos mais importantes músicos brasileiros. Com brilhante carreira de instrumentista, solista e camerista, apresenta-se com artistas nacionais e internacionais como o flautista, Jean Pierre Rampal. Nas décadas de 80 e 90 fez várias excursões pelo Brasil, Europa, Estados Unidos e Canadá como flauta-solo da Orquestra Sinfônica Brasileira durante 17 anos. Como regente tem dirigido as principais orquestras do país, dentre as quais, a Sinfônica Brasileira, Sinfônica Nacional, Sinfônica de São Paulo, Orquestra Sinfônica do Paraná, de Brasília, de Porto Alegre, de Salvador, a Jazz Sinfônica e Banda Sinfônica de São Paulo, entre outras. Com mais de trinta discos gravados, Morozowicz contribui para a música brasileira, por estrear, apresentar e gravar obras significativas de compositores brasileiros de todas as épocas.

           Serviço:
           Concerto da Camerata Antiqua de Curitiba, sob a regência de Norton Morozowicz, dentro da programação do IV Festival Penalva.
            Local: Capela Santa Maria – Espaço Cultural (R. Conselheiro Laurindo, 273 – Centro)
            Datas e horários: 26 e 27 de outubro de 2012 - sexta-feira, às 20h, e sábado, às 18h.
            Ingressos: R$ 10 e R$ 5

Nenhum comentário:

Postar um comentário