terça-feira, 29 de maio de 2012

Paiol reúne o melhor da música caipira com Oswaldo Rios e amigos



Integrante do grupo Viola Quebrada, um dos principais representantes da música de raiz no Paraná, Oswaldo Rios apresenta o show “Paiol Caipira” nesta quarta-feira (30), às 20h, no Teatro do Paiol. Entre causos e canções, o show leva a plateia a mergulhar na história da música caipira brasileira. Para dividir o palco, Oswaldo Rios convida Daniel Vicenti, Gerson Gomes, Maikel Monteiro e as duplas Nézio & Raminho e Robson & Wagner.
Com quase 30 anos de carreira, Oswaldo Rios já passeou pelo pop e pela MPB, mas sua verdadeira paixão é a música caipira. Na década de 90 fez parte do projeto sertanejo “Três Paus”, ao lado de Sérgio Deslandes e Rogério Gulin, com quem ainda divide os palcos no grupo Viola Quebrada. Em sua trajetória artística, Oswaldo já gravou cinco CDs e um DVD.
Sobre os convidados - Nézio e Raminho, dois músicos consagrados, formaram a dupla no início deste ano. Nézio, com mais de 50 anos de carreira, e Raminho, com mais de 40, resolveram juntar suas experiências para levar aos fãs o melhor do gênero caipira. A outra dupla que participa do show é formada por Robson e Wagner. Os dois estão juntos desde 2007.
Participam ainda do espetáculo os músicos Daniel Vicenti e Gerson Gomes. Daniel é formado pela FAP, estudou viola caipira com Rogério Gulin e fez oficinas com Roberto Correa, Ivan Vilela e Fernando Deghi. Gerson Gomes aprendeu os primeiros acordes ao violão aos 12 anos de idade, também estudou viola caipira com Rogério Gulin e Braz da Viola, e desde 2009 se dedica ao ukulele, espécie de cavaquinho havaiano.
Outro convidado é Maikel Monteiro, apreciador e pesquisador da música de raiz. Ele participou em 2006 do filme “Belarmino e Gabriela”, dirigido por Geraldo Pioli, e atualmente comanda o programa “Brasil Caboclo – A Música Caipira com Gostinho de Saudade”, na Rádio Educativa AM 630.

Serviço:
Show Oswaldo Rios e Amigos
Local: Teatro do Paiol – Praça Guido Viaro, s/n – Prado Velho
Data: 30 de maio de 2012 (quarta-feira), às 20h
Ingressos: R$ 20 e R$ 10

domingo, 27 de maio de 2012

Banda Sinfónica Portuguesa e coros AMCC e CPO na Casa da Música 27 de Maio 12:00 horas


Banda Sinfónica Portuguesa na Casa da Música

DOMINGO | 27 MAIO 2012
12:00, SALA SUGGIA

A Banda Sinfónica Portuguesa volta a apresentar-se na sala Suggia da Casa da Música no próximo domingo, dia 27 de Maio, pelas 12:00h.

O Patinho Feio, a Lebre e a Tartaruga ou a Flauta de Hamelin são algumas das fábulas que se vêem transformadas em música na sinfonia de Giroux, interpretada pela Banda Sinfónica Portuguesa neste regresso à Sala Suggia. O programa é apelativo, e conta com a colaboração de um coro e um coro infantil na execução de duas obras bem recentes dos espanhóis Antón Alcalde e Teo Aparicio, respetivamente.
Uma óptima oportunidade para conhecer alguma da melhor música que se tem escrito para banda, com uma formação que conquistou recentemente o primeiro prémio no Concurso Mundial de Música em Kerkrade, na Holanda.

Sob a direção musical do maestro espanhol convidado Rafa Aquillló Albors, este concerto conta com a participação dos coros da Academia de Música de Costa Cabral e do coro Adulto do Circulo Portuense de Ópera.

Programa:
Robert Jager Epilogue: Lest We Forget
Antón  Alcalde: Marea Negra - Sinfonia para coro e banda
Julie Giroux: A Symphony of Fables
Teo Aparício: Una historia per contar - Fantasia para coro infantil e banda

Mais informações em: www.casadamusica.com

Locomotiva Duben lança primeiro álbum de músicas inéditas



Após ficar em segundo lugar no Kaiser Sound Festival do ano passado, a Locomotiva Duben recebeu como prêmio a gravação de cinco faixas no Nico’s Estúdio, com direito a 200 cópias do material. Pouco para o grupo que tem um repertório extenso, moldado durante quatro anos de história, entre importantes shows e projetos na cidade. Por isso, naturalmente a banda decidiu investir na produção e gravar mais cinco faixas além das previstas, e assim completar a prensagem com mil cópias do material.
A produção leva assinatura de Rodrigo Barros Homem Del Rei, experiente músico e produtor da cidade que vestiu a camisa e participou de todo processo, inclusive de uma faixa. O álbum traz a participação de outros parceiros, nas composições e gravações, como a da música “Agradecer e Respirar” que é de João Felix, do duo Felixbravo com letra de Lucas Ajuz, vocalista da Locomotiva.
A música (escolhida como single) teve quase quinhentas execuções em apenas 24h do seu lançamento digital. Outra participação importante é de Rodrigo Ribeiro, vocalista do Real Coletivo na música que dá o nome ao álbum e também no single. O disco tem ainda o renomado saxofonista Paulinho Branco, o trompista Lincon Dias e Chico Han na flauta transversal.
A festa de lançamento acontecerá durante a tarde no Espaço Ses Salines, casa recém inaugurada e escolhida por trazer um clima mais aconchegante, com a intenção de fugir do formato “noite” tão enraizado em Curitiba. “A intenção é presentear quem sempre acreditou em nosso trabalho com uma festa, em grande estilo, num lugar especial e confortável, com a atenção que nossos convidados realmente merecem”, comenta Lucas Ajuz. O show contará com a participação de todos os envolvidos na produção do álbum.
Os ingressos da festa podem ser adquiridos no site catarse.me , através do  projeto de financiamento colaborativo que o grupo  fez para viabilizar as cinco faixas a mais que incluíram no álbum assim como a prensagem, masterização e mixagem.

Na rede:
Catarse.me - http://catarse.me/pt/projects/611-mundo-e-labirinto-locomotiva-duben#about
Facebook - https://www.facebook.com/locomotivaduben
Faixa “Agradecer e respirar” - http://soundcloud.com/locomotiva_duben/agradecer-e-respirar

Serviço:
Show de Lançamento do disco Mundo é Labirinto / Locomotiva Duben
Data: 26 de maio
Horário: 15h
Local: Espaço SES SALINES, Rua Pref. Angelo Lopes, 2222 - Hugo Lange
Ingressos: Antecipado via Catarse.me com direito a um CD R$40. Na hora masculino R$40 e feminino R$20.

Exposição Rito Resigno abrange trabalhos que realizam diálogo entre o sagrado e poéticas artísticas





O Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza abrirá no próximo dia 29 (terça-feira), às 18 horas, a exposição coletiva "Rito Resigno", com os artistas Ana Cristina Mendes (CE), Aslan Cabral (PE), Grupo Empreza (GO), Rubiane Maia (ES), Melissa Garcia (México) e Regina José Galindo (Guatemala), com curadoria de Ana Cecília Soares e Júnior Pimenta.

A abertura contará com a performance "A flor da pele. Para La Fontaine", da artista Rubiane Maia. Com entrada franca, a mostra ficará em cartaz até 29 de junho próximo (horários de visitação: terça-feira a sábado, de 10h às 20h; e aos domingos, de 12h às 18h).



Texto curatorial (por Ana Cecília Soares e Júnior Pimenta)

Na história da humanidade encontramos um recorrente auxílio à esfera religiosa (mágica) para tudo aquilo que a desorientava ou fugia de seu controle. Nas culturas mais antigas tudo era vivido num plano duplo onde coexistia a realidade e o mundo indizível. Não havia um só campo da vida do homem que não tivesse relação com o sagrado. Na arte não seria diferente, o artista enquanto ser simbólico servia de meio à transcendência do espírito.

    Atualmente, mesmo, com o abrandamento da manifestação religiosa no pensamento ocidental, observa-se a emergência de sintomas capazes de exprimir na produção artística permanências do sentimento sagrado. Para a pesquisadora Maria Amélia Bulhões, este fenômeno pode ser identificado na recorrência aos temas do catolicismo e dos mitos africanos e indígenas, estabelecendo uma ponte das tradições do passado com as experiências do presente.

A inserção de posturas e procedimentos ritualísticos na produção contemporânea é expressiva. Promovendo uma relação espiritualizada do artista e do público com a arte, e desta maneira uma vivência específica com o sagrado. Os objetos ou as performances podem adquirir o mesmo teor místico de um ritual religioso ou mágico desde que se estabeleça entre seus participantes uma espécie de pacto de crença, e que estes entrem num sistema simbólico partilhado e comum a todos os presentes.

A exposição Rito resigno abrange um conjunto de trabalhos que realiza  esse diálogo entre o sagrado e as poéticas artísticas nos tempos de hoje. Os seis artistas participantes trazem a temática à tona de maneira bem peculiar, conduzindo e incitando no espectador diferentes questões.

"Abraço líquido" (2007/2008), videoperformance de Ana Cristina Mendes (CE), faz referência aos rituais na água praticados pelas mulheres celtas na fonte de Bònegre no Sul da França (hoje seca). A artista aproxima essa realidade com as das lavadeiras cearenses, com ênfase na ideia de um ritual de passagem, em que ambas trocam com a água suas energias, seu suor, suas forças e com isso se renovam.

"Antropofagia" (2005), videoperformance do Grupo Empreza (GO), a partir da simulação de um artista "comendo" o cabelo de outro, o trabalho faz referência ao ritual antropofágico praticado por algumas tribos indígenas no Brasil. Esse tipo de prática servia, dentre outros motivos, para reverenciar os espíritos dos antepassados e vingar os membros da aldeia mortos em combate. Após as batalhas contra tribos inimigas, a antropofagia tinha caráter apoteótico, mobilizando todos os membros da aldeia numa sucessão de danças e encenações que terminavam com a matança de prisioneiros e o devoramento de seus corpos. Assim, acreditavam que ao comer a carne de um inimigo guerreiro, iriam adquirir seus conhecimentos e suas qualidades.

"Perra" (2005), videoperformance de Regina José Galindo (Guatemala). Nesta obra a artista escreve a palavra "perra" (cachorra em português), com uma faca sobre sua perna. Embora, realize uma denúncia aos abusos cometidos contra as mulheres na Guatemala, onde têm aparecido vários corpos femininos torturados e com inscrições feitas com faca ou navalha. A artista se vale de uma cerimônia ritualística em que a importância do sacrifício jaz no fato de que ela sacraliza o ato social e o novo relacionamento que este produziu. Por meio da ação sacrificial, Galindo é levada à catarse, convocando em si e no outro uma descarga de sentidos e emoções.

Outro trabalho de Galindo é "Autocanibalismo" (2001). Uma videoperformance, onde ela executa o ato de comer parte de sua carne, apropriando-se de um ato corriqueiro para muitas pessoas, que é o de roer as unhas. Este autodevoramento apresenta em sua origem traços ritualísticos, uma espécie de antropofagia de si mesmo.

"A flor da pele. Para la Fontaine" (2011), é a fusão de duas performances de Rubiane Maia (ES). O trabalho faz alusão ao sacrífico, um dos pilares das práticas ritualísticas; que se serve como ferramenta de "iluminação" capaz de transcender o corpo, levando o indivíduo para outro estágio da consciência.

"Intra Melissa (en cinco partes)" (2009), fotoperformance de Melissa Garcia (México), trata de uma investigação sobre a dor e autoconhecimento. Inicialmente, ela promove a retirada do seu próprio sangue, traçando as seguintes etapas: extração, contatos tátil, olfativo, degustativo e reabsorção do sangue. Um ciclo sanguíneo externo. Como nos antigos rituais, ao transcender o próprio funcionamento do corpo e a dor através da representação trágica de sua performance, é como se a artista atingisse a um plano sublime, conquistando, dessa forma, sua própria recompensa.

"Goodbye World" (2006), videoperformance de Aslan Cabral (PE). Nesse trabalho, ele simulou sua própria morte, ao tomar um coquetel de medicamentos. O artista ficou 6 horas inconsciente. Ele passou por todas as etapas de um ritual fúnebre: da lavagem de seu corpo até ser colocado dentro de um caixão. O artista vivencia uma espécie de morte simbólica, o que lhe permite um mergulho em si. Uma experiência que ressoa na sua maneira de pensar e sentir o mundo, como uma ritualística para a libertação.

Rito resigno promove um recorte de algumas das nuances oriundas das interseções entre as práticas ritualísticas e as poéticas contemporâneas. Refletindo questões enraizadas no imaginário mágico e religioso do próprio ser humano. Como pontua o pesquisador Mircea Eliade, no livro "O sagrado e o profano": o homem é "um ser sagrado por natureza".

10/06 ÂNGELO MÁXIMO E PALHAÇA RUBRA





O cantor Ângelo Máximo
é o convidado especial do espetáculo
Rubra em Variedades da Mesma Coisa
que acontece no dia 10 de junho,
sábado, no Sesc Santo Amaro.




PALHAÇA RUBRA
Lu Lopes apresenta 4 espetáculos que  misturam a arte do palhaço,
improviso e a música  nos domingos de junho no  SESC Santo Amaro


·       Rubra Pop Show

Dia 03/06 Domingo, às 16h.

·         Rubra em Variedades da mesma coisa

Dias 10/06 Domingo, as 16h.

·         Banda Gigante em Movimenta o C.E.L.E.B.R.O

Dia 17/06 Domingo, às 16h

·         Quadrilha da Rubra

Dia(s) 24/06 Domingo, às 16h.

Vitor Ramil grava CD duplo em sistema de Crowdfunding

Vitor Ramil grava CD duplo em sistema de Crowdfunding "Queridos amigos O grande Sérgio Buarque de Holanda explicou, há muito tempo, o porquê de as atividades coletivas dos brasileiros não serem marcadas pela cooperação constante e disciplinada. Mas não deixou de ressaltar nosso gosto pelos mutirões ou mobilizações pontuais em torno de determinadas causas. Talvez isso, mais nossos traços personalistas que tão claramente se manifestam através da Internet, explique o começo promissor do crowdfunding no Brasil, essa alternativa de produção cultural, entre outras coisas, democrática e transparente, que só poderia ter surgido nesses tempos de ampla comunicação virtual. Falo isso porque eu mesmo estou fazendo um crowdfunding para financiar a produção do álbum duplo Foi no mês que vem, que lançarei no segundo semestre de 2012, por ocasião da publicação de um songbook com 60 músicas minhas de várias épocas. O disco será uma seleção de 30 dessas 60 músicas, que gravarei com participações especiais de músicos e cantores (de Uruguay, Argentina e Brasil), gente ilustre e talentosa, com quem tenho colaborado através dos anos. Também documentaremos tudo em vídeo para disponibilizar na Internet (no começo, só para os apoiadores). Mas, mais que buscar financiamento, até porque disco a gente sempre faz de um jeito ou de outro, vi nesse tipo de campanha uma maneira de fortalecermos a Internet como espaço para a música independente. Nesse sentido, a experiência está sendo incrível. Esta mensagem segue para minha caixa de correspondência, pessoas próximas. Sei que muitos não estão ligados, então quis dar um toque. Quem quiser se informar mais (tem lá um texto e um vídeo em que explico a coisa) ou já passar a ser agente dessa produção, é só acessar este link: http://tragaseushow.com.br/projeto/1-vitor-ramil-foi-no-mes-que-vem É tudo muito simples e objetivo. Todos os apoios têm contrapartidas generosas que vão desde downloads, discos e songbooks entregues em casa (segundo previsões, mais baratos do que custarão nas lojas) até a gravura que dará origem à capa do disco. Falando diretamente aos amigos que compram arte, chamo atenção para esse ponto. Trata-se de uma gravura espetacular de Nara Amélia, jovem e brilhante artista em ascensão. Se a campanha não atingir a meta estipulada, o dinheiro dos participantes será devolvido. Limpo. Já comecei o disco. Já gravei mais de 40 violões e quase todas as vozes. As participações, até o momento, estão de arrepiar. Está sendo uma alegria para todos nós envolvidos. Espero poder proporcionar o mesmo para vocês. abraço grande "

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Vivaldi e Villa-Lobos no concerto da Orquestra de Câmara



 
Composições do italiano Antonio Vivaldi (1678 – 1741) e do brasileiro Heitor Villa-Lobos (1887 – 1959) integram o repertório que a Orquestra de Câmara de Curitiba preparou para o concerto deste fim de semana, dentro da temporada 2012 patrocinada pelo Ministério da Cultura e pela Volvo. A direção musical estará a cargo do violinista Maurício Aguiar e o espetáculo tem como solista convidado o fagotista paulista Fábio Cury.
As apresentações acontecem às 20h de sexta-feira (25), na Paróquia Nossa Senhora das Graças e Santa Gema Galgani, com entrada franca, e às 18h30 de sábado (26), na Capela Santa Maria Espaço Cultural, com ingressos a R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada). Também na Capela Santa Maria, o público tem a oportunidade de acompanhar o ensaio geral da orquestra, às 10h de quinta-feira (24), com ingresso gratuito.
 De Vivaldi foram selecionadas as seguintes peças: “Concerto em Mi menor para fagote, cordas e contínuo RV 484”, “Concerto em Lá menor para fagote, cordas e contínuo RV 498” e “Concerto em Sol maior para cordas ‘alla rustica’ RV 151”. As composições de Villa-Lobos que integram o programa são “Bachianas Brasileiras nº 4 – Prelúdio” e “Ciranda das Sete Notas”.
Violoncelista, compositor e educador, Villa-Lobos legou-nos uma produção que enfatiza de forma inovadora o caráter brasileiro, com influência de importantes compositores da música ocidental. Foi a partir da obra de Johann Sebastian Bach que Villa-Lobos criou a famosa série “Bachianas Brasileiras”, um conjunto de nove obras para várias formações que mostra a genialidade de um compositor que consegue mesclar as técnicas de contraponto bachianas à música genuinamente brasileira.
Em “Ciranda das Sete Notas”, que iniciou em 1933 o repertório brasileiro de concerto para fagote solo, Villa-Lobos revela a experiência que já possuía na escrita para o instrumento. O compositor apresenta uma grande fantasia para fagote e orquestra de cordas, usando as sete notas da escala musical como um dos motivos, sem esquecer a bela ciranda apresentada pelas cordas na seção final da obra.
 
Vivaldi – Depois do violino, o fagote foi o instrumento para o qual Vivaldi escreveu a maioria de suas obras solo com orquestra. O “Concerto em Mi menor RV 484”, em sua tonalidade sombria, é uma das peças mais programadas em todo o mundo. O “Concerto em Lá menor RV 498” tem uma estrutura baseada em sequências, dando relevância ao fagote solo.
Devido às exigências técnicas e à qualidade musical, os concertos de fagote de Vivaldi foram feitos para músicos exímios. A escrita apresenta uma compreensão profunda da capacidade técnica do instrumento, bem como um potencial expressivo que Vivaldi explora em todos os registros.
Para encerrar o programa, foi escolhido o “Concerto em Sol maior para cordas ‘alla rustica’ RV 151”, um exemplo brilhante do estilo barroco tardio. Nesse trabalho excitante, Vivaldi consegue inserir um grande conteúdo musical em um breve intervalo de tempo.
 
Direção musical – O violinista Maurício Aguiar, diretor musical e spalla da Orquestra de Câmara de Curitiba, é o responsável pela condução do espetáculo. Residindo nos Estados Unidos desde 1991, o instrumentista é formado em Música pela Universidade de Cincinnati, com mestrado pela Universidade de Yale, onde também concluiu o curso de construção de violino. Com extenso currículo de apresentações no Brasil e exterior, o músico apresentou-se sob a regência de importantes maestros, entre eles James Levine, Valery Gergiev, Sir Roger Norrington, Paavo Jarvi e Kurt Masur. Vencedor de vários concursos nacionais, em 2011 atuou como spalla da Orquestra Sinfônica Brasileira, sob o comando de Loorin Maazel.
 
Solista convidado – O músico Fábio Cury, convidado para esta apresentação da Orquestra de Câmara de Curitiba, é graduado em fagote pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), mesma instituição na qual obteve o título de mestre em Artes. Aperfeiçoou técnicas musicais na Escola Superior de Teatro e Música de Hannover (Alemanha) e tem doutorado em Música pela USP – Universidade de São Paulo.
Fábio Cury conquistou premiações em vários concursos brasileiros e, em 2009, lançou o CD “Velhas e Novas Cirandas: música brasileira para fagote e orquestra”, interpretando obras inéditas na Amazonas Filarmônica. O instrumentista atua como professor na USP, na Faculdade Cantareira, na Emesp – Escola de Música do Estado de São Paulo e no Conservatório de Tatuí. Também integra a Camerata Aberta – do grupo de música contemporânea da Emesp – e a Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal de São Paulo.
 
Serviço:
Apresentações da Orquestra de Câmara de Curitiba, sob a direção musical do violinista Maurício Aguiar, dentro da temporada 2012 de concertos patrocinada pelo Ministério da Cultura e pela Volvo. O programa do concerto reúne obras do italiano Antonio Vivaldi (1678 – 1741) e do brasileiro Heitor Villa-Lobos (1887 – 1959), tendo como solista convidado o fagotista paulista Fábio Cury.
Datas, horários e locais:
- dia 24 de maio (quinta-feira), às 10h, ensaio geral da orquestra na Capela Santa Maria – Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro), com entrada franca;
- dia 25 de maio (sexta-feira), às 20h, na Paróquia Nossa Senhora das Graças e Santa Gema Galgani (Rua Carmelina Cavassin, 90 – Barreirinha), com entrada franca;

- dia 26 de maio (sábado), às 18h30, na Capela Santa Maria – Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro), com ingressos a R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada).  

CAIXA Cultural / FLAUTA DOCE INTERNACIONAL NO PALCO DA CAIXA CULTURAL CURITIBA




FLAUTA DOCE INTERNACIONAL NO PALCO DA CAIXA CULTURAL CURITIBA

 
Flautista Cléa Galhano passeia pelo medieval e contemporâneo em concerto da Série Solo Música
 
 
A CAIXA Cultural Curitiba recebe, na próxima terça-feira (29), a flautista paulista Cléa Galhano. Residente nos Estados Unidos, Cléa é conhecida por suas performances na música antiga, contemporânea e brasileira.
 
O programa intitulado “L´Arte de Suonare”, traz obras do período medieval aos compositores contemporâneos intimamente ligados ao universo da flauta doce. Cléa tocará também duas obras renascentistas e obras de grandes compositores barrocos. E há uma parte especial, dedicada à música brasileira, com músicas de Kilza Setti, Egberto Gismonti e Waldyr Azevedo. “Será um recital de flauta doce diferente, em que o instrumento é mostrado em sintonia com o século XXI”, destaca o produtor da Série, Álvaro Collaço.
 
Recitais solo de flauta doce são raros. O instrumento que é ensinado em muitas escolas do país – inclusive em universidades de música –, e é fundamental no repertório de Música Antiga, no Brasil só tem sido mostrado em sua formação solo em festivais com características educacionais.
 
“Cléa Galhano é artista de renome internacional. Teve sua carreira estabelecida nos Estados Unidos, onde atua como professora, e gravou belos CD. Em seus discos, tem ampliado o repertório do instrumento, tocando não apenas música antiga, mas música contemporânea, choros, músicas brasileiras não concebidas originalmente para a flauta doce”, explica Collaço.
 
Clea Galhano:
Flautista reconhecida internacionalmente como camerista, Clea tem colaborado com Marion Verbruggen, Jacques Ogg, Belladonna, Ensemble Kingsbery e Band Barroco Blue. Como solista, tem trabalhado com a Saint Paul Chamber Orchestra, conduzida por Christopher Hogwood, McGegan Nicholas e Emmanuelle Haim, a World Symphony, a Milwaukee Baroque e a Lyra Baroque Orchestra. Possui duos com as cravistas Rosana Lanzelotte e Vivian Montgomery e o violonista Tony Hauser.
 
Apresentou-se em teatros renomados como Wigmore Hall, de Londres; o Weill Hall, de Nova Iorque; e Santa Croce, de Roma. Gravou CD pelos selos Dorian, Ten Thousand Lakes e Eldorado.
 
Atuou no conselho da Sociedade Americana Recorder. É diretora artística do Conservatório de Música de São Paulo e professora do Macalester College. Por dez anos foi artista em residência do prestigiado Clube Schubert. de St. Paul, Minessota, Estados Unidos. Há dez anos dirige a Orquestra de Flauta Doce de Midwest.
 
Solo Música:
A série Solo Música está em sua quarta temporada e é um projeto único no cenário curitibano. É caracterizada por uma diversidade de instrumentos, artistas e estilos musicais. Esse ano, promete concertos de música antiga, música indiana, jazz, música regional e de improvisação.
 
Serviço:

Música: Série Solo Música – Cléa Galhano (flauta doce)

Local: CAIXA Cultural – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR)

Data: 29 de maio de 2012 (terça-feira)

Hora: 20h

Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA)

Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sexta-feira das 12h às 20h, sábado das 16h às 20h e domingo das 16h às 19h).
Classificação etária: Livre para todos os públicos

Lotação máxima: 125 lugares (2 para cadeirantes)


quarta-feira, 16 de maio de 2012

É Tradição e o Samba Continua... tem show de encerrramento no Auditório Ibirapuera




A Comunidade Samba da Vela recebe Graça Braga, Tia Cida de São Matheus e Samba da Laje.

Depois de cinco noites de show no Memorial da América Latina (de 2 a 6/5), o projeto É Tradição e o Samba Continua... encerra esta segunda edição no dia 20 de maio, domingo, no Auditório do Ibirapuera, às 19 horas. O Festival apresenta um panorama atual do samba feito em São Paulo, reunindo artistas da velha e da nova geração.

O show de encerramento será comandado pela Comunidade Samba da Vela com participação especial das cantoras Graça Braga, Tia Cida (nome importante do Berço do Samba de São Matheus) e da Comunidade Samba da Laje.

O Samba da Vela vai apresentar músicas representativas de seus encontros, desde o ano 2000, e que fazem dessa reunião um verdadeiro culto ao genuíno samba brasileiro. Entre as composições, “Acendeu a Vela” e “A Comunidade Chegou” (Paquera), “A Majestade do Samba” (Magnu Sousá e Paquera), “Tantos Anos de Glória” (Adriano Carollo), “Semba de Amuila” (Magnu Sousá, Maurilio de Oliveira e Maurício Lande), “Ilusão” (Magnu Sousá e Maurilio de Oliveira), “Tudo Lotado” e “O Povo da Vela” (Chapinha), “Futuro Promissor” (Chapinha e Carlos Costa), “Brasero” e “Gira na Gandaia” (Nino Miau), “Tombo da Corrente (Petróleo e Nelson Papa) e “Guerra dos Sexos” (Graça Braga e Paquera), entre outras.

A noite reserva, ao final do show, uma homenagem ao compositor Geraldo Filme (1928-1995), um dos ícones do samba paulista, quando todos os artistas se reunirão no palco para interpretar “Tradição (Vai no Bixiga pra Ver)”, música que inspirou o nome do projeto.

Uma homenagem ao samba paulista, reunindo sambistas de diversas gerações

AUDITÓRIO DO IBIRAPUERA
20/05 – Domingo – 19h

Comunidade Samba da Vela
Convidados - Graça Braga, Tia Cida de São Matheus e Samba da Laje. 


AUDITÓRIO DO IBIRAPUERA - www.auditorioibirapuera.com.br
Av. Pedro Álvares Cabral, s/n, Portão 02, Parque Ibirapuera
R$10,00 meia / R$20,00 inteira
Ingressos à venda na bilheteria do Auditório Ibirapuera ou através do site Ticket4Fun (www.ticketforfun.com.br) Tel. (11) 3629-1075          (11) 3629-1075     
Livre para todos os públicos

Os locais contam com condições de acesso de idosos e pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, de modo a possibilitar-lhes o pleno exercício de seus direitos culturais.

Ficha técnica
02 a 06 de maio – Memorial da América Latina
20 de maio – Auditório Ibirapuera

Patrocínio: Brahma
Realização: Pôr do Som Produções Culturais
Coordenação Geral: Sérgio Mendonça
Produção executiva: Laura Lopes
Direção artística: Chapinha e Pôr do Som
Comunicação e Marketing: Patrick Karassawa
Projeto Visual, Cenário e Ilustrações: Letícia Rita
Assessoria Administrativa: Efigênia Neri
Produção: José Marcos P. Bueno
Assistente de produção: Bruna Oliveira e Bruno Moraes
Curadoria: Chapinha e Sérgio Mendonça (Pôr do Som)

O Projeto contou com o apoio do Governo de São Paulo - Secretaria de Estado da Cultura, através do Proac, Programa de Ação Cultural e foi selecionado pelo Ministério da Cultura – Funarte através do Prêmio Procultura de Apoio a Festivais e Mostras de Música.
Pôr do Som - contato@pordosom.com.br

http://www.facebook.com/etradicaoeosambacontinua
Vídeo Teaser divulgação - http://www.youtube.com/watch?v=lwfuI4r74y0

sábado, 12 de maio de 2012

Grupo “Chicas” em curta temporada na CAIXA Cultural





Trio feminino apresenta o show “Em Tempo de Crise Nasceu a Canção”


A CAIXA Cultural Curitiba apresenta o show “Em Tempo de Crise Nasceu a Canção”, do trio feminino Chicas, de 17 a 20 de maio. Composto por Amora Pêra - filha de Gonzaguinha, Isadora Medella e Paula Leal, o grupo apresenta no novo trabalho canções como “Divino Maravilhoso”, de Gilberto Gil, e “Androginismo, de Kleiton e Kledir, com arranjos próprios, definido por um estilo musical pessoal e descontraído.

Além destas músicas, mais nove canções deram  a roupagem a este show, que traduz no palco a dinâmica do grupo, que gosta de experimentar e reinventar o tempo todo. Juntas desde 1996, o grupo lançou o primeiro álbum “Quem Vai Comprar Nosso Barulho?” em 2009. Esse show marca o novo trabalho, inédito com direito a algumas repescagens do trabalho anterior, mas cheias de surpresas.

A formação e a origem do grupo são teatrais, logo não poderiam faltar no show alguns textos ditos pelas artistas, entre eles o poema “O melhor do namoro é quando acaba”, de Pedro Rocha; “Ah”, de Cacaso e “Os Ninguéns”, do uruguaio Eduardo Galeano. As Chicas já estão preparando seu próximo trabalho que se chamará “Dia útil”.


Serviço:

Show Chicas
Local: CAIXA Cultural – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR)
Data: de 17 a 20 maio de 2012
Hora: quinta a sábado às 20h e domingo às 19h
Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA)
Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sexta-feira das 12h às 20h, sábado das 16h às 20h e domingo das 16h às 19h)
Classificação etária: Livre para todos os públicos
Lotação máxima: 125 lugares (02 para cadeirantes)

Rosie and Me lança seu álbum de estreia no Teatro do Paiol





         
Elogiada pela crítica e um dos expoentes da cena folk no Brasil, a banda curitibana Rosie and Me realiza, neste sábado (12), o show de lançamento de seu disco de estreia, “Arrow of my Ways”, no Teatro Paiol. A apresentação acontece a partir das 21h. Os ingressos custam R$ 25 e R$ 12,50.
O grupo acaba de retornar de uma turnê realizada nos Estados Unidos. Foram 10 shows que embalaram os estados do Texas e da Califórnia. Durante a temporada internacional, Rosie and Me também participou do South by Southwest 2012, um dos mais importantes festivais dos EUA, que tem por tradição revelar novos talentos da música independente.

Formado por Rosanne Machado (voz, banjo e violão), Guilherme Miranda (baixo), Ivan Camargo (violão), Thomas Kossar (guitarra) e Tiago Barbosa (bateria e percussão), o trabalho acústico e de raízes folk deu seus primeiros passos em 2006. Já em 2010, após o lançamento do primeiro EP “Bird and Whale”, a banda alcançou reconhecimento internacional com a participação da canção “Darkest Horse” em um dos episódios do seriado americano One Tree Hill.
O novo álbum conta com as participações especiais do britânico Joshua Thomas em “Home (Intro)” e “Where the Heart Is”, assim como o americano Greg Thomas, que faz um dueto com Rosanna em “Arrow of my Ways”. O diretor Daniel Cummings, vencedor do Grammy Bon Iver com o videoclip “Calgary”, também está de olho no trabalho dos curitibanos e deve assinar um dos próximos clipes da banda ainda este ano.

Serviço:
Rosie and Me – show de lançamento de “Arrow of my Ways”
Local: Teatro do Paiol – Praça Guido Viaro, s/n – Prado Velho
Data: 12 de maio de 2012 (sábado), às 21h
Ingressos: R$ 25 e R$ 12,50 (estudantes, professores, idosos,
doadores de 1Kg de alimento, doadores de sangue e deficientes físicos).
Produção: Fineza Comunicação e Cultura e Santa! Produção

Brincadeiras sonoras no programa Terça Brasileira






A soma de texto poético, som e expressão vocal resulta na produção musical de Marcelo Brum-Lemos e o Som-De-Brinkedo, atração do programa Terça Brasileira, dentro da extensa programação comemorativa dos 40 anos do Teatro do Paiol. O espetáculo acontece às 20h da próxima terça-feira (15), levando ao palco os músicos Marcelo Brum-Lemos (guitarra, piano, harmônica e voz), Aruana Moscheta (rabeca), Aluísio Coelho (violão e guitarra), Felipe Ayres (guitarras, eletrônicos e harpa), Leandro Leal (bateria, instrumentos e voz) e Mateus Sokolowski (bandolim, bouzouki e viola caipira).
Montar o grupo Som-De-Brinkedo foi a maneira que Marcelo Brum-Lemos encontrou para tocar ao vivo suas composições “poético-sonoras”, como costuma definir, visto que nos CDs que gravou (“Res” e “Mágica”) os diversos instrumentos e vozes são executados pelo próprio autor, com arranjos experimentais. As composições ganham novas possibilidades expressivas com a atuação conjunta do Som-De-Brinkedo.
Na prática, o Som-De-Brinkedo é uma oficina sonora, na qual os músicos convidados procuram trabalhar de maneira mais experimental e lúdica na criação dos arranjos. O grupo tem formação flutuante, mas se destaca pela versatilidade e qualidade dos músicos. A proposta, já denunciada pelo título, é a de “brincar” com os sons, numa postura experimental e irreverente. Nesse sentido, os músicos costumam revezar-se entre diversos instrumentos e objetos ruidosos para expressar as composições de Marcelo, caracterizadas por uma profunda relação com a palavra cantada.
Marcelo Brum-Lemos, também poeta e contista, procura com suas canções explorar os limites entre a poética da palavra e a linguagem musical propriamente dita. Dessa forma, a expressão vocal, entre o canto e a fala, assume posição essencial, fazendo da interpretação de Marcelo Brum-Lemos o real elemento que agrega música e texto. O artista e seu grupo Som-De-Brinkedo apresentam-se regularmente em Curitiba desde 2009 e, em 2012, estrearam internacionalmente, com espetáculos em Portugal.

Serviço:
Programa Terça Brasileira, com o show Marcelo Brum-Lemos e o Som-De-Brinkedo.
Local: Teatro do Paiol (Praça Guido Viaro, s/n – Prado Velho)
Data e horário: dia 15 de maio de 2012 (terça-feira), às 20h
Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)

VII Festival Instrumental reafirma a necessidade de apresentar música de qualidade aos nordestinos







A partir do sucesso das seis edições anteriores, o VII Festival da Música Instrumental vem para reafirmar a necessidade de apresentar música de qualidade aos nordestinos e visitantes, com a participação de instrumentistas dos nove estados do Nordeste, além de representantes de São Paulo, Distrito Federal e de um país vizinho, a Argentina. Com programação gratuita, o Festival acontecerá de 16 (próxima quarta-feira) a 26 de maio.

Nos três Centros Culturais Banco do Nordeste (Fortaleza; Cariri, em Juazeiro do Norte, região sul do Ceará; e Sousa, no alto sertão paraibano), a sétima edição do Festival da Música Instrumental trará 55 concertos musicais, oito passagens de som abertas (momento em que o público poderá interagir com os instrumentistas e descobrir detalhes da apresentação, das técnicas utilizadas para execução ou particularidades dos instrumentos), além de oficinas de formação artística, troca de ideias e um acervo especial nas bibliotecas dos CCBNBs - tudo isso direcionado aos públicos de todas as idades.

No decorrer deste mês de Maio, os três Centros Culturais BNB buscarão mostrar um Festival mais ousado, valorizando a diversidade que tem a música instrumental, não só de sons, mas também de instrumentos utilizados pelos músicos. Materiais que anteriormente eram lixo (a exemplo de garrafas PET, vidros e latas) agora compõem orquestras e grupos de percussão, encantando plateias. Além do material reciclável utilizado pelos grupos, a sanfona terá um destaque especial, em homenagem ao centenário de nascimento do Rei do Baião, Luiz Gonzaga.



Aulas-shows com baixistas

E para os amantes do contrabaixo, em Fortaleza, nos três primeiros dias do Festival de Música Instrumental (16 a 18 de Maio, de quarta a sexta-feira, a partir das 15 horas) acontecerão as aulas-shows dentro do IB&T Bass Festival, o mais importante festival nacional de contrabaixistas, que contará com a participação especial de 19 baixistas cearenses e outros de São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte. O IB&T Bass Festival é uma parceria do Centro Cultural Banco do Nordeste com as escolas de música de Fortaleza (CMAN, Guitartrix, Musimania, Tocata, Tom Maior e Tônica), proporcionando essas aulas-shows que têm por objetivo valorizar, favorecer, formar, destacar e unir alunos, professores, músicos e público em geral.

A direção do IB&T Festival é do seu idealizador, o baixista Celso Pixinga, reconhecido e respeitado internacionalmente. A produção local é da professora Marta Carvalho, que há muitos anos investe e se dedica à formação musical do povo cearense. O III IB&T Festival de Fortaleza tem mais uma vez o apoio do Banco do Nordeste, que abre as portas do CCBNB-Fortaleza para a sua realização, apostando no valor da música instrumental brasileira e incentivando a iniciativa das escolas de música envolvidas na promoção do Festival.

17 de maio no Baile Emme Banda Baile da Cumbuca



17 de maio no Baile Emme

Banda Baile da Cumbuca



A cantora e atriz santista Carol Bezerra uniu-se ao músico paulistano
Guga Stroeter e sua poderosa Orquestra HB para realizar
uma grande festa/baile para se ouvir e dançar a rica diversidade dos estilos brasileiros.

Em uma única noite, o público é convidado a viajar pelo Brasil,
cantando e dançando samba, maxixe, carimbó, jongo, boi-bumbá,
congada, afoxé, samba de roda, capoeira e maracatu. Esse é o Baile da Cumbuca,
que tem como diferenciais o domínio técnico e cênico de Carol Bezerra
e arranjos exuberantes para uma big band com 13 integrantes.

A festa acontece mensalmente no Estúdio Emme,
uma das melhores casas
com palco e pista de dança de São Paulo.

Coreografias:  Paulina Alves e Simone Debet
Figurino: Guga Stroeter e Carol Bezerra
Cantora Convidada: Carol Bezerra

SERVIÇO

BAILE  EMME

Todas as quintas-feiras

Abertura da casa:

a cada 15 dias, quando o Trixmix precede o baile: às 20h
Noite só com baile: 21h
ingressos baile: R$ 20,00 antecipado e R$ 30 na porta
Estúdio Emme - Rua Pedroso de Moraes, 1036  Pinheiros – São Paulo

Informações: 3031 3290

Canais de vendas:

On line: lista@estudioemme.com.br

Bilheterias do Estúdio Emme | de segunda a sábado, das 13h00 - 19h00.

Ingresso para o Baile Emme:

Na porta R$ 30,00

Antecipado: R$ 20,00

(aloingressos.com.br ou lista: www.diadegroove.com.br)    

Censura: 18 anos

Estacionamento: serviço de valet: R$ 20,00

Cartão de crédito: Mastercard e Visa.

Cartão de Débito: Redeshop e Visa Electron

Acesso para deficientes.

Ar condicionado.

Tutu Recebe dia 16 de maio, no Estúdio Emme, Pipo Pegoraro músico e produtor musical






Tutu Recebe
dia 16 de maio, no Estúdio Emme,


Pipo Pegoraro
músico e produtor musical




Tutu Morais, pesquisador de música brasileira, DJ e criador da Festa do Santo Forte, é o curador da noite TUTU RECEBE. No  projeto, que tem edições mensais, ele recebe novos nomes da Musica Brasileira.  No dia 16 de maio se apresenta o músico e produtor musical Pipo Pegoraro.



Pipo Pegoraro iniciou seus estudos musicais aos seis anos; construiu em sua trajetória diferentes olhares sobre a música, tanto do ponto de vista da interpretação e criação musical como também na captação e gravação das obras. Junto com o grupo Q´Saliva gravou em 2005 o disco DELA e seguiu em turnê pela Europa por seis meses, tocando em diversos clubes e festivais europeus como o antológico Paradiso (Amsterdã) e Supernatural (Utrecht – Holanda).Em 2008 lançou o álbum Intro, seu primeiro trabalho solo autoral, no melhor estilo “do it yourself”. Com sonoridade delicada e mesclando sons eletrônicos com orgânicos, INTRO revela uma atmosfera de situações imagéticas e reflete sensações sobre tempo e encontros em arranjos inusitados. Lança agora seu segundo álbum solo Taxi Imã, pela gravadora YB no segundo semestre de 2011, produzido em parceria com o compositor e cantor Bruno Morais.



Serviço


TUTU RECEBE PIPO PEGORARO


Dia: 16 de Maio, quarta-feira
Abertura da casa: 22h30
Ingresso: R$ 30,00


Local: Estúdio Emme


Av. Pedroso de Morais, 1036 – Pinheiros
Horário da Bilheteria:


de segunda a sábado, das 13h00 às 20h00
ou até horário de abertura da casa.


Tel para informações: (11) 3031.3290
Valet no local
Não recomendado para menores de 18 anos.
A casa aceita cartões, dispõe de chapelaria,
e área aberta (externa) para fumantes

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Maxixe Machine e Walter Franco em show no Paiol




O Teatro do Paiol abriga, neste fim de semana, um espetáculo que reúne a banda paranaense Maxixe Machine e os músicos paulistas Walter Franco e Diogo Franco, pai e filho. As apresentações, que integram as comemorações de 40 anos do Paiol, acontecem na sexta-feira e no sábado (4 e 5), às 21h. Ainda na sexta-feira (4), Walter Franco e o grupo Maxixe Machine estarão no Conservatório de MPB de Curitiba para um bate-papo musical, às 17h, com entrada franca.
O show no Paiol tem a intenção de estabelecer uma conexão musical entra a banda Maxixe Machine e o compositor Walter Franco, que fará uma retrospectiva de sua carreira, apresentando antigos sucessos, entre eles "Coração Tranquilo", "Respire Fundo" e "Vela Aberta", além de canções inéditas como "Signo" e "Is not rock’n roll", feitas em parcerias com Paulo Leminski.
Reconhecido como um polêmico exemplo do experimentalismo de vanguarda, Walter Franco já teve suas canções gravadas por grandes nomes da MPB, como Chico Buarque. Formado pela Escola de Artes Dramáticas, o músico aproxima-se da poesia concreta em suas canções. As letras de sua autoria, com um viés mais político, fizeram de Franco um ícone da resistência militar, nos anos 70. Neste espetáculo, o compositor mostra que seu som e sua poesia continuam instigantes e contemporâneos.
O espetáculo também conta com a participação de Diogo Franco, que apresenta composições próprias. Filho de Walter Franco, Diogo tem influência direta da musicalidade do pai em suas obras.
O público terá, ainda, a oportunidade de conferir o som da banda Maxixe Machine, que surgiu a partir do grupo Beijo AA Força. O grupo, que acaba de lançar seu mais novo trabalho, “Sambas em Tiro de Guerra”, tem em suas raízes as influências de punk rocks, polkas e maxixes, da literatura e de clássicos da música popular brasileira.

Serviço:
Espetáculo com a banda paranaense Maxixe Machine e os músicos paulistas Walter Franco e Diogo Franco, pai e filho.
Data e horário: dias 4 e 5 de maio de 2012 (sexta-feira e sábado), às 21h.
Local: Teatro do Paiol (Praça Guido Viaro, s/n – Prado Velho)
Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)
Classificação etária: 12 anos
Informações para a imprensa: Rodrigo Browne – (41) 9145-7027 / (41) 3363-7759

Bate-papo musical com Maxixe Machine e Walter Franco
Data e horário: dia 4 de maio de 2012 (sexta-feira), às 17h.
Local: Conservatório de Música Popular Brasileira (Rua Mateus Leme, 66 – Setor Histórico).
Entrada franca.

No Domingo Onze e Meia, homenagem ao Rei do Baião




O compositor Luiz Gonzaga recebe, neste ano em que se comemora o centenário do seu nascimento, uma homenagem especial da cantora Cida Airam e do Trio Quartinha. No show “Rei do Baião”, que será apresentado dia 6 de maio, no programa Domingo Onze e Meia, o grupo toca alguns dos maiores sucessos do artista com a clássica formação “gonzagueana” (sanfona, zabumba e triângulo). O show acontece às 11h30, no Conservatório de Música Popular Brasileira.
Aspectos curiosos e informativos sobre o autor da antológica “Asa Branca”, sua carreira e sua obra serão apresentados durante o espetáculo. O show foi construído após a pesquisa sobre a trajetória artística de Luiz Gonzaga, com consultas às principais biografias, cronologias e contato direto com o Museu Fonográfico Luiz Gonzaga, localizado em Campina Grande (PB), e com o jornalista Xico Nóbrega, biógrafo e estudioso da obra do compositor.
Cida Airam, dona de uma bela e expressiva voz, estará acompanhada pelo Trio Quartinha, composto pelos nordestinos Ricardo Ribeiro, Mestre Pita e Alexandre Vianna. O trio conhece bem o trabalho desenvolvido pelo Rei do Baião e consegue transmitir com talento e primor as peculiaridades dos ritmos do nordeste, presentes na obra de Luiz Gonzaga.

Serviço:
Domingo Onze e Meia
Show “Rei do Baião – Homenagem de Cida Airam e Trio Quartinha”
Local: Conservatório de Música Popular Brasileira – Rua Mateus Leme, 66 – Setor Histórico.
Data e horário: 6 de maio de 2012 (domingo), às 11h30
Entrada franca.
Informações: (41) 3321-2855

RADAR A nova música brasileira nos 40 anos do Teatro Paiol convida ANELIS ASSUMPÇÃO



RADAR ''A nova música brasileira nos 40 anos do Teatro Paiol''

O Teatro Paiol é um dos espaços de circulação em destaque no cenário musical brasileiro. Com uma programação musical de qualidade, o teatro possui um público fiel na capital paranaense e é relevante na trajetória de artistas consagrados no cenário musical nacional. O projeto “Radar - A nova música brasileira nos 40 anos do Teatro Paiol’’ trará para a Curitiba artistas relacionados à música contemporânea brasileira que integrarão a programação dos 40 anos do Teatro Paiol. No total serão realizadas 09 edições de Radar, com início em maio. O projeto é idealizado e realizado pela Verdura Produções Culturais e tem como principal objetivo a formação de público e o intercâmbio musical entre os artistas.


Para a sua estreia no próximo dia 10 de maio, Anelis Assumpção abre com chave de ouro o projeto. A cantora e compositora apresenta pela primeira vez, em Curitiba, o seu primeiro trabalho solo, Sou Suspeita, Estou Sujeita, Não Sou Santa (2011). No Teatro Paiol, Anelis lança também o compacto Not Falling, um disco em vinil de 45 rotações com apenas a música inédita que dá titulo ao projeto, mixada por Victor Rice. Anelis sobe no palco acompanhada por uma superbanda formada por Zé Nigro (teclados), Cris Scabello (guitarra), Mau (baixo) Lelena Anhaia (guitarra e violão), Edy Trombone (trombone) e Lenis Rino (bateria).

“Com a sagacidade de quem canta na fluência das melhores conversas de botequim, a filha de Itamar Assumpção encontra o ponto certo do molho na mistura de uma descompromissada poesia com um balanço refogado na fervura do samba, do reggae, do hip hop e da chamada vanguarda paulistana – expressão essa, designada para identificar a inclassificável música de seu pai e comparsas como Arrigo Barnabé.” (Ramiro Zwetsch).

O projeto conta com o apoio cultural da Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura de Curitiba, Lumen FM, Serra Verde Express, BWT Operadora, Jacobina Restaurante, Cia do Impresso, Simetria Grafica e Meio Fio Cultural, Singélida Produções, Tubo Coletivo.

http://scubidu.bandcamp.com/album/sou-suspeita-estou-sujeita-n-o-sou-santahttp://scubidu.bandcamp.com/album/sou-suspeita-estou-sujeita-n-o-sou-santa

Radar - A nova música brasileira nos 40 anos do Teatro Paiol convida Anelis Assumpção
Data: dia 10 de maio (quinta-feira)
Onde: Teatro Paiol (Praça Guido Viaro, s/n – Prado Velho – tel: 3213 1340)
Horário: 21h
Ingressos: R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (estudantes, professores, idosos, doadores de 1Kg de alimento, doadores de Sangue e deficientes físicos).

O show Chicas na CAIXA Cultura


O show Chicas será realizado nos dias 18, 19 e 20 de maio, em substituição ao espetáculo Flutuações que foi adiado ainda sem data determinada.



A CAIXA Cultural apresenta o grupo Chicas, formado por Amora Pêra, Fernanda Gonzaga (filhas de Gonzaguinha), Paula Leal e Isadora Medella, com o show do último disco “Em Tempos de Crise Nasceu a Canção”. As artistas reúnem ecletismo com a dinâmica das vozes e dos diferentes instrumentos. O grupo conquistou o prêmio TIM de Melhor Grupo de MPB em 2007 e foi eleito pelo jornal O Globo como um dos dez melhores shows do ano (2007) concorrendo com Chico Buarque, The Police , Bjork,etc.

Local: CAIXA Cultural

Data: de 18 a 20 de maio

Horário: sexta e sábado 20h e domingo 19h

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (conforme legislação e correntista CAIXA)

Classificação etária: Livre para todos os públicos