sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Sarau da Ressaca - Sambas, Marchinhas, Choros e Jazz


O carnaval do CimplesÓcio mesmo no improviso acabou saindo nos tres dias programados - dois com muita chuva - que ocasionou pouco público e sobras de bebidas. Alguns dos músicos participantes - Saul Trumpet, Marlene Meira, Marquinho Filgueiras e Henrique Rodrigues, para ajudar no ressarcimento do prejuízo do espaço, toparam diminuir seus caches para montarmos uma roda de boa música entre 4 da tarde e 9 e meia da noite. Outros músicos serão convidados.
Portanto muita festa, folia e alegria com música de qualidade e ingresso musical acessível, mais promoção na comida e bebida.

A culinária do sabado a tarde será uma Vaca atolada.

Ingresso musical: R$ 10,00 e R$ 5,00 (estudantes, menores e maiores de 65 anos).

- Traje: Tricolor com tons alegres - muita cor.

+ informações: 41 3209 8802 / 8705-3560
visite e saiba mais http://cimples-ocio.blogspot.com/

O PIANO E A POESIA DE ZÉ MIGUEL WISNIK INVADEM A CAIXA CULTURAL





Apresentação do artista abre a temporada 2012 do projeto Solo Música

A CAIXA Cultural Curitiba recebe no próximo dia 28 o pianista, cantor, compositor, crítico e escritor Zé Miguel Wisnik, interpretando canções de seu mais recente trabalho, “Indivisível”. A apresentação abre a quarta temporada da Série Solo Música.

O álbum “Indivisível” traz parcerias com nomes como Chico Buarque, Jorge Mautner, Marcelo Jeneci, Guinga, Alice Ruiz, Luiz Tatit, Paulo Neves e Zé Tatit. A estreita relação com a poesia é característica do álbum, que conta com a leveza e a precisão do violão de Arthur Nestrovski. A faixa de abertura é uma versão de Nestrovski para a “Serenata” de Schubert. O álbum segue com obras escritas por Wisnik para teatro e balé, além de poemas musicados, como “Tenho dó das estrelas”, de Fernando Pessoa, e “Anoitecer”, de Carlos Drummond de Andrade.

Para o curador do projeto, Alvaro Collaço, “abrir a temporada com Zé Miguel Wisnik é um sonho. Mais que um belo show, ele traz em seu trabalho a força da canção brasileira”, afirma.

Zé Miguel Wisnik:

Graduado em Letras, mestre e doutor em Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo, Wisnik estudou piano clássico e se apresentou pela primeira vez como solista da Orquestra Municipal de São Paulo aos 17 anos.

O artista já lançou quatro discos: “José Miguel Wisnik” (2000), ”São Paulo Rio” (2002), com participação da cantora Elza Soares, “Pérolas aos Poucos” (2003) e “Indivisível” (2011).

Wisnik compõe também músicas para cinema (“Terra Estrangeira” de Walter Salles e Daniela Thomas), teatro (“Hamlet”, para o Teatro Oficina, e “Pentesiléias”, de Daniela Thomas) e dança. Fez três trilhas sonoras para o grupo Corpo, “Nazareth” (1995), “Parabelo” (1997), em parceria com Tom Zé, e “Onqotô”, com Caetano Veloso (2005).

Solo Música:

A série Solo Música pretende manter em 2012 a diversidade que a caracteriza. “Haverá recitais raros de música antiga, música indiana, jazz, música regional e de improvisação. Também vamos promover apresentações de instrumentos inéditos, como é o caso de viéle e da viela de roda”, conta Collaço

Programação 2012:

28/02 – Zé Miguel Wisnik – piano e voz

20/03 – Guilherme de Camargo - alaúde e outros instrumentos de cordas dedilhadas

24/04 – Marcelo Pretto - voz e corpo

29/05 – Cléa Galhano - flauta doce

26/06 – Rogério Gulin - viola brasileira

31/07 – Carmelo de Los Santos - violino

28/08 – Vivabiancaluna Biffi (Itália) – viel e voz

25/09 – Ratnabali (Índia) – voz e harmônio

23/10 – Marília Giller – piano e teclados

27/11 – André Abujamra – voz, guitarra e efeitos

11/12 – Germán Diaz – viela de rosa e caixinha de música

Serviço:

Música: Série Solo Música – Zé Miguel Wisnik (piano)

Local: CAIXA Cultural – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR)

Data: 28 de fevereiro de 2012 (terça-feira)

Hora: 20h

Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA)

Bilheteria: (41)2118-5111(de terça a sexta, das 12 às 19h, sábado e domingo, das 16 às 19h)

Classificação etária: Livre para todos os públicos

Lotação máxima: 125 lugares (02 para cadeirantes)

SHOW MESCLA ERUDITO E POPULAR NA CAIXA CULTURAL





Ganhador do Grammy Latino em 2011, o percussionista Naná Vasconcelos interage com o violoncelista Lui Coimba


A CAIXA Cultural apresenta o show “Naná Vasconcelos convida – Lui Coimbra”, de 01 a 04 de março. O consagrado percussionista apresenta-se em duo com o violoncelista carioca, numa formação pouco comum na música instrumental. O repertório – nada convencional – é marcado pela música afrobrasileira, com sons da Amazônia e canções regionais nordestinas. Com patrocínio da Caixa Econômica Federal, o espetáculo tem classificação indicativa livre.

Vencedor do Grammy Latino 2011, na categoria melhor álbum de música regional com a obra "Sinfonia e Batuques”, Naná realiza um trabalho particular, unindo a percussão ao som erudito do violoncelo de Lui Coimbra, que executa também rabeca, violão e contrabaixo. O duo viaja pelas possibilidades de interpretação e nuances propiciadas pela diversidade das cores musicais brasileiras. De Heitor Villa-Lobos com “O canto do cisne negro”, passando pelo regionalismo de Elomar, o duo celebra vários dos grandes da MPB e chega a temas do próprio Lui Coimbra – também cantor e compositor.

Naná Vasconcelos:
Nascido em Recife, Juvenal de Holanda Vasconcelos morou em Paris e Nova York, sempre divulgando a música brasileira. Nos anos 60 aprendeu a tocar praticamente todos os instrumentos de percussão – nesse período se especializou em berimbau.


Naná tocou com os maiores nomes do jazz mundial, entre eles B.B. King, Pat Metheny, Dom Cherry, Collin Walcott e Gato Barbieri, sendo considerado o melhor percussionista do mundo por oito vezes consecutivas pela revista americana Down Beat.



Fez trilhas para o cinema americano nos filmes “Down by Low” (Jim Jarmusch), “Procura-se Susan Desesperadamente” (Susan Seidelman) e “Amazonas” (Mika Kaurismäki). No Brasil, teve participações em álbuns de Milton Nascimento, Caetano Veloso e Marisa Monte, fez trilhas para espetáculos de dança e foi diretor artístico do panorama percussivo mundial (Percpan) junto com Gilberto Gil. Há dez anos Naná lidera a abertura oficial do carnaval do Recife, conduzindo seiscentos batuqueiros de dezessete nações de maracatu.


Lui Coimbra:
Além de tocar vários instrumentos de cordas, o carioca Lui Coimbra é um cantor e compositor. A carreira solo iniciou em 1997, com o lançamento do CD “Ouro e Sol”, resultado de parceria com vários amigos músicos. Fez também parte dos grupos Aquarela Carioca, Religare e da Orquestra Popular de Câmara. O artista traduz em seu trabalho a busca por uma MPB étnica, que absorva influências buscando sua universalidade, sem abrir mão de suas raízes bem aprofundadas no fértil solo brasileiro.

Serviço:
Show “Naná Vasconcelos convida: Lui Coimbra”
Local: CAIXA Cultural – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR)
Data: de 01 a 04 de março de 2012
Hora: quinta a sábado às 20h e domingo às 19h
Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA)
Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sexta-feira, das 12h às 20h, sábado, das 16h às 20h e domingo, das 16h às 19h).
Classificação etária: 12 anos
Lotação máxima: 125 lugares (02 para cadeirantes)

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

CAIXA Cultural mescla música e humor com Língua de Trapo






Original e irreverente, o grupo Língua de Trapo se apresenta em curta temporada



Mestre do humor musical, o grupo paulistano Língua de Trapo apresenta show na CAIXA Cultural Curitiba de 24 a 26 de fevereiro. No repertório, sucessos como "Concheta" e "Quem Ama Não Mata" a músicas mais recentes como “Pasquale” (uma autêntica tarantela italiana) e “Catai” (releitura de um antigo sucesso de Moacir Franco), além de outras inéditas. Com classificação indicativa 12 anos, o espetáculo tem patrocínio da Caixa Econômica Federal.

“Hilário”, “descontraído” e “inteligente” são adjetivos que podem definir o Língua de Trapo. Com mais de 30 anos de estrada, o grupo tem, em sua formação atual: Laert Sarrumor (voz solo), Sérgio Gama (voz, violão e guitarra), Marcelo Castilha (acordeon e teclado), Zé Miletto (teclados), Valmir Valentim (bateria), Cacá Lima (baixo e vocal), Marcos Arthur (percussão).

Herdeiro da iconoclastia dos grupos brasileiros Mutantes e Joelho de Porco, e do inglês Monty Pithon, o Língua de Trapo vai além e mistura teatralidade, letras inteligentes e críticas. No show, a banda passeia por vários estilos musicais e prova, na concepção do espetáculo, que é possível manter a qualidade e ainda ser absolutamente popular. O grupo marcou toda uma geração com sua irreverência e originalidade, influenciando artistas importantes do humor musical brasileiro.

História:
O Língua de Trapo surgiu em 1980, nos corredores de uma faculdade de comunicação social, em São Paulo. Um ano depois, participou do Projeto “Virada Paulista”, seu batismo nos palcos paulistanos. Em 1983, recebeu o prêmio Chiquinha Gonzaga de melhor banda independente e em 1984 o prêmio APCA, como melhor conjunto vocal.



Dentre os espetáculos se destacam “Obscenas Brasileiras” (1982), “Sem Indiretas” (1983), “Prejuízo Final” (1984), “Nova Retórica” (1985) e “Fim de Século” (1994). O grupo gravou seis álbuns e um compacto ao longo desses anos, e fez inúmeros shows por todo o país, em teatros, faculdades, casas de shows e outros espaços.



Serviço:
Música: Língua de Trapo
Local: CAIXA Cultural – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR)
Data: de 24 a 26 de fevereiro de 2012
Hora: sexta e sábado às 21h e domingo às 19h
Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA)
Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sexta-feira, das 12h às 19h, sábado e domingo, das 16h às 19h)
Classificação etária: Não recomendado para menores de 12 anos
Lotação máxima: 125 lugares (02 para cadeirantes)