terça-feira, 31 de maio de 2011

segunda-feira, 30 de maio de 2011

EVENTOS - Música -Paulo Freire, Rogério Gulin e Roberto Corrêa trazem a viola caipira


Paulo Freire, Rogério Gulin e Roberto Corrêa trazem a viola caipira para a CAIXA Cultural Curitiba



Três dos maiores instrumentistas do país participam do projeto “Violeiros do Brasil”





A CAIXA Cultural Curitiba apresenta, de 03 a 05 de junho, o projeto “Violeiros do Brasil”, que traz uma roda de violeiros inédita, formada por Paulo Freire, Rogério Gulin e Roberto Corrêa. Pela primeira vez em Curitiba, o projeto exalta a riqueza da viola e revela diferentes estilos do instrumento.



O projeto mostra a diversidade de composições e interpretações para a viola caipira, além da versatilidade com que cada violeiro o domina. Os músicos se apresentam apenas com as violas, em solos, duos e em um trio. Além disso, o uso de vídeo-cenários é marcante no espetáculo, com imagens de fragmentos do universo inspirador de cada violeiro, recriando o ambiente íntimo de cada um deles.



“Violeiros do Brasil” faz parte do projeto “Memória Brasileira”, criado em 1987 por Myriam Taubkin, com o objetivo de realizar mapeamento detalhado da música brasileira. O projeto pioneiro foi realizado em 1997, em um festival que reuniu os principais instrumentistas do país: Adelmo Arcoverde, Almir Sater, Braz da Viola, Ivan Vilela, Passoca, Paulo Freire, Pena Branca, Pereira da Viola, Roberto Correa, Tavinho Moura e Zé Mulato & Cassiano, Renato Andrade e Zé Coco do Riachão. A idéia era expressar a diversidade, a tradição e a modernidade da viola dentro da música brasileira.



Em 2008, Myriam lançou o livro e o DVD homônimos, sendo que este foi campeão de vendas da Livraria Cultura estando na lista dos 10 mais vendidos por meses. “Violeiros do Brasil” foi o primeiro grande encontro de artistas representativos do instrumento, de diferentes lugares do país. O show já foi para três cidades da Inglaterra e, no final deste ano, vai para o Europália, maior festival de cultura na Bélgica.



Violeiros



Paulo Freire



O paulistano Paulo Freire largou a faculdade de jornalismo e, em 1977, apaixonado pelo romance “Grande Sertão: Veredas”, de João Guimarães Rosa, foi morar em Minas Gerais, região do rio Urucuia. Lá, aprendeu a tocar viola com Manoel de Oliveira e outros mestres da região. Em 1995, realizou uma turnê de viola-solo pela Europa, se apresentando em festivais de World Music da Bélgica e Holanda. Recebeu diversos prêmios pelas trilhas e canções: “Escola de Peões” (Prêmio Wladimir Herzog de Direitos Humanos – 1993), “O Umbu” (Prêmio Febraban - 1994) “Bom Dia” (Prêmio SHARP - melhor disco do ano - 1994), “Rio Abaixo”, seu primeiro cd solo (Prêmio SHARP de Revelação Instrumental), entre outros. É integrante da Orquestra Popular de Câmera, que ganhou em 1998 o Prêmio Movimento – Melhor CD do ano. Entrou para o grupo ANIMA, e gravou o CD “Especiarias” (Prêmio Carlos Gomes, melhor grupo de câmera – 2000). Gravou uma versão da música Boi da Cara Preta para o selo americano Ellipsis Arts e recebeu em 2001 o Pêmio Silver Parents Choice – EUA. Um dos responsáveis pelo fato da viola estar ganhando as salas de concerto, Paulo Freire gravou com os violeiros Pereira da Viola, Passoca e Bráz da Viola e também participou da gravação de CDs dos artistas: Arnaldo Antunes, Mônica Salmaso, Luiz Tatit, Maurício Pereira, entre outros



Roberto Corrêa



Violeiro, compositor e pesquisador, Roberto Corrêa nasceu em 1957 em Campina Verde, Minas Gerais. Devido ao seu trabalho, a viola adquiriu o status de instrumento solista. Largou em 75 a carreira de físico e se formou em Música, dedicando-se à viola. Em 83, o músico começou a divulgar seu trabalho com a viola caipira e a viola de cocho. O primeiro livro de viola editado no Brasil e a gravação de discos solo e em parcerias com importantes nomes da música brasileira são de iniciativa dele. Apresentou seu trabalho em recitais e oficinas em países como Japão, China, Alemanha. Possui 15 álbuns e explora todas as possibilidades da viola com um virtuosismo técnico, transmitindo a própria alma do sertão brasileiro. Roberto introduziu o método da viola caipira no Brasil, além de colocar o instrumento no conservatório MPB, inserindo a viola na música instrumental.



Rogério Gulin



O instrumentista curitibano Rogério Gulin cursou violão clássico na Escola de Música Belas-Artes do Paraná. Iniciou os estudos de viola caipira como autodidata. O violeiro é conhecido por seu trabalho como artista solo e pela participação dos grupos Terra Sonora e Vila Quebrada.



Ficha Técnica



Violeiros: Roberto Corrêa, Paulo Freire e Rogério Gulin

Direção Artística Myriam Taubkin

Iluminação: Tema Fernades

Engenheiro de Som: Alberto Ranellucci

Vídeo Cenário: Luis Duva

Coordenação Geral e Direção de Produção: Gabriel Paiva

Duração: 90 minutos



Serviço



Música: Violeiros do Brasil - Paulo Freire, Rogério Gulin e Roberto Corrêa

Local: Teatro da CAIXA – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba/PR

Data: de 03 a 05 de junho

Hora: sexta e sábado 21h e domingo 19h

Ingressos: R$20 e R$10 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA)

Bilheteria: (41)2118-5111(de terça a sexta, das 12 às 19h, sábado e domingo, as 16 às 19h)

Classificação etária: Livre para todos os públicos

Lotação máxima: 125 lugares (02 para cadeirantes)

www.caixa.gov.br/caixacultural

Evento - FCC promove ciclo de leitura sobre o Tropicalismo


A Fundação Cultural de Curitiba promove a partir desta semana um ciclo especial de leitura sobre o Tropicalismo, um dos movimentos mais criativos e abrangentes da arte e da cultura brasileira no século 20. O ciclo “Tropicália – Leituras do Movimento”, sob a orientação da escritora Monica Berger, será realizado às terças-feiras, das 14h30 às 16h30, na Casa da Leitura Augusto Stresser (Parque São Lourenço), e às quartas-feiras, no mesmo horário, na Casa da Leitura Dario Vellozo (Praça Garibaldi, 7).

Num total de 20 encontros semanais, os participantes vão conhecer o panorama em que se deu o movimento, de acordo com a ordem cronológica dos acontecimentos que antecederam e sucederam à explosão do Tropicalismo no Brasil. Serão feitas leituras de textos críticos (reportagens e entrevistas) e teóricos (ensaios), de trechos de peças teatrais e das letras das canções. Também serão exibidos vídeos e filmes.

De acordo com Monica Berger é possível dividir o movimento em três fases, que se subdividem nas áreas artísticas que pontuaram sua expressão no teatro, na música, nas artes plásticas, nas artes gráficas e no cinema. Serão apresentados o pensamento filosófico, artístico e comportamental de seus principais expoentes, em contraste com o contexto político, social e econômico do país.

Especialista em Literatura e Linguística, Monica Berger é formada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná e pela Universidade Federal de Ouro Preto. Tem alguns de seus poemas publicados pela revista Coyote, nas revistas eletrônicas Germina Literatura e Zunái. Recentemente lançou seu livro O Devorador de Quimeras.



Serviço:

Ciclo Especial de Leitura – Tropicália: Leituras do Movimento

Mediadora: Monica Berger



Casa da Leitura Augusto Stresser – Centro de Criatividade de Curitiba (Rua Mateus Leme, 4.700)

Início: 31 de maio de 2011 – todas as terças-feiras, das 14h30 às 16h30 (20 encontros)

Informações: (41) 3254-6802



Casa da Leitura Dario Vellozo (Praça Garibaldi, 7 – Centro Histórico)

Início: 1º de junho de 2011 – todas as quartas-feiras, das 14h30 às 16h30 (20 encontros)

Informações: (41) 3321-3268



Faixa etária: jovens e adultos

Entrada franca

EVENTOS - Música - Sinamantes e a banda paraibana de Chico Ribeiro





O trio brasileiro-argentino Sinamantes e a banda paraibana Chico Ribeiro e Os Cabras de Mateus são atrações musicais gratuitas no próximo mês de junho no Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza (rua Floriano Peixoto, 941 - Centro - fone: (85) 3464.3108). O trio Sinamantes se apresentará no próximo dia 8, e Chico Ribeiro e os Cabras de Mateus no dia 9, ambos às 12 horas e 18 horas.

Nascido em meio ao escaldante verão paulistano de 2010, formado por dois brasileiros e uma argentina, o trio Sinamantes vem para estreitar os laços entre a música pop brasileira e a latino-americana. As diferentes bagagens de seus três integrantes realizam esta integração de maneira autêntica, visando a criatividade e a reflexão em torno das diferentes culturas do nosso continente e sua reverberação na música pop do cada país.

Natália Mallo (voz e cordas) e Mariá Portugal (voz e bateria) são fundadoras do Trash Pour 4, grupo conhecido pelas versões inusitadas de clássicos da música pop, com três discos lançados no Brasil e no exterior, e algumas turnês internacionais no currículo. Além disso, Natália encabeça o grupo de tango Gato Negro, enquanto Mariá Portugal acompanha Fernanda Takai em seu trabalho solo. Danilo Penteado (voz, cordas e piano) é multi-instrumentista, conhecido principalmente pelo seu trabalho no Quatro a Zero, grupo que realiza uma pesquisa inovadora sobre o choro.

Juntos lançaram o EP SINAMANTES, no qual interpretam músicas próprias e de outros autores. O grupo Sinamantes fez sua estreia em março numa turnê nos Estados Unidos, que incluiu o festival South by Southwest (SXSW), um dos maiores festivais de música global do mundo. Atualmente, preparam seu lançamento no Brasil e produzem seu segundo EP e uma turnê de lançamento na Europa, com shows confirmados em Lisboa (Lisbon Unplugged), Sevilha e Londres (Park Plaza).

Os Sinamantes também se apresentarão, no SESC Crato, no Cariri cearense, no próximo dia 10 (sexta-feira), às 20 horas. No CCBNB-Sousa, na Paraíba, farão duas apresentações: no dia 11 (sábado), às 21 horas, e no dia 12 (domingo), às 19h30. Os shows são gratuitos.



Repertório do Show:

01. Azar (Natalia Mallo / Danilo Penteado / Mariá Portugal)

02. Cenizas en tu piel (Natalia Mallo / Ana Paula Gomes)

03. Dios y yo (Natalia Mallo / Mariá Portugal)

04. The frog (Natalia Mallo)

05. Polite dance song (The bird and the bee)

06. Chorando se foi (Hermoza/Ferreira/Monteiro)

07. Díme lo (Natalia Mallo / Danilo Penteado / Mariá Portugal)

08. Déjalo ser (Natalia Mallo / Danilo Penteado / Mariá Portugal)

09. Procuro (Mariá Portugal)

10. Corazón Partío (Alejandro Sanz)

11. Hay que venir al sur (Gianni Boncompagni/ Escolar/ L. Gomez/ Ormi/ Pace)

12. Tolas Melodias (Cursis Melodias - Natalia Lafourcade)



Ficha Técnica:

Natalia Mallo: voz, vocais, violão, guitarra

Mariá Portugal: voz, vocais, bateria

Danilo Penteado: voz, vocais, baixo



Chico Ribeiro e os Cabras de Mateus

Apresentando uma nova face dos antigos trios pé de serra, ainda em voga em diversos rincões do Nordeste, Os Cabras de Mateus, criado em João Pessoa em meados de 2002, foi reformulado por Chico Ribeiro, que integrou o grupo onde divide composições e arranjos, acompanhado por sanfona, triângulo, zabumba e pandeiro.

O nome do grupo é uma referência ao bairro Alto do Mateus, João Pessoa-PB, também inspirado no "Mateus", personagem da cultura popular. Entre autorais e composições de outros nomes que muito bem divulgam o verdadeiro forró, o show é uma saudação às tradições, e reafirma o compromisso que esta música tem como arte popular e identidade quanto raiz de tudo que, no estilo, veio depois e modernizando-se, conservando a essência.

Em março de 2009, Chico Ribeiro e Os Cabras de Mateus gravaram seu primeiro CD intitulado "Porteira Aberta", com a participação de Biliu de Campina, Antônio Barros e Cecéu, Adeildo Vieira, Jaqueline Alves e Gláucia Lima.

O grupo também se apresentará no CCBNB-Sousa, na Paraíba, no próximo dia 7 (terça-feira), às 19h30. O show é gratuito.



Programa

1. Por Amor Ao Forró (Pinto Do Acordeom)

2. Mistura De Raças (Pinto Do Acordeom)

3. Melhor Que O Forró É O Amor (Kennedy Costa)

4. Proposta De Paz (Chico Ribeiro)

5. Passarinho Cantor (Antonio Barros / Cecéu)

6. Quanto Mais Quente Melhor (Joca Do Acordeom / Zé Da Ema)

7. Numa Sala De Reboco (Luiz Gonzaga / Zé Marcolino)

8. Dois Apenas Um (Livardo Alves / Junior Targino)

9. Gozo Da Mente (Marcos Maia / Bebe De Natercio)

10. Porteira Aberta (Junior Targino)

11. Minha Viola (Junior Targino)

12. Vem Viver Essa Paixão (Pinto Do Acordeom)

13. Tô Querendo Teu Chamego (Kennedy Costa /Pádua Belmont)

14. Vitória (Chico Ribeiro)

15. Roseiral (Fernando Mouro)

16. Vida Boa Aperriada (Pinto Do Acordeom)

17. Abra O Olho (Chico Ribeiro)



Ficha Técnica

Voz e Triângulo - Chico Ribeiro

Acordeom - José Joabe Dantas

Contrabaixo - Kleber

Percussão - Gabriel Soprino Silva

EVENTOS - Música - O Empresário estreia temporada 2011 do Programa Ópera Ilustrada







Esta ópera cômica se passa no escritório do Empresário Franco, que depois de fazer cabala e numerologia, transforma-se no poderoso Sr. Frank. É quando ele conhece Antenor, um riquíssimo investidor que decide fazer uma proposta irrecusável: montar a maior ópera de todos os tempos.



Entretanto, sua entourage não é, digamos assim, tão fenomenal. Na verdade, ele e a otimista Senhorita Kling, sua assessora para assuntos de business, vivem as maiores agruras para gerenciar sua problemática trupe de artistas, especialmente Madame Herz e Mademoiselle da Silvah.



Madame Herz é uma cantora experiente, reconhecida por sua bela voz e pelo terrível temperamento. Já a impetuosa Mademoiselle da Silvah, está recém chegada dos Estados Unidos, onde estudou canto lírico. Não precisa dizer que este duelo entre as prima-donnas irá durar algumas árias como a fervorosa Rainha da Noite, da “A Flauta Mágica” de Mozart.



Qualquer semelhança com a vida real, não é mera coincidência. Os textos originais são pertinentes aos costumes do século XVIII (época de ouro dos vaudevilles), e por isso, raramente são gravados ou apresentados, ficando aos novos produtores a incumbência de traduzir este gênero tragicômico para o século XXI.



Para a coodernadora geral Cristine Marquardt “o desafio desta ópera foi justamente propor uma leitura interessante e atual, de maneira que as pessoas compreendam a história, as nuances musicais e teatrais. Temos certeza que o público irá se divertir“.



Este projeto é uma produção do Observatório das Artes e tem o apoio da Prefeitura Municipal de Curitiba, Fundação Cultural de Curitiba e Fundo Municipal de Cultura - Programa de Apoio e Incetivo à Cultura.



História

O Empresário é uma pequena ópera de Mozart, que foi composta para um concurso em Viena, em fevereiro de 1776. Entretanto, a vencedora foi “Prima la musica e poi le parole” de Antonio Salieri, famoso rival de Mozart no filme “Amadeus” (vencedor de 8 estatuetas do Oscar 1985).



Elenco

Direção artística e musical: maestro Alessandro Sangiorgi (Itália)

Direção cênica e adaptação de texto: José Brazil

Coordenação geral: Cristine Marquardt

Sr. Frank: Maurício Vogue (ator)

Senhorita Kling: Rosana Stavis (atriz e cantora)

Madame Herz: Carla Domingues (soprano)

Mademoiselle da Silvah: Anna Spadonni (soprano)

Antenor: Cleyton Pulzi (tenor)

Luís Bufonne: Marcelo Dias (barítono)

Músicos: Alexandre Brasolim (violino), Juliane Weingartner (violino), Leila Taschek (viola), Samuel Pessatti (violoncelo), Maria Helena Salomão (contrabaixo), Paulo Barreto (oboé), Fabrício Ribeiro (flauta), André Erhlich (clarinete), Jamil Bark (fagote), Edivaldo Chiquini (trompa), Marco Xavier (trompete) e Marcio Szulack (percussão)

Adaptação musical: Alexandre Brasolim



Serviço:
Opera Ilustrada - O Empresário
Compositor: W. A. Mozart

Data: 3, 4 e 5 de junho de 2011
Horário: 20h
Local: Capela Santa Maria - Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 I 3321-2840 I Curitiba-PR)
Ingresso: R$15 ou R$7,50 (1kg de alimento não perecível) e no dia 5 (entrada gratuita).

quarta-feira, 25 de maio de 2011

EVENTOS - Música - degustação de Bach


clique para ampliar

EVENTOS - Música - Violonista Javier Patino se apresenta no projeto Guitarríssimo



Violonista Javier Patino se apresenta no projeto Guitarríssimo



Concerto de guitarra flamenca ocorre na terça-feira, 31 de maio, no Salão de Atos do Instituto Cervantes





O violonista Javier Patino, um dos grandes nomes da guitarra flamenca do mundo, se apresenta na terça-feira, 31 de maio, às 20h, no projeto Guitarríssimo, que ocorre no Salão de Atos do Instituto Cervantes — órgão oficial do Governo da Espanha e referência na difusão da cultura e do idioma espanhol —, localizado à Pç. Milton Campos, nº 16 – Serra. Patino comandará um quarteto formado pelo violinista Aléxis Lefevre, o contrabaixista Pablo Martín e o percursionista convidado Tino di Geraldo. Os ingressos custam R$ 10. Outras informações pelo telefone (31) 3789-1600 ou pelo e-mail rec1belo@cervantes.es.



A obra de Javier Patino, nascido em Jerez, na Espanha, reflete suas vivências e inquietudes. Cada nota tem uma marca de sua infância, de sua família, de experiências e sentimentos vividos. Foi iniciado na guitarra flamenca pelos maestros José Luis Balao e Manuel Lozano “El Carbonero”. Completou sua formação com Manolo Sanlúcar e Gerardo Núñez. Viajou pelo mundo com artistas como Joaquín Grilo, Carmen Cortés, Beatriz Martín, Manuela Carrasco, entre outros. Trabalhou com os cantores José Mercé, Esperanza Fernández e Segundo Falcón.



Patino selou uma estreita colaboração artística com o dançarino de flamenco sevilhano Javier Barón, como compositor, intérprete e diretor musical de espetáculos como “Dime”, “Notas al pie”, “Baile de hierro, baile de bronce o Meridiana”. Compôs e dirigiu musicalmente “A fuego lento” dos dançarinos de flamenco Andrés Peña e Pilar Ogalla. Media Vida, seu primeiro disco, será lançado ainda neste ano.



Guitarríssimo



O projeto Guitarríssimo, tradicional série de concertos de música espanhola, é promovido periodicamente em todos os centros do Instituto Cervantes do mundo. O objetivo é apresentar renomados violonistas de origem hispânica e disseminar a cultura da guitarra flamenca, demonstrando as origens e diferentes estilos de execução do violão.



Instituto Cervantes



O Instituto Cervantes, órgão oficial do Governo da Espanha e referência mundial na difusão da cultura hispânica, está presente em Belo Horizonte desde 2009. Em suas 79 sedes ao redor do mundo, nove apenas no Brasil, o Cervantes reúne mais de 120 mil alunos nos cursos de espanhol, além de promover atividades que divulgam a cultura dos países de língua espanhola. A sede em Belo Horizonte está localizada na Praça Milton Campos, 16, no bairro Serra.



Serviço

Guitarríssimo - Concerto de flamenco com Javier Patino

Data: Terça-feira, 31 de maio

Horário: 20h

Local: Salão de Atos do Instituto Cervantes – Pç. Milton Campos, nº 16 – Serra.

Ingressos: R$ 10, à venda na sede do Instituto Cervantes até duas horas antes da apresentação.

Informações: (31) 3789-1600 | rec1belo@cervantes.es

segunda-feira, 2 de maio de 2011

EVENTOS - Música - Sá e Guarabyra






O show “A Dois” traz novas canções da dupla, além dos grandes sucessos




O Teatro da CAIXA recebe, de 6 a 8 de maio, Sá e Guarabyra, dois consagrados músicos da MPB. A dupla apresenta o show “A Dois”, um resumo dos seus grandes sucessos, além de algumas novas canções, pinçadas entre as quase duzentas composições gravadas.



Sá e Guarabyra se conheceram numa reunião na casa do letrista e poeta Nelson Lins de Barros, em 1966. De imediato ficaram amigos, mas a parceria só se solidificou quando Sá, após o término do primeiro casamento em 1970, foi hospedado por Guarabyra. Era lá que aconteciam os ensaios de Sá e Zé Rodrix, que na época formavam uma dupla. Não demorou muito para que anfitrião se juntasse a dupla e, o então trio, gravasse o primeiro disco na Odeon, apadrinhados pelo crítico musical Júlio Hungria e produzidos por Mariozinho Rocha. O trio durou três anos e dois discos de sucesso, com a execução maciça de hits como “Hoje Ainda é Dia de Rock”, “Mestre Jonas“ e “Primeira Canção da Estrada”. Com a saída de Zé Rodrix para uma carreira solo, em 1974, começou a trajetória da dupla remanescente, que emplacou sucessos como “Espanhola”, “Sobradinho”, “Caçador de Mim”, “Dona”, “Verdades e Mentiras”, “Roque Santeiro” e “Estrela Natureza”.



Vinte e seis anos, doze CDs de músicas inéditas e dezenas de compilações e relançamentos depois, por ocasião de sua apresentação no “Rock In Rio III”, em 2001, a dupla convidou o parceiro Rodrix para reintegrar o trio. Com o sucesso da apresentação, eles lançaram “Outra Vez na Estrada”, CD e DVD gravados ao vivo pela Som Livre, ambos até hoje em catálogo.



O trio seguiu na estrada por mais oito anos, fazendo centenas de shows, até o súbito falecimento de Zé Rodrix, em maio de 2009. Sá e Guarabyra voltaram à estrada lançando o CD “Amanhã” – último trabalho do falecido parceiro com eles. A continuidade do trabalho é a melhor homenagem que eles poderiam prestar ao amigo Zé Rodrix.



Serviço Música: Sá e Guarabyra no show “A Dois” Local: Teatro da CAIXA – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba/PR Data: de 06 a 08 de maio Hora: sexta e sábado 21h e domingo 19h Ingressos: R$20 e R$10 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA) Bilheteria: (41)2118-5111(de terça a sexta, das 12 às 19h, sábado e domingo, as 16 às 19h) Classificação etária: Livre para todos os públicos Lotação máxima: 125 lugares (02 para cadeirantes) www.caixa.gov.br/caixacultural

Evento - Rogério Gulin e o filho Victor tocam juntos no Paiol


Rogério Gulin e o filho Victor

tocam juntos no Paiol



O violeiro Rogério Gulin abre a temporada do programa Terça Brasileira, da Fundação Cultural de Curitiba, com show nesta terça-feira (3), às 20h, no Teatro do Paiol. Conhecido pelo seu trabalho com a viola caipira, seja como artista solo ou como integrante dos grupos Terra Sonora e Vila Quebrada, Rogério Gulin convida desta vez para acompanhá-lo no palco o seu filho Victor Gulin, de 13 anos.

Victor vem desde os 9 anos estudando e executando temas instrumentais dos grandes autores da viola contemporânea brasileira, como Roberto Correa, Pereira da Viola, Ivan Vilela e o próprio Rogério Gulin. Neste programa, Rogério Gulin abre o show com três números solo, e depois se junta a Victor para tocar em duo. Outro convidado é o flautista Giampiero Pilatti, que se apresenta com a dupla ao final do espetáculo.

Com este show, o Terça Brasileira inicia sua nova temporada, com uma programação de onze novos espetáculos a serem apresentados ao longo do ano. Criado em 1997, o programa visa divulgar a produção musical, tanto de músicos profissionais, professores e alunos do Conservatório de MPB, como de artistas convidados. Os shows acontecem nas noites de terça-feira, no Teatro do Paiol, e abordam os diversos gêneros e tendências musicais presentes na história da Música Popular Brasileira, como modinhas, regional de choro, bossa nova, jovem guarda, tropicália, música de raiz, grupos de samba, grupos de jazz e big bands.



Serviço:

Terça Brasileira – Show de Rogério e Victor Gulin

Local: Teatro do Paiol – Praça Guido Viaro, s/n

Data: 3 de maio de 2011 (terça-feira), às 20h

Ingressos: R$ 15 e 7,50

Evento - AVENIDA INDEPENDÊNCIA 161


Clique para ampliar

AVENIDA INDEPENDÊNCIA 161 - trilha sonora para coisasirreversíveis

Teatro Novelas Curitibanas_ De 28 de abril a 29 de maio - De quinta a domingo às 20h

ENTRADA FRANCA

Texto, vídeos, sonoplastia e Direção_Paulo Biscaia Filho

com Karla Fragoso, Ludmila Nascarella, Kassandra Speltri e Fabiano Amorim

Cenário_Paulo Vinícius

Iluminação_Wagner Corrêa

Figurino e adereços_Karla Fragoso e Fran Ferreira

Produção_Marcio Tesserolli

Design Gráfico_Maria Andrade

Ilustração_André Azevedo

Fotografia_Janete Anderman

Duas irmãs: uma hipocondríacaviciada em jogo e uma eterna adolescente com espírito revolucionário. Doisamantes: uma garota que fugiu de casa aos 14 anos e um guerrilheiro anarquistaapaixonado por seus ideais. Estes quatro personagens tem como ponto em comum oendereço da Avenida independência 161. Suas histórias serão mostradas em umanarrativa não linear entre canções e trilhas que fazem parte de suas vidas.

Evento - VI FESTIVAL BNB DA MÚSICA INSTRUMENTAL



VI FESTIVAL BNB DA MÚSICA INSTRUMENTAL

De 17 a 28 de maio



Em sua sexta edição, o Festival BNB da Música Instrumental mantém sua identidade de promover a diversidade musical, estimulando a fruição e conhecimento à produção instrumental.

Embora a produção nordestina seja destaque, a programação do VI Festival BNB da Música Instrumental traz representantes de três regiões do Brasil e até da América do Sul. Os três CCBNBs (Fortaleza e Cariri, no Ceará; e Sousa, na Paraíba) receberão juntos 21 formações instrumentais oriundas de onze estados (Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Alagoas, Maranhão, Sergipe, Bahia e Piauí, da região Nordeste; Distrito Federal, Centro-Oeste; e São Paulo, do Sudeste). Além destes teremos participação de músicos argentinos, representado pelo grupo instrumental feminino Las Rositas Tango Trio.

Dezenas de músicos com diferentes trajetórias, influências e propostas estéticas, além de uma variedade de sonoridades que serão apresentadas durante os 12 dias de realização do evento. É assim que esperamos que mais uma vez o festival contribua para o fortalecimento dessa celebração musical, tendo você como nosso convidado especial.


CENTRO CULTURAL BANCO DO NORDESTE - FORTALEZA

Rua Floriano Peixoto, 941 - Centro - Fortaleza - Ceará - CEP: 60025-130

Fone (85) 3464.3108 - Fax (85) 3464.3177



CENTRO CULTURAL BANCO DO NORDESTE - CARIRI
Rua São Pedro, 337 - Centro - Juazeiro do Norte - Ceará - CEP: 63010-010
Fone (88) 3512.2855 - Fax (88) 3511.4582



CENTRO CULTURAL BANCO DO NORDESTE - SOUSA
Rua Cel. José Gomes de Sá, 07 - Centro - Sousa - Paraíba - CEP: 58800-050
Fone (83) 3522.2980 - Fax (83) 3522.2926