segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Yamandú Costa & Renato Borghettti se apresentam em Curitiba




A CAIXA Cultural traz para Curitiba o novo show de Yamandu Costa & Renato Borghetti, para única apresentação nesta sexta-feira, dia 22, no teatro do SESI-CIETEP. O espetáculo, que estreou em Brasília no começo deste ano, e agora circula por diversas capitais brasileiras, apresenta o encontro insólito do violão de sete cordas de Yamandú, com a gaita ponto de Borghettinho. Amigos e parceiros de longa data, os dois gaúchos instrumentistas são donos de uma presença de palco e energia impressionantes. Yamandú e Renato Borghetti são dois mestres que trabalham a dinâmica de seu espetáculo com rara habilidade. No show, momentos de vigor e intensidade se alternam toques de puro lirismo e sensibilidade.

Com um programa que na sua maioria é definido em rodas de mate ou fruto de noitadas musicais, o espetáculo reúne temas clássicos, músicas gaúchas e de fronteira, costuradas com levadas de choro em releituras inéditas. Os improvisos desconcertantes dos dois músicos desfilam perante a platéia, executados com harmonia e virtuosismo, mas com a naturalidade somente reservada aos grandes artistas.

Daniel Sá, violonista, maestro e arranjador, divide o palco e empresta seu talento e apoio à dupla de solistas, como convidado especialíssimo da noite.

Yamandú Costa

Fenômeno no violão, suas interpretações performáticas conseguem remodelar cada música e revelam uma profunda intimidade com o instrumento. Tanto o violonista quanto o compositor não se enquadram em nenhuma corrente musical – toca choro, bossa nova, milongas, tangos, zambas e chamamés. Realiza com maestria uma mistura de estilos e cria interpretações de rara personalidade no seu violão de sete cordas.

Renato Borghetti

A música gaúcha foi sua primeira forma de expressão musical, logo acrescida de maior sofisticação e algumas pitadas de jazz e erudito. O primeiro álbum, gravado em 1984, ganhou o primeiro disco de ouro da história da música instrumental brasileira. Com um estilo único e a gaita ponto, Renato tem realizado diferentes leituras de obras da música regionalista do Rio Grande do Sul, agregando influências de outros estilos brasileiros e internacionais.

Serviço:

Show “Yamandú Costa & Renato Borghetti”

Data: 22/10, sexta-feira

Horário: 20h30 horas

Local: Teatro SESI-CIETEP - Auditório Mário de Mari (Av. Comendador Franco, 1341 – Jardim Botânico)

Ingressos: R$ 30,00 e R$ 15,00 (à venda nos quiosques do Disk Ingressos, nos shoppings Mueller, Estação e Total e pelo fone 3315-0808)

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Espetáculo une Coro da Camerata e grupo alemão





A Capela Santa Maria será palco para o concerto conjunto do Coro da Camerata Antiqua e Coro Carmina Mundi, neste fim de semana.



A Capela Santa Maria sedia neste fim de semana um concerto que une o Coro da Camerata Antiqua de Curitiba e o grupo alemão Carmina Mundi, dentro da temporada 2010 patrocinada pela Volvo. O espetáculo, que permite a troca de experiências entre os coros, também evidencia a importância do canto coral para a integração cultural. A regência estará a cargo de Helma Haller e Harald Nickoll (Alemanha) e o repertório tem obras de compositores brasileiros, além de representantes da Suíça, Estônia, Alemanha, França e Estados Unidos. O ensaio geral aberto ao público será realizado às 20h de sexta-feira (15), e, às 18h30 de sábado (16), acontece a apresentação final.

O programa será dividido em três partes, começando pela interpretação do Coro da Camerata, sob a regência de Helma Haller, de obras dos brasileiros José Maurício Nunes Garcia (1767-1830) e Chico Buarque de Hollanda (1944) e do suíço Ernst Widmer (1927-1990). Na sequência, o Coro Carmina Mundi, comandado por Harald Nickoll, apresenta composições de Urmas Sisask (1960), da Estônia, dos alemães Johannes Brahms (1833-1897) e Fanny Mendelssohn Hensel (1805-1847), do francês Adam de La Hale (1237 – 1285) e do norte-americano Eric Whitacre (1970).

Para encerrar, Helma Haller e Harald Nickoll dirigem os dois grupos na execução de peças dos compositores alemães Johannes Brahms (1833 – 1897) e Johann Sebastian Bach (1685 – 1750). Na útima música do concerto, os coros interpretam Oração pela Paz, numa homenagem ao compositor Henrique de Curitiba (1934 – 2008).

A oportunidade da apresentação conjunta destes dois importantes grupos musicais é comemorada pelo maestro Wagner Polistchuk, diretor artístico da Camerata Antiqua de Curitiba: “O Grupo Carmina Mundi viaja ao Brasil sob os auspícios do Instituto Goethe de Curitiba, que tem nos acompanhado em vários e importantes projetos, reforçando nossos ânimos e contribuindo para as oportunidades de interação e troca de experiências entre os coros”.

Fundado em 1983, em Aachen (Alemanha), por Harald Nickoll, o Coro Carmina Mundi conta com 40 cantores concentrados em um som equilibrado e com afinação perfeita. O repertório do grupo inclui música coral religiosa e antiga, originária de vários países, culturas e épocas. Vencedor de importantes prêmios, o grupo coleciona turnês em diversos países, além de apresentações em televisões e rádios, e já gravou dez CDs.

O reconhecimento internacional do Coro Carmina Mundi deve-se muito ao seu fundador e regente, Harald Nickoll. Além de comandar o grupo, o maestro também dirige o coro "Collegium Byzantinum”, de Aachen, e, desde 1991, é diretor da escola de música juvenil Rhein-Kreis Neuss. Como palestrante e professor, recebe regularmente convites na área de regência coral, educação vocal e afinação. Há muitos anos, Harald Nickoll estuda os fenômenos do som e da oscilação, tais como capacidade sonora, densidade do som, timbres e emissão.



Serviço:

Concerto conjunto do Coro da Camerata Antiqua de Curitiba e Carmina Mundi (Alemanha), sob a regência de Helma Haller e Harald Nickoll (Alemanha), dentro da temporada 2010 de espetáculos patrocinada pela Volvo.

Local: Capela Santa Maria – Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro)

Datas e horários: dia 15 de outubro (sexta-feira), às 20h, ensaio aberto ao público. No dia 16 de outubro de 2010 (sábado), apresentação às 18h30, com ingressos a R$ 10 ou R$ 5 mais um quilo de alimento não perecível e R$ 5 (integrantes do Clube do Assinante Gazeta do Povo) – promoção não cumulativa.

Leia em *

Espetáculo “O Som dos Meninos Quietos” une a literatura e a música









A CAIXA Cultural Curitiba apresenta o espetáculo lítero musical “O Som dos Meninos Quietos”, de 15 a 17 de outubro. O projeto foi idealizado pela artista plástica Selma Maria e pelo músico Jean Garfunkel e tem a participação dos músicos Joana Garfunkel, João Paulo Amaral e Sérgio Bello. A canção popular, a contação de histórias e a infância sertaneja são os atalhos para percorrer as veredas literárias de João Guimarães Rosa.



“O Som dos Meninos Quietos” funde música e literatura, focando a infância criativa da criança sertaneja, que inventa os próprios brinquedos e usa e abusa da imaginação. Selma Maria resgata esse jeito de brincar, pois a criança do sertão, distante dos grandes centros, desenvolve uma capacidade de improvisação e criatividade raras na infância urbana. O espetáculo coloca o menino e a menina no papel de protagonistas de suas próprias brincadeiras.



A pesquisa literária sobre a infância na obra de Guimarães Rosa foi a inspiração para a criação de “O Som dos Meninos Quietos”, cujo nome se origina da declaração do escritor: “Ainda hei de escrever um pequeno tratado de brinquedos para meninos Quietos”. O show desmistifica a figura de Guimarães Rosa, mostrando-o como o menino do sertão: quieto, imaginativo, inventor de histórias e de brinquedos.



As canções e textos originais, que complementam o clima de brincadeira, ilustram de maneira poética e divertida a aventura cotidiana da criança do sertão em seu eterno brinquedo de imaginar.



Guimarães Rosa - João Guimarães Rosa nasceu em 1908, em Minas Gerais. Médico, diplomata e escritor, Guimarães Rosa é um divisor de águas na linguagem da literatura brasileira. O autor modernizou a ficção do regionalismo brasileiro pelo trato dado à língua, voltado especialmente para o sertão. A linguagem é extremamente valorizada nas suas obras, pois representa a “fala do povo”, que unida à sua erudição o permitiu brincar e recriar a língua portuguesa. A inovação lingüística pode ser apreciada em diversas obras do autor. “Sagarana” (1946) introduziu a prosa inventada misturando as heranças europeias e indígenas. “Corpo de Baile”, composto de sete novelas, é de 1956. Inicialmente “Grande Sertão: Veredas” seria uma das novelas de “Corpo de Baile”, no entanto, tomou tal proporção que se tornou uma obra singular e das mais importantes na língua portuguesa. “Grande Sertão: Veredas” conta a história de um sertanejo em suas andanças pelo sertão brasileiro. “Primeiras Estórias”, de 1962, traz 21 narrativas que tratam dos segredos da existência humana. Guimarães Rosa faleceu em 1967, deixando obras em vida e póstumas.



Selma Maria - Artista plástica e arte–educadora, Selma Maria pesquisa há mais de cinco anos os brinquedos e brincadeiras da infância sertaneja, tão presentes na obra de Guimarães Rosa. A pesquisa resultou no livro “Um Pequeno Tratado de Brinquedos para Meninos Quietos”.



Jean Garfunkel - Cantor, compositor e publicitário. Tem quatro discos lançados em dupla com seu irmão Paulo Garfunkel, e músicas gravadas por vozes importantes da MPB. Jean integra o grupo de estudos sobre a obra de Guimarães Rosa do Instituto de Estudos Brasileiros da USP, que detém o acervo do autor. Como letrista trabalhou com parceiros ilustres como: Léa Freire, Sizão Machado, Mozart Terra, maestro Moacyr Santos, maestro Júlio Medáglia e o violonista Yamandú Costa. Suas músicas em parceria com seu irmão Paulo foram gravadas por vozes importantes da nossa MPB , tais como: Elis Regina (“Calcanhar de Aquíles”), Maria Rita (“Não Vale a Pena”), Margareth Menezes (“Desabalada”), Renato Braz (CD “Por toda a vida”, com 12 músicas, todas da dupla), Pena Branca e Xavantinho (“Mazzaropi”).


Ficha Técnica


Concepção: Selma Maria e Jean Garfunkel

Composições: Jean e Paulo Garfunkel

Textos e adaptações: Selma Maria

Músicos: Jean Garfunkel, Joana Garfunkel, João Paulo Amaral e Sérgio Bello



Serviço



Música: O Som dos Meninos Quietos

Local: Teatro da CAIXA – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba/PR

Data: De 15 a 17 de outubro

Horário: sexta 19h e sábado e domingo 17h

Bilheteria: (41) 2118-5111 (de quarta a sexta das 12 às 19h, sábado e domingo das 16 às 19h)

Ingressos: R$10 e R$5 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA) e 20% de desconto para o Clube do Assinante Gazeta do Povo

Classificação etária: Livre para todos os públicos

www.caixa.gov.br/caixacultural