quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Pianista espanhola Cristina Lucio-Villegas



Pianista espanhola Cristina Lucio-Villegas realiza apresentação gratuita em BH



No dia 15 de outubro, sexta-feira, o Instituto Cervantes de Belo Horizonte, órgão oficial do Governo da Espanha e referência mundial na difusão da cultura hispânica, traz à capital mineira a pianista espanhola Cristina Lucio-Villegas. O recital de música espanhola será realizado na sede da Fundação de Educação Artística, às 20h30, com entrada franca. Considerada um dos grandes nomes da música internacional, ela também irá se apresentar em Curitiba, Recife e Rio de Janeiro.





Cristina Lucio-Villegas

Cristina Lucio-Villegas obteve em 2003 os títulos de professora superior de piano e professora superior de música de câmara pelo Real Conservatório Superior de Música de Madri. Em 2008, ela conseguiu o título de mestre em piano pela Academia Sibelius de Helsinki, na Finlândia, com nota máxima. Ela já atuou como solista, em grupos de câmara e como pianista de lied em Espanha, Alemanha, Finlândia, Franca, Itália e outros países europeus, bem como a Indonésia.

Tem paixão pela música de câmara e um grande interesse pelas músicas sinfônica e contemporânea, áreas em que obteve grande experiência, já que foi pianista titular da Jovem Orquestra Nacional de Espanha (JONDE), e colaborou com outros grupos profissionais de prestígio. Atualmente, Cristina estuda música na Chapelle Musicale Reine Elisabeth de Waterloo (Bélgica) e desenvolve seu trabalho docente no Conservatório Profissional de Música Adolfo Salazar de Madri.


Programa

A. Soler (1729-1783): Sonata em modo dórico

D. Scarlatti (1685-1757): Sonata en sol mayor

M. de Falla (1876-1946): Quatro peças espanholas

- Aragonesa

- Cubana

- Montañesa

- Andaluza

J. L. Turina (1952- ): Scherzo para piano

I. Albéniz (1860-1909)

- El Corpus Christi en Sevilla (Iberia)

- Granada (Suite española)

- Triana (Iberia)

- Málaga (Iberia)

Duração aproximada: 55 minutos





Serviço:

Evento: Recital de música espanhola com Cristina Lucio-Villegas

Data: 15 de outubro, sexta-feira.

Horário: 20h30

Local: Auditório da Fundação de Educação Artística

(Rua Gonçalves Dias, 320 – Funcionários)

Informações e Reservas: (31) 3789-1600 / rec1belo@cervantes.es

Entrada Franca. Vagas limitadas

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Grupo Molungo abre temporada do Música nos Parques







A quinta edição do programa “Música nos Parques”, com espetáculos selecionados por meio de edital do Fundo Municipal da Cultura, estreia neste domingo (26), no Parque Barigüi.



O Parque Barigüi abriga, às 15h30 deste domingo (26), a estreia da quinta edição do programa Música nos Parques, com espetáculo do Grupo Molungo. O programa desenvolvido pela Fundação Cultural de Curitiba, que desde 2006 transforma em palco os parques da cidade, tem as atrações selecionadas por meio de edital do Fundo Municipal da Cultura. A entrada é franca.

A temporada do Música nos Parques, prossegue até o dia 1º de maio de 2011, proporcionando lazer e diversão para milhares de curitibanos. Os 13 shows selecionados terão 26 apresentações em 21 parques e praças, contemplando os diversos estilos e tendências musicais. A programação gratuita, sempre aos domingos, valoriza os artistas locais e é um dos destaques da agenda cultural dos finais de semana.

Na abertura do Música nos Parques 2010 / 2011, o Grupo Molungo mostra a diversidade cultural do Brasil com um repertório que reúne samba, coco, maracatu, samba funk, xote e afoxé. A pesquisa musical do grupo mescla ritmos brasileiros de raiz à música instrumental, com elementos da música erudita. Formado por Gui Handa, Iria Braga, Caio Guimarães, Luis Piazzetta, Cauê Menandro e Carlito Birolli, o Molungo conta com violões, contrabaixo elétrico, vocais e uma gama variada de percussões, sendo que os músicos se revezam nos instrumentos e nas vozes.

O grupo, que surgiu há três anos, é apontado como revelação no cenário musical da cidade, dedicando-se à produção de suas próprias composições. As letras destacam as belezas do Brasil, mas também falam de sentimentos como amor, saudade e tristeza, além de abordar assuntos atuais para estruturar uma crítica social. Na trajetória do grupo constam participações frequentes em mostras e festivais, conquistando um público numeroso.

O Molungo lançou de maneira independente, em 2009, seu primeiro CD, com o mesmo nome do grupo. O trabalho, que explora os ritmos da música afro-brasileira, tem participações especiais de André Abujamra (Karnac / Os Mulheres Negras), Sérgio Coelho (trombone), Leandro Teixeira (percussão), Odacir Mazzarolo (guitarra e craviola), Marcelo Oliveira (clarinete) e Cláudio Menandro (rabeca, cavaquinho, viola caipira e violões).



Serviço:

Música nos Parques 2010/2011

Show do Grupo Molungo

Local: Parque Barigüi

Data e horário: 26 de setembro de 2010 (domingo), às 15h30

Entrada franca

Orquestra À Base de Sopro e Nelson Ayres em show no MON








Neste fim de semana, o grupo curitibano une sua inventiva linguagem musical à versatilidade de um dos mais importantes nomes da música brasileira.



Com um repertório de composições retiradas do célebre vinil “Mantiqueira”, o pianista compositor, arranjador e maestro Nelson Ayres soma seu talento e experiência à inventiva linguagem musical da Orquestra À Base de Sopro, em um espetáculo imperdível. As apresentações, inseridas na temporada 2010 patrocinada pelo Ourocard Banco do Brasil, acontecem no Teatro do MON (Museu Oscar Niemeyer), às 20h de sábado (25) e às 19h de domingo (26). A entrada é franca.

O show revela o amadurecimento da Orquestra À Base de Sopro, que desenvolve um trabalho voltado à elaboração de composições e à transformação de obras conhecidas por meio de arranjos peculiares. Ao lado do pianista Nelson Ayres – conhecido por integrar o grupo Pau-Brasil de música instrumental brasileira e atuar como maestro do grupo Jazz Sinfônica de São Paulo –, a orquestra executa obras de Paulinho da Viola, Chico Buarque e Villa-Lobos.

A Orquestra À Base de Sopro, grupo da Prefeitura Municipal de Curitiba, surgiu em janeiro de 1998, sob a direção do maestro Roberto Gnattali. Paralelamente ao incentivo e à valorização da produção local, o repertório da orquestra reúne mais de 40 arranjos de diversos compositores brasileiros, além de 25 músicas escritas pelos seus componentes, consolidando um trabalho de grande originalidade.

Dirigida desde 2002 pelo clarinetista Sérgio Albach, a orquestra é considerada um dos principais grupos de música instrumental brasileira. Na sua formação estão 17 instrumentistas, divididos na execução de flautas transversais, clarinetes, clarone, sax alto, sax tenor, trompetes, trombones e uma base rítmico-harmônica com piano, guitarra, baixo, bateria e percussão.

Vencedora do prêmio Saul Trumpet de melhor grupo instrumental, em 2002, e indicada ao Prêmio TIM, na categoria revelação 2008 pelo CD “Mestre Waltel”, a orquestra tem projetos de intercâmbio de maestros, arranjadores e solistas, além da divulgação da música brasileira, desde as bandinhas de coreto à música instrumental contemporânea, passando pelas orquestras de gafieira, de rádio e de frevo. Convidados ilustres já se apresentaram com a orquestra, entre eles Léa Freire, Roberto Sion, Mauro Senise, Toninho Ferragutti, Laércio de Freitas, Proveta e Itiberê Zwarg.



Serviço:

Apresentações da Orquestra À Base de Sopro com Nelson Ayres, dentro da temporada patrocinada pelo Ourocard Banco do Brasil.

Datas e horários: dias 25 (sábado), às 20h, e 26 de setembro de 2010 (domingo), às 19h

Local: Teatro do MON (Museu Oscar Niemeyer) – Rua Marechal Hermes, 999 – Centro Cívico

Informações de bilheteria: (41) 3350-4441 / (41) 3350-4429

Entrada franca

Renato Braz se une ao grupo Pau Brasil no Teatro da CAIXA







Músicos apresentam grandes obras da música brasileira





A CAIXA Cultural Curitiba apresenta o show “Pau Brasil e Renato Braz”, de 01 a 03 de outubro. A apresentação une o altíssimo nível do grupo instrumental com a refinada voz de Renato Braz. No palco se juntam Teco Cardoso (saxofones e flautas), Paulo Bellinati (violão), Nelson Ayres (piano), Rodolfo Stroeter (baixo), Ricardo Mosca (bateria) e Renato Braz (vocal). A parceria deste projeto estreia em Curitiba.



O repertório traz obras como “Ária das Bachianas Brasileiras nº4” (Heitor Villa Lobos), “Modinha” (Heitor Villa Lobos e Manduca Piá), “Tororó” (Edu Lobo e Chico Buarque), “Pulo do Gato” (Paulo Bellinati), “Rancho Fundo” (Ary Barroso e Lamartine Babo), “Desde Ontem” (Dorival Caymmi) e “Cidade Encantada” (Nelson Ayres e Milton Nascimento).



O quinteto oferece ainda um workshop sobre o processo de criação músical. O evento, voltado para músicos e estudantes de música, acontece no sábado (02), às 15h, no Teatro da CAIXA.



Pau Brasil



O quinteto Pau Brasil nasceu em 1979 e é um dos principais pontos de referência da música instrumental brasileira. Sua proposta original é a criação de um repertório visceralmente brasileiro, com diversas influências, conforme preconizava Oswald de Andrade no seu "Manifesto Pau Brasil", inspiração inclusive para o nome do grupo. A música é enérgica, cheia de surpresas, de um bom humor contagiante.



Em 1982, um convite da Radio France levou o Pau Brasil pela primeira vez à Europa, representando a música brasileira no Festival de Jazz de Paris. Sua sonoridade única originou convites para uma série de turnês européias, com apresentações nos mais prestigiosos Festivais e Clubes de Jazz, nos Estados Unidos e também no Japão.



Em 31 anos de trajetória, mais de 20 músicos passaram por suas diversas formações, como os saxofonistas Roberto Sion e Hector Costita, o acordeonista Toninho Ferragutti, a cantora Marlui Miranda, os tecladistas Lelo Nazário e Cristóvão Bastos e os bateristas Azael Rodrigues, Nenê, Bob Wyatt e Zé Eduardo Nazário. O repertório contempla oito CDs, cinco lançados internacionalmente. "Babel", de 1996, foi indicado ao Grammy norte americano na categoria Best Jazz Group.



Renato Braz



Renato Braz iniciou sua carreira se apresentando em pequenas casas de shows e bares noturnos. Em 1996, lançou o disco de estréia, que lhe rendeu uma indicação ao Prêmio Sharp de melhor disco na categoria revelação. Em 1999 iniciou a carreira internacional, com shows na Alemanha. Fez longa parceria com Dori Caymmi, no seu segundo álbum “História Antiga”.



A convite de Edu Lobo, integrou o elenco do espetáculo O Grande Circo Místico, ao lado de Arnaldo Antunes, Cássia Eller, Nando Reis, Daniella Mercury, e Orquestra Jazz Sinfônica. Em 2002, como parte da premiação do Prêmio Visa de Música Brasileira , lançou pelo selo Eldorado o cd Quixote, com as participações especiais de Alaíde Costa, Chico Cesar e Dori Caymmi.
Em 2004, foi selecionado para representar o Brasil no Festival de Spoleto, nos EUA. Logo depois participou do SUMMER SOLSTICE, concerto realizado anualmente na catedral gótica St. John The Divine. Pouco depois, ao lado de Paul Mc Candless e do coral russo Dimitri Pokrovsky Ensemble, apresentou-se em New York no Winter Solstice Celebration.



Em maio de 2006 lançou o disco “Por Toda a Vida”, que lhe rendeu o Prêmio Rival Petrobrás na categoria Cantor Popular. Em outubro do mesmo ano, a convite do maestro Nelson Ayres, participou do concerto em homenagem ao compositor Heitor Villa-Lobos, ao lado do violonista Fabio Zanon, do flautista Marcelo Barbosa e do Quarteto de cordas da cidade de São Paulo. Em seguida, com Roberta Sá, Maria Rita, João Bosco e Chico Buarque, participou do CD “Forró Pras Crianças”.



Serviço



Música: Pau Brasil e Renato Braz

Local: Teatro da CAIXA – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba/PR

Data: De 01 a 03 de outubro

Horário: sexta e sábado 21h e domingo 19h

Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sexta das 12 às 19h, sábado e domingo das 16 às 19h)

Ingressos: R$20 e R$10 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA) e 20% de desconto para o Clube do Assinante Gazeta do Povo

Classificação etária: Livre para todos os públicos

www.caixa.gov.br/caixacultural



Workshop: Master Classes com Pau Brasil - O Processo de Criação Musical

Data: 02 de outubro

Hora: Sábado 15h, com duração de 90 minutos

Local: Teatro da CAIXA

Ingressos: Entrada franca - Os ingressos para a oficina devem ser retirados na bilheteria do Teatro, no dia do evento, a partir das 14h.

Público alvo: Músicos e estudantes de música

Capacidade do Teatro: 125 lugares (02 cadeirantes)

Mariana Baraj se apresenta na Série Solo Música







Revelação da música popular argentina na CAIXA Cultural Curitiba







O Teatro da CAIXA apresenta, no dia 28 de setembro, a cantora e percussionista Mariana Baraj. Revelação da música popular argentina, a artista incorpora um repertório folclórico clássico latinoamericano e mostra novos timbres e texturas que emergem de uma fusão de estilos.



Mariana estudou canto com Liliana Vitale, Gabriela Torres, Íris Guiñazú, Nora Faiman e Mirta Braylan. Estudou percussão com Pocho Porteño, Horacio Lopez, Andrea Alvarez, Norberto Minichilo, Carlos Rivero e Facundo Guevara. Foi indicada duas vezes ao Prêmio Gardel, em 2005, e ganhou o Prêmio Clarin na categoria Revelacion de Folklore.



Possui quatro CDs solo: “Lumbre” (2002), “Deslumbre” (2005), “Margarita y Azucena” (2007) e “Churita” (2010), este último com composições próprias. Mariana Baraj tem participações especiais em discos de Aristimuño Lisandro, Horacio Gómez, Liliana Herrero, Pepi Taveira Cuarteto, Nuria Martinz, Claudia Puyó e Bernardo Baraj Quinteto, entre outros artistas argentinos.



A artista já fez turnês pela Argentina, Brasil, Espanha, Japão, Alemanha e Eslovênia. Dirige junto a Marcelo Baraj o Cantaloop, espaço de expressão musical para crianças e adultos, em Buenos Aires. Mariana Baraj mostra pela primeira vez em Curitiba o seu show solo. Ela esteve na cidade em outras duas oportunidades, para apresentações e como professora de percussão da Oficina de Música.



Solo Música



O Solo Música apresenta um recital por mês, sempre às terças-feiras, nos quais são exibidas apresentações raras, com artistas solo tocando instrumentos que dificilmente são mostrados em outras programações culturais. A série foi desenvolvida a partir de uma observação dos espaços culturais da cidade. Segundo o produtor Álvaro Collaço, a série é exclusiva, pois diversifica os instrumentos e gêneros na mesma programação.



A Série não privilegia um gênero musical definido, mas a diversidade cultural em solo, promovendo assim uma aproximação entre a música instrumental e erudita, sendo que a única ligação entre os recitais apresentados é o fato de estar no palco um único músico, cuja característica principal é ter absoluta segurança na sua qualidade como instrumentista e intérprete.



A temporada 2010 do Solo Música já trouxe aos palcos da CAIXA Cultural Curitiba Toninho Ferraguti, Luhli, Ravi Justin Freeman, Alberto Marsicano, Fernando Deddos, Fernando Deghi e Pierre Hamon.



Serviço



Série Solo Música – Mariana Baraj – Voz e percussão

Local: Teatro da CAIXA

Endereço: Rua Conselheiro Laurindo, 280, Centro – Curitiba/PR

Data: 28 de setembro

Horários: terça 20h30

Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia – conforme legislação e correntistas CAIXA) e 20% de desconto para o Clube do Assinante Gazeta do Povo

Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sexta das 12 às 19h e sábado e domingo das 16 às 19h)

Classificação etária: Livre para todos os públicos

Lotação máxima do teatro: 125 lugares (02 para cadeirantes)

www.caixa.gov.br/caixacultural

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Fred Martins apresenta o show “Guanabara Tempo Afora”



Músico fluminense foi o vencedor do último prêmio Visa na categoria “compositores”







A CAIXA Cultural Curitiba apresenta o cantor, compositor e violonista fluminense Fred Martins, de 24 a 26 de setembro. Dono de criatividade e ritmos bastante particulares, Fred apresenta o show "Guanabara Tempo Afora", fusão das obras “Guanabara” e “Tempo Afora”, além de sucessos consagrados na voz de grandes artistas, como Ney Matogrosso, Zélia Duncan e Maria Rita. O músico é acompanhado por Olivinho Filho, no acordeom, e Simone Sou na percussão. Vencedor do último Prêmio Visa Edição Compositores, por unanimidade, e 1º lugar do FAMPOP 2008, Fred Martins tem uma trajetória singular na música brasileira.



Guanabara é o quarto CD de Fred Martins e revela matizes da música carioca ligada ao samba cheio de bossa, em um franco diálogo com suas principais referências musicais. A tônica desse álbum é o namoro com a estética da bossa nova, tanto nos arranjos quanto na sofisticação harmônica e na maneira de cantar mais concisa. Destacam-se “Breve primavera”, gravada apenas com voz e violão, e o afro-samba “Doceamargo”, homenagem a Baden e Vinícius. O músico modula a tradição em sambas como “Lentamente” e “Asas do Desejo”. Entre outras referências, o maestro Tom Jobim aparece em “Olhos em Chamas” e, se ouve ainda, a influência do maestro Moacir Santos nos arranjos de sopros de Marcelo Martins e de cordas de Jessé Sadoc.

A maior parte das composições de “Tempo Afora”, trabalho que rendeu o primeiro DVD de Fred Martins, é em parceria com Marcelo Diniz, como as inéditas “Tudo embora”, “Não cabe”, “Cores da vida” (samba-choro dedicada a Paulinho da Viola), “Poeta que nada”, “Doceamargo” e “Tudo teu”. Com Francisco Bosco, Fred assina “Sem aviso”, “Iguais e diferentes” e “Do corpo”. Os parceiros Fred Girauta (“Meu silêncio”), Alexandre Lemos (“Novamente”) e Manoel Gomes (“Além do qualquer” e “Que se Danem, Que se Amem”) também estão no disco.



Fred Martins



O cantor nasceu em Niterói, Rio de Janeiro, em 1969. Interessado por música desde a infância, começou a tocar violão aos 11 anos. Participou do Grupo de Violões da Universidade Federal Fluminense (UFF), entre 1986 e 1989, e a partir deste período, iniciou seus estudos em contraponto e harmonia, com Hans-Joachim Koellreuter, arranjo, com Ian Gest e harmonia funcional, com Sergio Benevenuto. Paralelamente realiza o trabalho de transcrição de partituras para alguns dos mais famosos Songbooks produzidos por Almir Chediak entre eles os de Noel Rosa, Chico Buarque, Tom Jobim, Gilberto Gil, João Bosco, Rita Lee, Dorival Caymmi, entre outros.



Em 2001, Fred lança “Janelas” e quatro anos depois “Raro e Comum”. Venceu o 9° Prêmio Visa de Música Brasileira, em 2006, e gravou “Tempo Afora”, seu primeiro DVD, em 2008. O trabalho do compositor é apreciado por figuras consagradas na MPB, com intérpretes como Ney Matogrosso (“Novamente” - Fred Martins/Alexandre Lemos), Zélia Duncan (“Flores” - Fred Martins/Marcelo Diniz e “Hóspede do Tempo” - Fred Martins/Zélia Duncan) e Maria Rita (“Sem Aviso” - Fred Martins/Chico Bosco).



Em 2005 e 2006, Fred participa de editais como Projeto Pixinguinha, Música na Caixa e Pauta Funarte. Em fevereiro de 2006 apresenta seu trabalho na IP Week, em Londres e, em outubro, faz os shows de abertura do Brasil Plural, festival anual de cinema brasileiro, em Munique, Alemanha.



Em 2008 lança “Tempo Afora”, participa do show do Boca Livre, no Teatro FECAP e um ano depois lançou o CD “Guanabara”, voltado para o mercado internacional, com repertório autoral de bossa nova temperada com o estilo, originalidade e talento. Ainda neste ano gravou o Prata da Casa 10 anos, ao lado de Fernanda Porto e Kleber Albuquerque.



Serviço



Música: Fred Martins em “Guanabara Tempo Afora”

Local: Teatro da CAIXA – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba/PR

Data: De 24 a 26 de setembro

Horário: sexta e sábado 21h e domingo 19h

Bilheteria: (41) 2118-5111 (de quarta a sexta das 12 às 19h, sábado e domingo das 16 às 19h)

Ingressos: R$10 e R$5 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA) e 20% de desconto para o Clube do Assinante Gazeta do Povo

Classificação etária: Livre para todos os públicos

www.caixa.gov.br/caixacultural

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Lady Gaga, a revolução do pop






Lady Gaga, a revolução do pop
de Emily Herbert


Genero: Livros Biografia e Memória
Páginas: 240
Formato: 14 X 21

Quem vê seus videoclipes não consegue ficar indiferente. A voz poderosa, o corpo esguio e o erotismo escrachado dos movimentos na batida da dance music são marcas da nova estrela da música pop: Lady Gaga. Lembra Madonna e Michael Jackson. Mas é, acima de tudo, Lady Gaga, no palco e na vida real.



Lady Gaga – A revolução do pop registra o exato momento da explosão de uma estrela contemporânea, quando seu primeiro álbum, The fame, lançado em agosto de 2008, beirou os 10 milhões de cópias vendidas. Era o sucesso aos 22 anos, três a menos do que Madonna tinha quando alcançou o seu, duas décadas antes.

Pareceu fácil, mas por trás de tudo havia uma história incomum. O livro retrata sua vida desde o nascimento na família de pais ítalo-americanos católicos, passando pela educação rígida Convento do Sagrado Coração, em Nova York, quando ainda era apenas Stefani Joanne Angelina Germanotta.

Seu look extravagante, mostra o livro, não é uma forma de se apresentar ou de representar uma personagem: como ela diz, é a sua vida – que ela mesma traça, com talento e planejamento. E seu plano, revela ainda, é ir muito além do brilho efêmero de uma supernova e reinar no mundo pop por pelo menos 25 anos.

A AUTORA - Emily Herbert – nome literário da jornalista Virginia Blackburn –, realizou um minucioso trabalho de investigação para não deixar de fora nada de significativo e instigante na trepidante vida da estrela pop. Sua experiência e sucesso com outros livros que escreveu sobre astros desse mundo musical e performático são garantia de boa e fascinante leitura.



UM LANÇAMENTO

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Orquestra À Base de Corda recebe músico pernambucano








A musicalidade de Siba Veloso completa o espetáculo que tem apresentações neste fim de semana, no Teatro da UTFPR.



A Orquestra À Base de Corda, mantida pela Prefeitura Municipal, apresenta-se neste fim de semana, tendo como convidado especial o músico pernambucano Siba Veloso. O artista une a voz e o som de sua rabeca ao talento do grupo curitibano que tem se destacado no cenário cultural nacional. O espetáculo, inserido na temporada 2010 patrocinada pelo Ourocard Banco do Brasil, acontece no Teatro da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR, com sessões às 20h de sábado (18) e às 19h de domingo (19).

Considerado um dos músicos mais inventivos de sua geração, Siba Veloso nasceu em Recife (PE) e foi um dos fundadores e vocalista do grupo Mestre Ambrósio. Depois de desenvolver trabalhos em São Paulo, trocou a agitação da grande cidade pela pacata Nazaré da Mata, na zona da mata pernambucana, onde fundou um novo grupo musical, a Fuloresta do Samba, que se baseia na ciranda e no maracatu rural.

Nas apresentações em Curitiba, Siba Veloso revela a musicalidade que é referência no Brasil ao executar composições próprias, muitas delas já consagradas e outras inéditas. O repertório conta com arranjos preparados por André Abujamra, Beto Villares, Rodrigo Caçapa, André Prodóssimo e João Egashira.



A orquestra – Criada por Roberto Gnattali, em 1998, a Orquestra À Base de Corda dedica-se à pesquisa e à divulgação da música brasileira. A formação instrumental ímpar – com violino, bandolim, cavaquinho, viola caipira, violão, violão 7 cordas, piano e percussão – confere ao grupo sonoridade bastante particular. O repertório da orquestra procura abranger diversos períodos da história da música brasileira e inclui composições de seus integrantes.

Na extensa lista de convidados ilustres em suas apresentações, o grupo contabiliza participações de Mônica Salmaso, Roberto Corrêa, Ceumar, Pedro Amorim, Dominguinhos, Joel Nascimento, Andrea Ernest Dias, Caíto Marcondes, Maurício Carrilho, Zé Renato e Ná Ozzetti. Outro diferencial da orquestra são os arranjos elaborados por seus integrantes e por nomes como Paulo Bellinati, Maurício Carrilho, Leandro Braga, Dante Ozzetti, Jayme Vignoli, Mario Manga, André Abujamra, Paulo Aragão e Josimar Carneiro.

Desde 2001, a Orquestra À Base de Corda conta com a direção musical do violonista e bandolinista João Egashira. Em 2008, o grupo lançou seu primeiro CD, intitulado Antiqüera, ao lado do violeiro Roberto Corrêa, tendo sido indicado para o Prêmio Rival. Em 2009, igualmente ao lado de Roberto Corrêa, participou da gravação do programa “Instrumental SESC Brasil”, em São Paulo.



Serviço:

Apresentações da Orquestra À Base de Corda com o músico Siba Veloso, dentro da temporada patrocinada pelo Ourocard Banco do Brasil.

Local: Teatro da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR (Av. Sete de Setembro, 3.165)

Datas e horários: às 20h do dia 18 e às 19h do dia 19 de setembro de 2010 (sábado e domingo)

Entrada franca


Ficha Técnica:

Direção artística: João Egashira

Assistente de direção: André Prodóssimo

Formação: violão de 7 cordas – André Prodóssimo, piano – Beth Fadel, bandolim – Rodrigo Simões, violino – Helena Bel, violão – Hestevan Prado, violão – João Egashira, cavaquinho – Julião Boêmio, viola caipira – Junior Bier, percussão – Luis Rolim

Coro da Camerata apresenta novos integrantes em concerto de músicas cubanas e latinas







O espetáculo agendado para o fim da semana confirma a versatilidade do grupo curitibano, que terá a regência de Wagner Polistchuk.



A mescla entre obras religiosas e composições populares de autores cubanos e latinos marca o concerto preparado pelo Coro da Camerata Antiqua de Curitiba, com sessões às 20h de sexta-feira (17) e às 18h30 de sábado (18), na Capela Santa Maria. O espetáculo, que integra a temporada 2010 patrocinada pela Volvo, também apresenta ao público os quatro novos integrantes do Coro, que agora totaliza 20 membros.

O concerto teria como regente convidada a maestrina cubana Alina Orraca que, por motivo de saúde, não poderá comandar o Coro. Para que o programa não sofresse alterações, o diretor artístico da Camerata Antiqua de Curitiba, Wagner Polistchuk, assumiu a regência. Dessa forma, a plateia poderá conferir um repertório abrangente, com momentos de reflexão e de extrema alegria, proporcionados pelos ritmos empolgantes de Cuba, Venezuela e Argentina.

Na extensa lista de obras estão “Padre Nuestro”, de Samuel Hernández Duménigo; “Ave Maria”, de Yaniel Fernández; “Magnificat e Gloria”, de Alberto Grau, “Ave Maria”, de Andrés; “Requiem aeternam”, de Calixto Alvarez; “Crux Fidelis”, de César Alejandro Carrillo, “Missa Criolla”, de Ariel Ramírez; “Tangueando”, de Oscar Escalada; “Canción”, de Electo Silva Gainza; “Iré a Santiago”, de Roberto Valera; “El bodeguero”, de Richard Egües; “Pare cochero”, de Marcelino Guerra; “Loucuras”, de Silvio Rodríguez; e “Guayaboso”, de Guido López Gavilán.

Outro destaque do espetáculo é a estreia dos cantores recentemente selecionados em concurso. Sobem ao palco, ao lado dos outros componentes, Luísa Fávero (soprano), Ariadne Oliveira (contralto), Sidney Gomes Pereira (tenor) e Marcelo Dias da Silva (baixo).

A variedade de estilos e ritmos reunidos neste concerto evidencia a versatilidade do grupo. Citado pela imprensa europeia entre os dez melhores do mundo, o Coro da Camerata integrou o 18º Festival Corale Internazionale “La Fabbrica Del Canto”, realizado na Itália, em junho do ano passado. Na ocasião, o coro curitibano levou quatro programas diferentes para uma série de dez concertos pela região da Lombardia, com início na cidade de Legnano e término em Milão. A participação no festival resultou do sucesso obtido pelo grupo no 8º Simpósio Mundial de Música Coral, que aconteceu em Copenhague (Dinamarca), em 2008.

Essas não foram as primeiras incursões internacionais do Coro da Camerata Antiqua de Curitiba. Em 2006, o grupo realizou uma turnê pela Alemanha, acompanhado da Orquestra de Câmara de Arad (Romênia). No ano seguinte, cantou em Portugal com a Orquestra Sinfônica da Póvoa do Varzim, a convite do 29º Festival Internacional de Música do Algarve. No Brasil, já realizou concertos como convidado da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), sob a regência de Roberto Minczuk.



Serviço:

Apresentações do Coro da Camerata Antiqua de Curitiba, sob a regência do maestro Wagner Polistchuk, dentro da temporada 2010 de espetáculos patrocinados pela Volvo.

Datas e horários: dias 17 (sexta-feira), às 20h, e 18 de setembro 2010 (sábado), às 18h30.

Local: Capela Santa Maria – Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro)

Ingressos: R$ 10 ou R$ 5 mais um quilo de alimento não perecível e R$ 5 (integrantes do Clube do Assinante Gazeta do Povo) – promoção não cumulativa.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Amigos vamos votar no Grupo Bongar


Está havendo uma premiação da Musica Pernambucana e o GRUPO BONGAR está concorrendo.

Gostaríamos de contar com o voto dos amigos. É só entrar neste site e votar no Grupo Bongar


http://trofeuacinpe2010.blogspot.com/