sábado, 4 de dezembro de 2010

Poemas de Fernando Pessoa e Manuel Bandeira nas vozes do Coro da Camerata







Coro da Camerata faz suas últimas apresentações do ano na Capela Santa Maria, nesta sexta-feira e sábado (3 e 4).



O Coro da Camerata Antiqua de Curitiba faz as suas últimas apresentações do ano com um repertório de músicas corais brasileiras que aproximam a obra de grandes poetas e compositores. O concerto, sob a regência do maestro paulista Dario Sotelo, será realizado nesta sexta-feira (3), às 20h, e sábado (4), às 18h30, na Capela Santa Maria.

Serão apresentadas composições de Ronaldo Miranda, José Vieira Brandão e Domenico Barbieri, feitas a partir de poemas de Fernando Pessoa (“Três cânticos breves”) e Manuel Bandeira (“Cussaruim em 2 Tempos” e “André”). Uma das composições, “Curumim”, tem letra e música de Almeida Prado. O programa também privilegia temas folclóricos brasileiros, compostos para canto coral por Cláudio Santoro, Emmanuel Coelho Maciel, Henrique Korenchendle e Lindembergue Cardoso.

Todas as composições, pela primeira vez executadas pelo Coro da Camerata, fazem parte de um conjunto de 77 partituras encomendadas a compositores em atividade na década de 1970 e editadas na mesma época pela Funarte. Foi um projeto desenvolvido exclusivamente para músicas destinadas a coros, abrangendo desde arranjos sobre motivos folclóricos a obras originais de várias tendências.

Recentemente foram reeditadas 37 dessas partituras, agora apresentadas em versão digitada e com mais informações envolvendo questões técnicas e estilísticas. Para o maestro Dario Sotelo, esse foi um dos principais projetos institucionais em benefício da música erudita brasileira. “Foi um projeto maravilhoso. Não tenho notícia de outra iniciativa tão importante como essa, unindo grandes compositores com grandes poetas. Trata-se de um patrimônio cultural e musical importantíssimo”, afirma.



Apesar da sua importância, o conjunto de obras para coro editadas pela Funarte foi pouco aproveitado pelos grupos brasileiros e, portanto, ainda é necessária a maior divulgação dessas partituras. “O Coro da Camerata, com esse concerto, contribui para divulgar esse patrimônio e para consolidar uma forma de interpretar cada composição. O repertório famoso de Handel, por exemplo, é executado há mais de 300 anos. Já foi cantado por muita gente. Mas essas composições brasileiras precisam ser cantadas para que possam ser buriladas e aperfeiçoadas. Então o Coro da Camerata também dá a sua contribuição nesse sentido”, diz o maestro.

A temporada de concertos do Coro da Camerata, da Orquestra de Câmara e da Camerata Antiqua de Curitiba foi patrocinada este ano pela Volvo. A temporada encerra nos dias 17 e 18, com as apresentações de Natal da Camerata Antiqua de Curitiba.

Serviço: Coro da Camerata Antiqua de Curitiba, sob regência de Dario Sotelo Local: Capela Santa Maria – Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro) Datas e horários: dia 3 de dezembro (sexta-feira), às 20h, e 4 de dezembro (sábado), às 18h30 Ingressos: R$ 10 ou R$ 5 mais um quilo de alimento não perecível

*****

“O Cravo Brasileiro e suas Raízes Europeias”









A CAIXA Cultural Curitiba apresenta, no dia 07 de dezembro, a cravista carioca Rosana Lanzelotte, na Série Solo Música. A artista apresenta o recital “O Cravo Brasileiro e suas Raízes Europeias”, expondo a influência da música europeia do século XVIII sobre os ritmos da música brasileira.



O programa do recital passa pelas obras de Sousa Carvalho, Avondano e Scarlatti, em que se percebem as ricas influências do folclore ibérico. Desde o lundo do século XIX – coletado por Spix e Martius – faz-se presente a síncope, característica dos tangos de Nazareth, registrados por Rosana no seu mais recente trabalho, “Nazareth”.



Lanzelotte é professora pesquisadora da Uni Rio, além de idealizadora da série “Música nas Igrejas”, que, desde 1993, leva concertos de música clássica a todos os bairros do Rio de Janeiro. Concebeu também o projeto “O Amor Brasileiro”, que apresentou a música de José Maurício Nunes Garcia e Sigismund Neukomm em concertos por diversas cidades da França durante o ano do Brasil, em 2005.



Fundadora do Quadro de Cervantes, a artista possui um LP e quatros CDs solo: “Bach” (1995), “O Cravo Brasileiro” (1998), “Haydn” (2002) e “Pedro Antonio Avondano – Sonatas” (2005), distinguido com o importante prêmio Diapason de Ouro, da Revista Diapason. Pela gravadora Biscoito Fino, lançou com o flautista Ricardo Kanji o CD Neukomm no Brasil (2008), que ganhou o Prêmio Bravo 2009, na categoria melhor CD de música erudita. Seu último CD é Nazareth (2009), com o percussionista Caíto Marcondes e o violonista Luís Leite, no qual transporta a linguagem musical de Ernesto Nazareth para o cravo.



Lanzelotte se apresentou em importantes salas de concerto, como Wigmore Hall, St Martin-in-the-fields (Londres), Otto Braun Saal (Berlim), Palazzo Barberini (Roma) e Fundação Gulbenkian (Lisboa), além das principais salas da América Latina. Suas realizações na área musical a fizeram merecedora do prêmio Golfinho de Ouro, do Conselho Estadual de Cultura do Rio e da Comenda Chevalier dês Arts et dês Lettres, outorgada pelo Governo da França.



Série Solo Música



Rosana Lanzelotte encerra a segunda temporada da Série Solo Música. O projeto apresenta um recital mensal, nos quais são exibidas apresentações raras, com artistas solo tocando instrumentos que dificilmente são mostrados em outras programações culturais. A série é exclusiva, pois diversifica os instrumentos e gêneros na mesma programação.



A Série promove uma aproximação entre a música instrumental e erudita, sendo que a única ligação entre os recitais apresentados é o fato de estar no palco um único músico, cuja característica principal é ter absoluta segurança na sua qualidade como instrumentista e intérprete.



Nas duas temporadas, já se apresentaram artistas como Marlui Miranda (música indígena), Caíto Marcondes (percussão), Ângelo Esmanhotto (sarod), Toninho Ferragutti (acordeom), Pierre Hamon (flauta), Luhli (voz e violão), Fernando Deghi (viola brasileira), entre outros grandes músicos.



Serviço Série Solo Música – Rosana Lanzelotte – Cravo Local: Teatro da CAIXA Endereço: Rua Conselheiro Laurindo, 280, Centro – Curitiba/PR Data: 07 de dezembro Horários: terça 20h30 Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia – conforme legislação e correntistas CAIXA) e 20% de desconto para o Clube do Assinante Gazeta do Povo Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sexta, das 12 às 19h e sábado e domingo, das 16 às 19h) Classificação etária: Livre para todos os públicos Lotação máxima do teatro: 125 lugares (02 para cadeirantes) www.caixa.gov.br/caixacultural

******

domingo, 28 de novembro de 2010

Caixa Cultural Curitiba traz Jane Duboc celebrando os clássicos da MPB








Cantora paraense se apresenta de 3 a 5 de dezembro





A CAIXA Cultural Curitiba apresenta, de 03 a 05 de dezembro, a cantora paraense Jane Duboc. Na companhia do pianista Kiko Continentino, Duboc relembra os clássicos da música popular brasileira e canções que fizeram sucesso em sua voz, além de cantar alguns clássicos da música internacional.



O repertório conta com “Marina” e “Maracangalha” (Dorival Caymmi), “Adeus América” (Haroldo Barbosa/Geraldo Jaques), “Pra Machucar Meu Coração” (Ary Barroso), “Manoel o Audaz” (Toninho Horta), “Todo o Azul do Mar” (Flávio Venturinni), “Lumiar” (Beto Guedes), “Besame” (Flávio Venturinni/Murilo Antunes) e “Por Causa de Você” (Tom Jobim/Dolores Duran). Completam o show músicas como “Sweet Lady Jane” (Mick Jagger/Keith Richards), “The Way We Are” (M. Hamlisch/A. Bergman), “True Love” (Cole Porter) e “Somewhere Over The Rainbow” (E. Y. Herburg/H. Arlen).



Jane Duboc se tornou marcante e reconhecida por seu timbre de voz e musicalidade. A cantora já dividiu o palco com importantes artistas nacionais e internacionais, como Egberto Gismonti, Edu Lobo, Gerry Mulligan, entre outros.

Jane mostra também seu lado intimista quando toca violão e canta “Besame” (Flávio Venturinni).



O pianista, arranjador e compositor Kiko Continentino tem seu trabalho solo e é reconhecido por acompanhar grandes nomes da MPB. A parceria com Milton Nascimento, por exemplo, já dura 12 anos.



Jane Duboc


A artista de Belém, Pará, canta desde criança. Com 13 anos fazia apresentações filantrópicas no colégio onde estudou, na televisão e em festivais. Aos 17 anos foi morar e estudar música nos Estados Unidos, retornando ao Brasil na década de 70. Duboc construiu uma carreira sólida, cantando e compondo em parceria e solo, tendo discos produzidos por grandes nomes. Estourou popularmente em 1987, com as músicas “Chama da Paixão” e “Sonhos”.

Participou dos vários festivais da canção dos anos 70 e 80 e de especiais da televisão. Fez espetáculos cantando, em inglês, temas de filmes inesquecíveis. Excursionou pelo Brasil e pelo exterior. Duboc integrou o repertório de trilhas sonoras de quatro novelas. Sua voz é conhecida no Japão, em Israel, na Bulgária e está em um CD no qual se destacam grandes cantoras mundiais como Ella Fitzgerald, Billie Holliday, Sarah Vaughan, Liza Minnelli, Edith Piaf, Nina Simone, Judy Garland, entre outras.



Ficha Técnica Voz: Jane Duboc Piano: Kiko Continentino Serviço Música: Jane Duboc Local: Teatro da CAIXA - Rua Conselheiro Laurindo, 280, Centro – Curitiba (PR) Data: de 03 a 05 de dezembro Horários: Sexta e sábado, 21h e domingo, 19h Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA) e 20% de desconto para o Clube do Assinante Gazeta do Povo Bilheteria: (41) 2118-5111(de terça a sexta, das 12 às 19h, sábado e domingo, das 16 às 19h) Classificação etária: Livre para todos os públicos Lotação máxima do teatro: 125 lugares (02 para cadeirantes) www.caixa.gov.br/caixacultural

Imprensa Oficial e Instituto Moreira Salles lançam publicação com partituras de Pixinguinha


“Pixinguinha na pauta: 36 arranjos para o programa O Pessoal da Velha Guarda” reúne arranjos do compositor para o programa de rádio O Pessoal da Velha Guarda. Marcado para a próxima segunda-feira (29 de novembro), lançamento em São Paulo terá apresentação da Orquestra Pixinguinha na Pauta, com participação especial do cantor Pedro Miranda.

Uma das facetas pouco conhecidas do compositor e instrumentista Pixinguinha é a de arranjador genial. Entre as décadas de 1940 e 1950 ele trabalhou como diretor musical do programa “O Pessoal da Velha Guarda”, transmitido pela Rádio Tupi e apresentado por Almirante. O programa evocava o rico cenário musical do final do século XIX e início do século XX, período em que se construiu a identidade da música popular brasileira. Com um clima saudosista, trazia aos ouvintes arranjos de Pixinguinha tanto para composições mais antigas – de Chiquinha Gonzaga, Ernesto Nazareth, Mário Álvares, Paulino Sacramento, entre outros – como para obras de com­positores contemporâneos, como Jacob do Bandolim e o próprio Pixinguinha, que dialogavam com a sonoridade típica daquele momento peculiar, em que conviviam ritmos como a polca, o tango, o maxixe, a valsa, a mar­cha e o schottisch. E é este outro lado inédito de um dos principais músicos brasileiros que a Imprensa Oficial do Estado de São Paulo e o Instituto Moreira Salles apresentam ao público com o lançamento, na próxima segunda-feira (29 de novembro), de Pixinguinha na pauta: 36 arranjos para o programa O Pessoal da Velha Guarda, a partir das 19 horas, no Auditório Ibirapuera, no Parque Ibirapuera – Av. Pedro Álvares Cabral, s/n, portão 2.

Na mesma noite a Imprensa Oficial lançará seu tradicional calendário anual. A edição 2011 terá fotos de flores brasileiras, de autoria do premiado artista Frans Krajceberg. A organização é de Emanoel Araújo, diretor-curador do Museu Afro Brasil.

A publicação contém uma caixa especial com 36 partituras mais um livro com textos da organizadora do projeto e coordenadora de música do IMS, Bia Paes Leme, da pesquisadora Anna Paes, do violonista e arranjador Paulo Aragão e do bandolinista e maestro Pedro Aragão. Duas partituras reunidas nessa edição especial são de músicas inéditas do compositor.

“Pixinguinha é um dos mais importantes músicos brasileiros de todos os tempos. Esta valiosa publicação histórica serve para apresentá-lo a quem eventualmente não o conheça e mostra também este lado inédito, ou em parte desconhecido, para muitos de seus admiradores”, comenta Hubert Alquéres, presidente da Imprensa Oficial.

As partituras e o livreto estão acondicionados em caixa de acabamento requintado. As partituras vêm editadas uma a uma, separadamente, para facilitar a utilização pelo instrumentista ou regente. A edição caracteriza-se como mais um item de colecionador. A impressão e acabamento foram realizados nas oficinas gráficas da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

A noite de lançamento será marcada pela apresentação da Orquestra Pixinguinha na Pauta, comandada por Pedro Aragão, com participação especial do cantor Pedro Miranda, que também será o apresentador da noite.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Jovem pianista da Croácia apresenta-se com a Orquestra de Câmara







A Orquestra de Câmara de Curitiba e a pianista croata Ivana Maria Vidovic

apresentam-se neste fim de semana. O programa escolhido é composto principalmente por música espanhola.



A Orquestra de Câmara de Curitiba apresenta-se neste fim de semana com a jovem pianista Ivana Maria Vidovic, da Croácia. O repertório escolhido para os dois concertos na Capela Santa Maria – sexta-feira (26), às 20h, e sábado (27), às 18h30 – é composto essencialmente de música espanhola, com raízes no flamenco e em outros estilos regionais folclóricos. Faz parte também do programa uma obra do argentino Astor Piazzolla. A regência será do maestro Luís Gustavo Petri.

O diretor artístico da orquestra, Wagner Polistchuk, conta que conheceu o trabalho da pianista croata pelo facebook e vídeos no youtube, reconhecendo as inúmeras possibilidades que as mídias digitais oferecem também no mundo da música erudita. “Com estas novas ferramentas e sua operacionalidade podemos alcançar mundos e desbravar inúmeras fronteiras”, diz.

De acordo com Polistchuk, a partir do contato pela internet, surgiu a ideia de fazer um programa voltado à música espanhola. O ponto de partida foi a obra de Joaquín Turina (1882-1949), “Rapsódia Sinfônica”. Também foram agregadas peças de Joaquín Rodrigo (1901-1999) e, para encerrar, uma de Piazzola (1921-1992), que se relaciona com o restante do programa pela característica de sua obra, inserida no limite entre o popular e o erudito.

“Com certas adaptações em algumas obras foi possível conceber todo este programa e as suas diversidades. Apesar de a música espanhola ser praticamente sinônima de flamenco, uma forma de música cigano-andaluza, são abundantes os estilos regionais. Assim também acontece com a música brasileira, que tem muitos de seus temas e inspirações partindo do cotidiano. A obra de Piazzolla e sua relação com o restante do programa se baseia neste mesmo fato. Ele foi um compositor que trouxe a música popular a uma nova forma de apresentação, como música de câmara”, explica o diretor artístico.

Ivana Vidovic nasceu em Dubrovnik, graduou-se em música em 2002, na Croácia, e depois fez outros cursos na Itália e na Espanha. Estudou durante quatro anos em Barcelona e participou de vários festivais europeus. Em 2007 fundou um festival de música em Cavtat (Croácia). Fluente em cinco idiomas, também se dedica à literatura. Publicou vários livros de poesia e ganhou prêmios com seus poemas.

Ivana e a Orquestra de Câmara estarão sob a regência de Luís Gustavo Petri, convidado especialmente para este concerto. Petri passou por importantes orquestras brasileiras e, desde 1994, é titular da Orquestra Sinfônica de Santos. Foi o diretor musical dos sucessos My Fair Lady, West Side Story, Vítor ou Vitória, Cabaret, com Beth Goulart, Lago 21 e Cidades Invisíveis. Recebeu vários prêmios por seus trabalhos como compositor e diretor musical, entre eles os prêmios Shell e da Associação Paulista de Críticos de Arte.



Serviço: Concerto da Orquestra de Câmara da Cidade de Curitiba, com regência de Luís Gustavo Petri e participação da pianista Ivana Maria Vidovic, dentro da temporada de concertos 2010 patrocinada pela Volvo. Datas e horários: 26 de novembro (sexta-feira), às 20h, e 27 de novembro de 2010 (sábado), às 18h30. Local: Capela Santa Maria – Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro) Ingressos: R$ 10 ou R$ 5 (mais um quilo de alimento não perecível)

Orquestra À Base de Corda faz show especial para comunidade






No show deste fim de semana, com o pianista André Marques, o grupo de MPB faz apresentação especial para convidados das regionais.





Todos os espetáculos dos grupos musicais da Fundação Cultural de Curitiba, ligados ao Conservatório de Música Popular Brasileira, são antecedidos por uma apresentação especial para convidados das diferentes regionais da cidade. Nesta sexta-feira (26), no Teatro do MON, os convidados terão a oportunidade de assistir ao espetáculo da Orquestra À Base de Corda com a participação do pianista André Marques, integrante do grupo de Hermeto Pascoal e um dos mais talentosos instrumentistas da música popular. Os shows, para o público em geral, acontecem sábado (27), às 20h, e domingo (28), às 19h.

Os convites das apresentações de sexta-feira foram encaminhados para os nove núcleos regionais da Fundação Cultural, onde serão distribuídos para alunos, pais e professores das escolas, pessoas atendidas por instituições assistenciais e frequentadores dos programas sociais da Prefeitura. Muitas vezes, a Fundação e outras secretarias municipais disponibilizam ônibus para o transporte dos convidados. O programa faz parte das ações da Fundação Cultural de Curitiba voltadas à descentralização das atividades culturais.

Neste concerto, o talento de André Marques une-se à sonoridade da Orquestra À Base de Corda. Fazem parte do repertório músicas do próprio pianista que passeiam por diversos ritmos brasileiros (frevo, baião, maracatu e choro), além de composições de Hermeto Pascoal em arranjos especialmente elaborados para o concerto.

André Marques está entre os instrumentistas mais expressivos do Brasil. Nascido em São Paulo, ele hoje atua como professor do Conservatório de Tatuí (SP), que é uma das principais escolas de formação musical do país. Com Hermeto Pascoal fez turnês internacionais, tocou em diversos países e gravou vários CD. Também participa de outros grupos e tem os seus próprios CDs solos, muitos deles premiados.

Os músicos estarão sob a direção do violonista e bandolinista João Egashira, que comanda a Orquestra À Base de Corda desde 2001. O grupo curitibano também é dono de uma rica trajetória na música brasileira atual. Em 2008, o grupo lançou seu primeiro CD, intitulado Antiqüera, ao lado do violeiro Roberto Corrêa, tendo sido indicado para o Prêmio Rival. Em 2009, ao lado de Roberto Corrêa, participou da gravação do programa “Instrumental SESC Brasil”, em São Paulo. O show encerra a temporada da Orquestra À Base de Corda, que este ano contou com o patrocínio do Ourocard.


Serviço: Orquestra À Base de Corda com o pianista André Marques Local: Teatro do MON (R. Marechal Hermes, 999 – Centro Cívico) Data: 26 de novembro de 2010 (sexta-feira) – show gratuito especial para convidados das regionais. 27 de novembro (sábado), às 20h, e 28 de novembro (domingo), às 19h, com ingressos a R$ 10 e R$ 5. Informações: 3350-4400

GOVINDA SWAMI


B.B. GOVINDA SWAMI

FARÁ CONCERTOS NO THE MAGIC ÍNDIA


bbgs.jpg


O mundialmente famoso B.B. Govinda Swami ( ACBSP ) é conhecido por viajar o mundo com seu grupo de kirtan do Kazaquistão que mescla instrumentos ocidentais tais como saxofone e violino com instrumentos populares em kirtans como harmônio e mrdanga. A junção destes instrumentos, somados a doce voz de maharaj, leva a audiência a uma viagem inigualável!

Veja aqui um vídeo de seu kirtan: http://www.youtube.com/watch?v=Wsn0qnWyZmA!


Pela primeira vez B.B. Govinda Swami estará no Brasil com seu grupo para participar da turnê do THE MAGIC ÍNDIA.

Quer viajar nos kirtans de B.B. Govinda Swami?


Adquira seu ingresso online agora mesmo no www.sankirtana.com.br!

*


Bongar realiza show


O Bongar realiza show por estes dias no Recife Antigo. O Grupo aproveita para gravar, no show , um DVD com algumas músicas inéditas. No show de domingo, o repertório é todo novo e voltado para o universo da Jurema. O Bongar também estreia figurino novo no show em homenagem a Zumbi dos Palmares. Vale a pena conferir!
Segue a agenda do Bongar
Nesta quinta-feira (dia 25/11)
Show na Torre Malakoff
Na programação da ExpoIdeia
Hora: 22h
Vamos gravar um DVD de algumas músicas
No domingo (dia 28/11)
Show na Praça do Arsenal da Marinha
Festival em homenagem a Zumbi dos Palmares
Repertório inédito voltado para o universo da Jurema e estreia de novo figurino
E o Bongar também está na programação do Natal do Recife
Dia 26/12
Praça do Arsenal da Marinha
Hora: 19h

terça-feira, 23 de novembro de 2010

40 anos de lançamento do álbum Let It Be




Banda Rubber Soul realiza show comemorativo de 40 anos de lançamento do álbum Let It Be, dos Beatles



Também será analisada a poética das canções dos Fab Four, no programa Literatura em Revista

Para comemorar os 40 anos de lançamento do álbum Let It Be, dos Beatles, a inspirada banda Rubber Soul, primeiro grupo cearense cover dos Fab Four (fundada em 1991), tocará com fidedignidade todo o repertório do disco, inclusive seguindo os arranjos originais, no próximo sábado, 27, às 18h30. A apresentação da Rubber Soul acontecerá no cineteatro do Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza (rua Floriano Peixoto, 941 - 2º andar - Centro - fone: (85) 3464.3108), com entrada franca.

No show, a banda Rubber Soul - formada por Kildare Rios (baixo e voz), Eduardo Neves (guitarra e voz), Armando Gaspar (bateria e percussão) e Thiago Mendonça (teclados, voz, guitarra, gaita e percussão) - revive a antológica atmosfera musical e toca todo o repertório do álbum Let It Be, incluindo canções que se tornaram clássicos da música popular universal - a exemplo de "Let it be", "The long and winding road", "Get back", "Across the universe", "I me mine" e "I've got a feeling", entre outras, animando e emocionando a platéia presente ao cineteatro do CCBNB-Fortaleza.

Let It Be é o décimo terceiro e último álbum lançado pelo grupo inglês de rock The Beatles clique . Gravado em janeiro de 1969, o álbum foi somente lançado em julho de 1970, após o disco Abbey Road clique (último disco gravado) e junto com o documentário de mesmo nome. Inicialmente se chamaria Get Back.



A poética das canções dos Beatles

Antes, no mesmo dia (sábado, 22), às 17 horas, no auditório do CCBNB-Fortaleza (3º andar), Nelson Augusto (jornalista, pesquisador musical, produtor e apresentador do programa semanal "Frequência Beatles", da rádio Universitária FM 107.9 MHz), Astrid Miranda Leão e Fábio Parente(dois colaboradores do programa) farão, no programa Literatura em Revista, uma retrospectiva das letras das composições na obra musical dos Beatles e suas inclinações poéticas.

Durante o programa de apreciação e difusão literária, serão tratadas desde a temática romântica do início da trajetória dos Fab Four, com construções mais simples de álbuns como "Please, Please Me", até à fase das músicas psicodélicas e com o foco direcionado para as mensagens mais sofisticadas do então LP "Let it be", que completou 40 anos de lançamento em julho deste ano.

Na apresentação, letras de músicas dos Beatles serão analisadas, seguindo a ordem cronológica, com algumas de suas traduções, acompanhadas da audição dos registros originais e alguns clipes, além de ressaltado o aspecto histórico desse vasto e belo cancioneiro dentro do contexto artístico mundial.

Maruça Rodrigues apresenta no Brasil sua visão moderna do samba



Após 17 anos na Itália, cantora Maruça Rodrigues apresenta no Brasil sua visão moderna do samba



Após 17 anos na Itália, a cantora cearense Maruça Rodrigues retorna ao Brasil com nova bagagem musical. No show intitulado "Bossas e sambas trio", ela apresenta a sua visão moderna do samba e da bossa nova. No repertório, constam algumas canções autorais, além de clássicos de Vinícius de Moraes, Caetano Veloso, Tom Jobim, Ary Barroso e algumas surpresas.

A apresentação musical de Maruça acontecerá no cineteatro do Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza (rua Floriano Peixoto, 941 - 2º andar - Centro - fone: (85) 3464.3108), dentro do programa Cultura Musical, no próximo dia 24 (quarta-feira), às 18h30, com entrada franca.



Trajetória artística

Os primeiros acordes de Maruça surgiram como violista na Orquestra do SESI, sob a regência do maestro Vasquen Fermanian, reverberando para o canto coral, com a participação no grupo De Angelis e ganhando total amplitude no show "Mundana", o primeiro de muitos que faria ao longo de sua trajetória e um prenúncio do que viria a ser: uma cidadã do mundo. A intérprete radicou-se por 17 anos na Itália, a convite de músicos daquele país.

Por nove anos integrou a Banda Favela, grupo da cidade de Bologna, com o qual viajou em inúmeros shows e lançou o CD "Banda Favela - O Ritmo Misturado". Compõem sua discografia os CDs "Utukutu" e "Tropical Especial", além de várias coletâneas européias em que sua voz traduziu a força e elegância da música brasileira, com destaque para a preciosa contribuição de Ronaldo do Bandolim e DJ Marco Polo.

Participou de duas edições do "Veneto Jazz Festival" e "Marostica Jazz Festival" (Itália), fez turnês pela Europa e no Japão cantou no "Motion Blues", em Yokohama. O show "Bossas e sambas trio" traz a vivência, musicalidade e alegria de Maruça através de clássicos da MPB e canções autorais com o "desejo de contar histórias e estórias... pra falar de amor e saudade".



Programa

1. Tiro ao Álvaro (Adoniran Barbosa)

2. Falsa baiana (Geraldo Pereira)

3. Chega de saudade (Tom Jobim/Vinícius de Moraes)

4. Desde que o samba é samba (Caetano Veloso)

5. Samba de uma nota só (Tom Jobim/Newton Mendonça)

6. Wave (Tom Jobim)

7. Zigue zague (Alberto Paz/Edson Menezes)

8. Água de beber (Tom Jobim/Vinícius de Moraes)

9. Samba da minha terra (Dorival Caymmi)

10. Estate (Bruno Brighetti e Bruno Martino)

11. Garota de Ipanema (Tom Jobim/Vinícius de Moraes)

12. Para liberar o coração (Maruça Rodrigues)

13. Camisa amarela (Ary Barroso)

14. Desejo do destino (Agenor de Oliveira)

15. Voltar (Maruça Rodrigues/Ronaldo do Bandolim)

16. Trem das onze (Adoniran Barbosa)



Ficha Técnica

Voz: Maruça Rodrigues

Teclados: Tony Maranhão

Bateria e percussão: Nilton Fiore

Banda Perfume de Gardênia


Banda Perfume de Gardênia leva sua forte latinidade ao Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza



Com quase 10 anos de existência e apostando sempre nos aspectos latinos em seus projetos musicais, a banda perfume de gardênia tem três CDs e um DVD lançados. Neste espetáculo a ser apresentado no Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza, o grupo do Rio Grande do Norte prioriza composições do seu último trabalho, Aroma, lançado em 2009, em que interpreta ritmos como zouk e bachata com melodias marcantes e letras criativas.

O show acontecerá no cineteatro do CCBNB-Fortaleza (rua Floriano Peixoto, 941 - 2º andar - Centro - fone: (85) 3464.3108), no próximo dia 25 (quinta-feira), às 18h30. Neste espetáculo em foco, o grupo do Rio Grande do Norte prioriza e privilegia composições do seu último trabalho, Aroma, lançado no ano de 2009.

O CD Aroma traz como uma das características principais a forte latinidade que personaliza o grupo. Mas neste disco, há também outra particularidade que chama atenção. Trata-se do trabalho dos vocais, que envolvem o canto doce e suave de Luna Hesse, e as envolventes vozes de Binho - nos merengues - e do experiente instrumentista e cantor Jubileu Filho na maioria das músicas.

Outro aspecto que marca e delimita a fase atual do grupo reside nas composições. Neste presente projeto, todas as canções são direcionadas para a grande massa, com melodias e harmonias cheias de suingue e balanço, e com ritmos fortes, quentes e marcantes. Além disso, as letras são criativas e de fácil entendimento, e contribuem para destacar a musicalidade que acompanha o Perfume de Gardênia em sua trajetória.

Há vários anos constantemente o grupo realiza espetáculos em diferentes cidades do Nordeste brasileiro. É, portanto, bastante experiente nos palcos. Por fim, convém destacar que suas músicas - latinas e pulsantes - são executadas com frequência em diversas rádios e academias de dança em todo Brasil e também em terras estrangeiras.



Programa

Pinducando - Jubileu Filho

Fissura - Jubileu Filho/Irhan Barreto

Anestesiado - Jubileu Filho/Diogo Guanabara

Vem menina vem - Jubileu Filho

Palomita Lejana - Babal/Chico Rodrigues

Trópicos - Sérvulo Godeiro/Carlinhos Santa Rosa

Cofrinho de amor - Elino Julião

Perfume - Jubileu Filho/Jota Marciano/Edinho Queiroz

Baila Maria - Chico Bethoven/Jubileu Filho/ Edinho Queiroz

Bem sei - Jubileu Filho/André Frederico/Wagner Tsé

Imperatriz - Chico Bethoven/Jubileu Filho

Cúmbia perfumada - Chico Bethoven

Latino americano - Chico Bethoven/Jubileu Filho

Maníaca - Jubileu Filho/ Dom Bernardo

Merengue de Granada - Jubileu Filho



Ficha Técnica

Voz: Luna Hesse

Voz, violão, guitarra, trompete: Jubileu Filho

Saxofone e flauta transversal: Chico Bethoven

Voz e percussão: Binho

Violão e vocal de apoio: Cacá Velloso

Bateria: Diego Medeiros

Baixo: Kleitton Farney

Teclados e vocal de apoio: Paulo Eduardo

Percussão: Herivelto

ISCA DE POLÍCIA em última apresentação


A banda de Itamar Assumpção faz show intimista no próximo domingo, dia 28 de novembro



28/11_às 21hs_ R$35

Casa de Francisca (Rua José Maria Lisboa 190, T. 11 3052 0547)

Reservas somente através do site www.casadefrancisca.art.br



Resta apenas uma oportunidade de assistir ao show intimista que a banda de Itamar Assumpção, Isca de Polícia, preparou para a Casa de Francisca. Criada em 1979 por Itamar para acompanhá-lo em estúdio e shows, a banda presta homenagem ao compositor, relembrando sua obra em apresentação exclusivíssima, neste domingo, dia 28 de novembro, às 21h00.



Após as apresentações do projeto 'Caixa Preta', material que compila a discografia completa do compositor e dois CDs inéditos de sua autoria, a banda formada pelos músicos Paulo Lepetit, Luiz Chagas, Marco da Costa, Vange Milliet e Suzana Salles decidiu presentear a saudosa plateia de Itamar com um show caloroso, de repertório preparado especialmente para este espetáculo. O show passeia por toda a obra de Itamar e constrói, com o público da Casa, a lista de canções que estarão no show de 05 de dezembro, no Auditório Ibirapuera.



Composições aclamadas, como Beijo na Boca, Embalos, Fico Louco, Nego Dito e Dor Elegante, dividem a programação da noite com canções inéditas do compositor. A Casa de Francisca, pequeno café-concerto aclamado pela classe artística e pelo público como um dos espaços mais significativos de música em São Paulo -, tem a honra de servir de palco para o encerramento desta mini turnê. "Itamar Assumpção e Arrigo Barnabé sempre foram uma inspiração muito grande no projeto da Casa, e agora, com a presença da Isca, de certa forma conseguimos realizar esse antigo desejo", diz Rubens Amatto, um dos organizadores da Casa, responsável por levar ao palco a turnê sempre concorrida de Arrigo, que encerra temporada nos três primeiros domingos de dezembro após um ano e meio de grande sucesso.



Nos últimos anos, a formação atual da Isca tem participado de festivais pelo Brasil, sempre divulgando a música original e criativa de Itamar. Em 2009, participou de shows em comemoração aos 30 anos do Teatro Lira Paulistana e de um projeto na Funarte sobre a Vanguarda Paulista. Participou também do Festival Station Brésil, que fez parte das comemorações do Ano da França no Brasil. Juntos, Itamar e Isca de Polícia gravaram vários discos, além de participações em trabalhos de outros artistas, como Ney Matogrosso.



ISCA DE POLÍCIA em última apresentação

Última chance, imperdível.

Casa de Francisca
Rua José Maria Lisboa 190, travessa da Brigadeiro Luís Antônio

T 11 3052 0547_
RESERVAS SOMENTE ATRAVÉS DO SITE www.casadefrancisca.art.br

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Quarta Rock no VU


QUARTA
17.nov
Quarta Rock no VU

DJs: Ale Dantas, Claudinha e Claudinho

Convidado: Sonderam

Até as 23h:
Entrada FREE
(consumação mínima: R$ 5)

Depois das 23h:
R$ 7

A partir das 21h

VU
Av. Manoel Ribas, 146. Curitiba.
(41) 3323-1021

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Selma Reis faz show em homenagem à obra de Paulo César Pinheiro



Selma Reis faz show em homenagem à obra de Paulo César Pinheiro na CAIXA Cultural Curitiba



Show traz obras do compositor e clássicos consagrados na voz da cantora







O Teatro da CAIXA apresenta, de 19 a 21 de novembro, a cantora Selma Reis, com o show "A minha homenagem ao poeta da voz", um tributo a Paulo César Pinheiro. Três grandes músicos a acompanham: André Barros, Marcelo Nami e Reginaldo Gonçalves Dias.



O repertório, presente na memória brasileira há mais de quatro décadas, conta com músicas de diversas parcerias, como “Banho de Manjericão”, parceria de Pinheiro e João Nogueira, “Passatempo”, “Bolero de Satã”, “Portela na Avenida”, entre outros clássicos. Selma Reis apresenta o show fazendo o tributo a Paulo César Pinheiro e ainda relembra os clássicos conhecidos na sua voz, como “Sangrando” (Gonzaguinha), “O que é o amor” (Danilo Caymmi e Dudu Falcão), tema da Mini série Global Riacho Doce, e ainda “Emoções suburbanas” (Altay Veloso e Paulo César Feital).



Selma Reis



Uma das maiores cantoras da MPB, Selma Reis começou a carreira com o pé direto quando lançou na década de 80 seu primeiro disco, que contou com a participação de nomes ilustres como Dori Caymmi, Jacques Morelembaum, Geraldo Azevedo, Paulo Jobim, Armandinho e Sueli Costa. O 2º disco conta com faixas como “Meu veneno”, canção especialmente feita para a cantora por Milton Nascimento, musicando o Poema de Ferreira Gullar. Selma Reis estourou nas paradas com músicas temas de novelas da TV Globo, como “O que é o amor”, “Sombra em nosso olhar”, “Estrelas de Outubro”, “Deságua” e “Ave Maria”.



Entre seus trabalhos estão “Só dói quando eu rio” (1991); “Selma Reis” (1993), com arranjos de Grahamm Presket, arranjador de Paul McCartney e Elton John; “Todo sentimento” (1995); “Achados e perdidos” (1996), todo dedicado a obra de Gonzaguinha; “O abre alas” (1998) é um musical sobre a vida e a obra de Chiquinha Gonzaga; “Ares de Havana” (1999); participou de “Presença de Anita” na TV Globo em 2001, participou do famoso musical “Chicago” (2004), que rendeu um público superior a 150 mil pessoas.



Em 2005, Selma Reis participa do musical “Ópera do Malandro”, de Chico Buarque, representando a personagem Vitória. No mesmo ano fez uma temporada no Teatro Rival ao lado da Bailarina Ana Botafogo e no ano seguinte se aprofunda na música clássica para cantar Mozart, Schubert, Bach e gravar musicas sacras para sua personagem irmã Zenaide, grande sucesso na novela “Páginas da Vida”. Lançou o cd “Sagrado” (2007), participou da novela “Caminho das índias” (2009) e este ano lançou o cd “A minha homenagem ao Poeta da voz”, dedicado a Paulo César Pinheiro, trazendo este belo show para a CAIXA Cultural.



Paulo César Pinheiro



Poeta da mais fina estirpe, letrista versátil, cronista, melodista e pesquisador incansável da cultura afro-brasileira, Paulo César Pinheiro é considerado o poeta da voz. A beleza e o ritmo do seu texto são matéria-prima de luxo para intérpretes dotados de grande capacidade vocal, como a estrela Selma Reis, Marisa Gata Mansa, Clara Nunes, Elis Regina, Marcia, Simone, Maria Bethânia, Joyce, entre tantas outras. Pinheiro compôs mais de mil e quinhentas canções com parceiros de todas as regiões do país.



Ficha técnica



Selma Reis - Voz

André Barros – Violão e guitarra

Marcelo Nami – Violão, guitarra e cavaquinho

Reginaldo Gonçalves Dias – Percuteria





Serviço



Música: Selma Reis canta a obra de Paulo César Pinheiro

Local: Teatro da CAIXA

Endereço: Rua Conselheiro Laurindo, 280, Centro – Curitiba

Data: de 19 a 21 de novembro de 2010

Ingressos: R$20 e R$10 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA)

Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sexta, das 12 às 19h, sábado e domingo, das 16 às 19h)

Classificação etária: Não recomendado para menores de 10 anos

Lotação máxima do teatro: 125 lugares (02 para cadeirantes)

www.caixa.gov.br/caixacultural

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Domingo com música e literatura em parques da cidade




O programa Música nos Parques acontece no Parque dos Peladeiros, enquanto o Parque Barigüi recebe o Biblioparque, posto móvel de empréstimo gratuito de livros.

No fim de semana, a Fundação Cultural de Curitiba combina descontração e lazer com cultura, promovendo apresentações de música e atividades literárias em espaços urbanos. Neste domingo (14), às 15h30, o Parque dos Peladeiros sedia mais uma edição do Música nos Parques, com a apresentação do Grupo Serenô, enquanto o Parque Barigüi recebe o Biblioparque, posto móvel de empréstimo gratuito de livros, que atenderá das 10h às 18h. Em caso de chuva, o equipamento não poderá funcionar.

Um mergulho no universo do samba de raiz é a proposta do Grupo Serenô, que interpreta composições próprias como resultado de intenso trabalho de pesquisa sonora por todo o Brasil. Roseane Santos (voz e percussão), Marco Filgueiras (cavaco), Eduardo Gomide (voz e violão), Gustavo Proença (voz e percussão), Raphael Araújo (percussão) e Manchinha (gaita ponto) mostram que o samba nunca deixou de ser lamento, celebração dos amores e das dores, das alegrias e das saudades, além de revelar a existência do samba paranaense.

Com três anos de atuação no cenário musical curitibano, o Grupo Serenô une sonoridades vindas das chulas e modas de viola, do maracatu e das cirandas, do samba de roda e do samba de partido, até chegar à forma urbana de fazer samba. O show do grupo, neste domingo (14), integra o programa Música nos Parques, que seleciona as atrações por meio de edital do Fundo Municipal da Cultura. A quinta edição do programa conta com 13 espetáculos que serão apresentados até o dia 1º de maio de 2011, proporcionando lazer e diversão gratuita para milhares de curitibanos.

Literatura – Neste domingo (14), das 10h às 18h, o Biblioparque, posto móvel de empréstimo gratuito de livros, estará no Parque Barigüi. A iniciativa, que integra o programa Curitiba Lê, da Fundação Cultural de Curitiba, permite aos frequentadores do parque acrescentar literatura ao seu programa de lazer, mesmo que não tenham levado um livro de casa.

O Biblioparque é composto por um veículo movido a energia elétrica e uma estrutura adaptada para acomodar livros, periódicos, ombrelones, cadeiras para adultos e crianças, pufs e mesas desmontáveis. O espaço, que ocupa 200 metros quadrados, funciona todos os domingos, das 10h às 18h, atendendo diferentes endereços. Esta primeira unidade foi patrocinada pela Vivo, que também a responsável pelo gerenciamento da operação até abril de 2011, em parceria com a Fundação Cultural.

A programação inclui sessões de contação de histórias ao longo do dia, distribuição de marcadores de livros, além de pintura em livros de quadrinhos. A empresa também disponibiliza uma tela interativa que dá acesso às sinopses dos livros que podem ser emprestados e dois notebooks para navegação na internet. Junto ao Biblioparque, o público encontra ainda um local para descarte de aparelhos celulares e baterias velhas.

A população tem à disposição 300 títulos, com um total de 900 volumes. Nos próximos meses, o acervo atingirá 1.350 títulos e quatro mil volumes que oferecem uma variada gama de autores, entre eles Machado de Assis, Guimarães Rosa, Gonçalo Tavares, Isabel Allende e Mario Vargas Llosa, que conquistou o Prêmio Nobel de Literatura 2010, entre muitos outros. A escolha dos livros foi elaborada por uma comissão da Fundação Cultural de Curitiba.

Além da leitura no parque, quem quiser poderá emprestar os livros por 21 dias, de forma simples e sem burocracia. A devolução pode ser feita no próprio Biblioparque ou em qualquer das Casas da Leitura mantidas pela Fundação Cultural. Além do Parque Barigüi, o equipamento percorre o Bosque do Papa, Parque Tingüi, Parque Bacacheri e Parque São Lourenço.

Serviço:

Música nos Parques

Show do Grupo Serenô

Local: Parque dos Peladeiros (Rua Antonio Moreira Lopes, 328 – Cajuru)

Data e horário: 14 de novembro de 2010 (domingo), às 15h30

Entrada franca

Biblioparque, unidade de empréstimo gratuito de livros que compõe o programa Curitiba Lê, desenvolvido pela Fundação Cultural de Curitiba.

Local: Parque Barigüi

Data: dia 14 de novembro de 2010 (domingo)

Horário de funcionamento: das 10h às 18h

Entrada franca

Em caso de chuva, o equipamento não poderá funcionar

ISCA DE POLÍCIA faz breve temporada em homenagem a Itamar Assumpção



Dias 14, 21 e 28/11_às 21hs_ R$35

Casa de Francisca (Rua José Maria Lisboa 190, T. 11 3052 0547)

Reservas somente através do site www.casadefrancisca.art.br

Os fãs desconsolados do músico paulista Itamar Assumpção poderão relembrar a obra do compositor no mês de novembro. A Banda Isca de Polícia, criada em 1979 por Itamar para acompanhá-lo em estúdio e shows, faz homenagem ao compositor e relembra sua obra em pequena temporada no café-concerto Casa de Francisca. Ao longo do mês, a banda formada por Luis Chagas, Marco da Costa, Paulo Lepetit, Vange Milliet e Suzana Salles, importantes músicos da cena brasileira, apresentará um repertório que passeia por toda a obra de Itamar e que mudará a cada apresentação, possibilitando ao público assistir mais de um espetáculo, sempre inédito, um a cada semana.

A série de shows dá continuidade ao projeto 'Caixa Preta', material lançado pelo Selo Sesc em outubro, que agrega a discografia completa de Itamar e dois CDs inéditos de sua autoria. Desta vez, as apresentações serão intimistas, em tom de petites réunions. Imperdível.

Juntos, Itamar e a Banda Isca de Polícia gravaram vários discos, além de participações em trabalhos de outros artistas, como Ney Matogrosso. Participaram de importantes projetos musicais, tanto no Brasil quanto no exterior. Com o "Projeto Pixinguinha" viajaram por várias capitais do Brasil. Após a morte de Itamar, em 2003, a Banda Isca de Polícia desenvolveu importante carreira no exterior, tendo excursionado por países como Alemanha, Suiça, Áustria e Holanda. Nos últimos anos, a formação atual tem participado de festivais pelo Brasil, sempre divulgando a música original e criativa de Itamar Assumpção. Em 2009, participou de shows em comemoração aos 30 anos do Teatro Lira Paulistana e de um projeto na Funarte sobre a Vanguarda Paulista. Participou também do Festival Station Brésil, que fez parte das comemorações do Ano da França no Brasil, apresentando músicas que são muito conhecidas da fiel plateia de Itamar Assumpção e Banda Isca de Polícia.

Composições clássicas como Beijo na Boca, Embalos, Fico Louco, Nego Dito e Dor Elegante, estão na programação das noites na Casa de Francisca. O trabalho encabeçado pela Banda Isca de Polícia no projeto "Caixa Preta" também deve aparecer nas noites de novembro nesse pequeno café-concerto, aclamado, pela classe artística e pelo público especializado em música, como um dos espaços mais significativos de música em São Paulo atualmente.

Casa de Francisca
Rua José Maria Lisboa 190, travessa da Brigadeiro Luís Antônio

T 11 3052 0547_
RESERVAS SOMENTE ATRAVÉS DO SITE www.casadefrancisca.art.br

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Yamandú Costa & Renato Borghettti se apresentam em Curitiba




A CAIXA Cultural traz para Curitiba o novo show de Yamandu Costa & Renato Borghetti, para única apresentação nesta sexta-feira, dia 22, no teatro do SESI-CIETEP. O espetáculo, que estreou em Brasília no começo deste ano, e agora circula por diversas capitais brasileiras, apresenta o encontro insólito do violão de sete cordas de Yamandú, com a gaita ponto de Borghettinho. Amigos e parceiros de longa data, os dois gaúchos instrumentistas são donos de uma presença de palco e energia impressionantes. Yamandú e Renato Borghetti são dois mestres que trabalham a dinâmica de seu espetáculo com rara habilidade. No show, momentos de vigor e intensidade se alternam toques de puro lirismo e sensibilidade.

Com um programa que na sua maioria é definido em rodas de mate ou fruto de noitadas musicais, o espetáculo reúne temas clássicos, músicas gaúchas e de fronteira, costuradas com levadas de choro em releituras inéditas. Os improvisos desconcertantes dos dois músicos desfilam perante a platéia, executados com harmonia e virtuosismo, mas com a naturalidade somente reservada aos grandes artistas.

Daniel Sá, violonista, maestro e arranjador, divide o palco e empresta seu talento e apoio à dupla de solistas, como convidado especialíssimo da noite.

Yamandú Costa

Fenômeno no violão, suas interpretações performáticas conseguem remodelar cada música e revelam uma profunda intimidade com o instrumento. Tanto o violonista quanto o compositor não se enquadram em nenhuma corrente musical – toca choro, bossa nova, milongas, tangos, zambas e chamamés. Realiza com maestria uma mistura de estilos e cria interpretações de rara personalidade no seu violão de sete cordas.

Renato Borghetti

A música gaúcha foi sua primeira forma de expressão musical, logo acrescida de maior sofisticação e algumas pitadas de jazz e erudito. O primeiro álbum, gravado em 1984, ganhou o primeiro disco de ouro da história da música instrumental brasileira. Com um estilo único e a gaita ponto, Renato tem realizado diferentes leituras de obras da música regionalista do Rio Grande do Sul, agregando influências de outros estilos brasileiros e internacionais.

Serviço:

Show “Yamandú Costa & Renato Borghetti”

Data: 22/10, sexta-feira

Horário: 20h30 horas

Local: Teatro SESI-CIETEP - Auditório Mário de Mari (Av. Comendador Franco, 1341 – Jardim Botânico)

Ingressos: R$ 30,00 e R$ 15,00 (à venda nos quiosques do Disk Ingressos, nos shoppings Mueller, Estação e Total e pelo fone 3315-0808)

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Espetáculo une Coro da Camerata e grupo alemão





A Capela Santa Maria será palco para o concerto conjunto do Coro da Camerata Antiqua e Coro Carmina Mundi, neste fim de semana.



A Capela Santa Maria sedia neste fim de semana um concerto que une o Coro da Camerata Antiqua de Curitiba e o grupo alemão Carmina Mundi, dentro da temporada 2010 patrocinada pela Volvo. O espetáculo, que permite a troca de experiências entre os coros, também evidencia a importância do canto coral para a integração cultural. A regência estará a cargo de Helma Haller e Harald Nickoll (Alemanha) e o repertório tem obras de compositores brasileiros, além de representantes da Suíça, Estônia, Alemanha, França e Estados Unidos. O ensaio geral aberto ao público será realizado às 20h de sexta-feira (15), e, às 18h30 de sábado (16), acontece a apresentação final.

O programa será dividido em três partes, começando pela interpretação do Coro da Camerata, sob a regência de Helma Haller, de obras dos brasileiros José Maurício Nunes Garcia (1767-1830) e Chico Buarque de Hollanda (1944) e do suíço Ernst Widmer (1927-1990). Na sequência, o Coro Carmina Mundi, comandado por Harald Nickoll, apresenta composições de Urmas Sisask (1960), da Estônia, dos alemães Johannes Brahms (1833-1897) e Fanny Mendelssohn Hensel (1805-1847), do francês Adam de La Hale (1237 – 1285) e do norte-americano Eric Whitacre (1970).

Para encerrar, Helma Haller e Harald Nickoll dirigem os dois grupos na execução de peças dos compositores alemães Johannes Brahms (1833 – 1897) e Johann Sebastian Bach (1685 – 1750). Na útima música do concerto, os coros interpretam Oração pela Paz, numa homenagem ao compositor Henrique de Curitiba (1934 – 2008).

A oportunidade da apresentação conjunta destes dois importantes grupos musicais é comemorada pelo maestro Wagner Polistchuk, diretor artístico da Camerata Antiqua de Curitiba: “O Grupo Carmina Mundi viaja ao Brasil sob os auspícios do Instituto Goethe de Curitiba, que tem nos acompanhado em vários e importantes projetos, reforçando nossos ânimos e contribuindo para as oportunidades de interação e troca de experiências entre os coros”.

Fundado em 1983, em Aachen (Alemanha), por Harald Nickoll, o Coro Carmina Mundi conta com 40 cantores concentrados em um som equilibrado e com afinação perfeita. O repertório do grupo inclui música coral religiosa e antiga, originária de vários países, culturas e épocas. Vencedor de importantes prêmios, o grupo coleciona turnês em diversos países, além de apresentações em televisões e rádios, e já gravou dez CDs.

O reconhecimento internacional do Coro Carmina Mundi deve-se muito ao seu fundador e regente, Harald Nickoll. Além de comandar o grupo, o maestro também dirige o coro "Collegium Byzantinum”, de Aachen, e, desde 1991, é diretor da escola de música juvenil Rhein-Kreis Neuss. Como palestrante e professor, recebe regularmente convites na área de regência coral, educação vocal e afinação. Há muitos anos, Harald Nickoll estuda os fenômenos do som e da oscilação, tais como capacidade sonora, densidade do som, timbres e emissão.



Serviço:

Concerto conjunto do Coro da Camerata Antiqua de Curitiba e Carmina Mundi (Alemanha), sob a regência de Helma Haller e Harald Nickoll (Alemanha), dentro da temporada 2010 de espetáculos patrocinada pela Volvo.

Local: Capela Santa Maria – Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro)

Datas e horários: dia 15 de outubro (sexta-feira), às 20h, ensaio aberto ao público. No dia 16 de outubro de 2010 (sábado), apresentação às 18h30, com ingressos a R$ 10 ou R$ 5 mais um quilo de alimento não perecível e R$ 5 (integrantes do Clube do Assinante Gazeta do Povo) – promoção não cumulativa.

Leia em *

Espetáculo “O Som dos Meninos Quietos” une a literatura e a música









A CAIXA Cultural Curitiba apresenta o espetáculo lítero musical “O Som dos Meninos Quietos”, de 15 a 17 de outubro. O projeto foi idealizado pela artista plástica Selma Maria e pelo músico Jean Garfunkel e tem a participação dos músicos Joana Garfunkel, João Paulo Amaral e Sérgio Bello. A canção popular, a contação de histórias e a infância sertaneja são os atalhos para percorrer as veredas literárias de João Guimarães Rosa.



“O Som dos Meninos Quietos” funde música e literatura, focando a infância criativa da criança sertaneja, que inventa os próprios brinquedos e usa e abusa da imaginação. Selma Maria resgata esse jeito de brincar, pois a criança do sertão, distante dos grandes centros, desenvolve uma capacidade de improvisação e criatividade raras na infância urbana. O espetáculo coloca o menino e a menina no papel de protagonistas de suas próprias brincadeiras.



A pesquisa literária sobre a infância na obra de Guimarães Rosa foi a inspiração para a criação de “O Som dos Meninos Quietos”, cujo nome se origina da declaração do escritor: “Ainda hei de escrever um pequeno tratado de brinquedos para meninos Quietos”. O show desmistifica a figura de Guimarães Rosa, mostrando-o como o menino do sertão: quieto, imaginativo, inventor de histórias e de brinquedos.



As canções e textos originais, que complementam o clima de brincadeira, ilustram de maneira poética e divertida a aventura cotidiana da criança do sertão em seu eterno brinquedo de imaginar.



Guimarães Rosa - João Guimarães Rosa nasceu em 1908, em Minas Gerais. Médico, diplomata e escritor, Guimarães Rosa é um divisor de águas na linguagem da literatura brasileira. O autor modernizou a ficção do regionalismo brasileiro pelo trato dado à língua, voltado especialmente para o sertão. A linguagem é extremamente valorizada nas suas obras, pois representa a “fala do povo”, que unida à sua erudição o permitiu brincar e recriar a língua portuguesa. A inovação lingüística pode ser apreciada em diversas obras do autor. “Sagarana” (1946) introduziu a prosa inventada misturando as heranças europeias e indígenas. “Corpo de Baile”, composto de sete novelas, é de 1956. Inicialmente “Grande Sertão: Veredas” seria uma das novelas de “Corpo de Baile”, no entanto, tomou tal proporção que se tornou uma obra singular e das mais importantes na língua portuguesa. “Grande Sertão: Veredas” conta a história de um sertanejo em suas andanças pelo sertão brasileiro. “Primeiras Estórias”, de 1962, traz 21 narrativas que tratam dos segredos da existência humana. Guimarães Rosa faleceu em 1967, deixando obras em vida e póstumas.



Selma Maria - Artista plástica e arte–educadora, Selma Maria pesquisa há mais de cinco anos os brinquedos e brincadeiras da infância sertaneja, tão presentes na obra de Guimarães Rosa. A pesquisa resultou no livro “Um Pequeno Tratado de Brinquedos para Meninos Quietos”.



Jean Garfunkel - Cantor, compositor e publicitário. Tem quatro discos lançados em dupla com seu irmão Paulo Garfunkel, e músicas gravadas por vozes importantes da MPB. Jean integra o grupo de estudos sobre a obra de Guimarães Rosa do Instituto de Estudos Brasileiros da USP, que detém o acervo do autor. Como letrista trabalhou com parceiros ilustres como: Léa Freire, Sizão Machado, Mozart Terra, maestro Moacyr Santos, maestro Júlio Medáglia e o violonista Yamandú Costa. Suas músicas em parceria com seu irmão Paulo foram gravadas por vozes importantes da nossa MPB , tais como: Elis Regina (“Calcanhar de Aquíles”), Maria Rita (“Não Vale a Pena”), Margareth Menezes (“Desabalada”), Renato Braz (CD “Por toda a vida”, com 12 músicas, todas da dupla), Pena Branca e Xavantinho (“Mazzaropi”).


Ficha Técnica


Concepção: Selma Maria e Jean Garfunkel

Composições: Jean e Paulo Garfunkel

Textos e adaptações: Selma Maria

Músicos: Jean Garfunkel, Joana Garfunkel, João Paulo Amaral e Sérgio Bello



Serviço



Música: O Som dos Meninos Quietos

Local: Teatro da CAIXA – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba/PR

Data: De 15 a 17 de outubro

Horário: sexta 19h e sábado e domingo 17h

Bilheteria: (41) 2118-5111 (de quarta a sexta das 12 às 19h, sábado e domingo das 16 às 19h)

Ingressos: R$10 e R$5 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA) e 20% de desconto para o Clube do Assinante Gazeta do Povo

Classificação etária: Livre para todos os públicos

www.caixa.gov.br/caixacultural

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Pianista espanhola Cristina Lucio-Villegas



Pianista espanhola Cristina Lucio-Villegas realiza apresentação gratuita em BH



No dia 15 de outubro, sexta-feira, o Instituto Cervantes de Belo Horizonte, órgão oficial do Governo da Espanha e referência mundial na difusão da cultura hispânica, traz à capital mineira a pianista espanhola Cristina Lucio-Villegas. O recital de música espanhola será realizado na sede da Fundação de Educação Artística, às 20h30, com entrada franca. Considerada um dos grandes nomes da música internacional, ela também irá se apresentar em Curitiba, Recife e Rio de Janeiro.





Cristina Lucio-Villegas

Cristina Lucio-Villegas obteve em 2003 os títulos de professora superior de piano e professora superior de música de câmara pelo Real Conservatório Superior de Música de Madri. Em 2008, ela conseguiu o título de mestre em piano pela Academia Sibelius de Helsinki, na Finlândia, com nota máxima. Ela já atuou como solista, em grupos de câmara e como pianista de lied em Espanha, Alemanha, Finlândia, Franca, Itália e outros países europeus, bem como a Indonésia.

Tem paixão pela música de câmara e um grande interesse pelas músicas sinfônica e contemporânea, áreas em que obteve grande experiência, já que foi pianista titular da Jovem Orquestra Nacional de Espanha (JONDE), e colaborou com outros grupos profissionais de prestígio. Atualmente, Cristina estuda música na Chapelle Musicale Reine Elisabeth de Waterloo (Bélgica) e desenvolve seu trabalho docente no Conservatório Profissional de Música Adolfo Salazar de Madri.


Programa

A. Soler (1729-1783): Sonata em modo dórico

D. Scarlatti (1685-1757): Sonata en sol mayor

M. de Falla (1876-1946): Quatro peças espanholas

- Aragonesa

- Cubana

- Montañesa

- Andaluza

J. L. Turina (1952- ): Scherzo para piano

I. Albéniz (1860-1909)

- El Corpus Christi en Sevilla (Iberia)

- Granada (Suite española)

- Triana (Iberia)

- Málaga (Iberia)

Duração aproximada: 55 minutos





Serviço:

Evento: Recital de música espanhola com Cristina Lucio-Villegas

Data: 15 de outubro, sexta-feira.

Horário: 20h30

Local: Auditório da Fundação de Educação Artística

(Rua Gonçalves Dias, 320 – Funcionários)

Informações e Reservas: (31) 3789-1600 / rec1belo@cervantes.es

Entrada Franca. Vagas limitadas

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Grupo Molungo abre temporada do Música nos Parques







A quinta edição do programa “Música nos Parques”, com espetáculos selecionados por meio de edital do Fundo Municipal da Cultura, estreia neste domingo (26), no Parque Barigüi.



O Parque Barigüi abriga, às 15h30 deste domingo (26), a estreia da quinta edição do programa Música nos Parques, com espetáculo do Grupo Molungo. O programa desenvolvido pela Fundação Cultural de Curitiba, que desde 2006 transforma em palco os parques da cidade, tem as atrações selecionadas por meio de edital do Fundo Municipal da Cultura. A entrada é franca.

A temporada do Música nos Parques, prossegue até o dia 1º de maio de 2011, proporcionando lazer e diversão para milhares de curitibanos. Os 13 shows selecionados terão 26 apresentações em 21 parques e praças, contemplando os diversos estilos e tendências musicais. A programação gratuita, sempre aos domingos, valoriza os artistas locais e é um dos destaques da agenda cultural dos finais de semana.

Na abertura do Música nos Parques 2010 / 2011, o Grupo Molungo mostra a diversidade cultural do Brasil com um repertório que reúne samba, coco, maracatu, samba funk, xote e afoxé. A pesquisa musical do grupo mescla ritmos brasileiros de raiz à música instrumental, com elementos da música erudita. Formado por Gui Handa, Iria Braga, Caio Guimarães, Luis Piazzetta, Cauê Menandro e Carlito Birolli, o Molungo conta com violões, contrabaixo elétrico, vocais e uma gama variada de percussões, sendo que os músicos se revezam nos instrumentos e nas vozes.

O grupo, que surgiu há três anos, é apontado como revelação no cenário musical da cidade, dedicando-se à produção de suas próprias composições. As letras destacam as belezas do Brasil, mas também falam de sentimentos como amor, saudade e tristeza, além de abordar assuntos atuais para estruturar uma crítica social. Na trajetória do grupo constam participações frequentes em mostras e festivais, conquistando um público numeroso.

O Molungo lançou de maneira independente, em 2009, seu primeiro CD, com o mesmo nome do grupo. O trabalho, que explora os ritmos da música afro-brasileira, tem participações especiais de André Abujamra (Karnac / Os Mulheres Negras), Sérgio Coelho (trombone), Leandro Teixeira (percussão), Odacir Mazzarolo (guitarra e craviola), Marcelo Oliveira (clarinete) e Cláudio Menandro (rabeca, cavaquinho, viola caipira e violões).



Serviço:

Música nos Parques 2010/2011

Show do Grupo Molungo

Local: Parque Barigüi

Data e horário: 26 de setembro de 2010 (domingo), às 15h30

Entrada franca

Orquestra À Base de Sopro e Nelson Ayres em show no MON








Neste fim de semana, o grupo curitibano une sua inventiva linguagem musical à versatilidade de um dos mais importantes nomes da música brasileira.



Com um repertório de composições retiradas do célebre vinil “Mantiqueira”, o pianista compositor, arranjador e maestro Nelson Ayres soma seu talento e experiência à inventiva linguagem musical da Orquestra À Base de Sopro, em um espetáculo imperdível. As apresentações, inseridas na temporada 2010 patrocinada pelo Ourocard Banco do Brasil, acontecem no Teatro do MON (Museu Oscar Niemeyer), às 20h de sábado (25) e às 19h de domingo (26). A entrada é franca.

O show revela o amadurecimento da Orquestra À Base de Sopro, que desenvolve um trabalho voltado à elaboração de composições e à transformação de obras conhecidas por meio de arranjos peculiares. Ao lado do pianista Nelson Ayres – conhecido por integrar o grupo Pau-Brasil de música instrumental brasileira e atuar como maestro do grupo Jazz Sinfônica de São Paulo –, a orquestra executa obras de Paulinho da Viola, Chico Buarque e Villa-Lobos.

A Orquestra À Base de Sopro, grupo da Prefeitura Municipal de Curitiba, surgiu em janeiro de 1998, sob a direção do maestro Roberto Gnattali. Paralelamente ao incentivo e à valorização da produção local, o repertório da orquestra reúne mais de 40 arranjos de diversos compositores brasileiros, além de 25 músicas escritas pelos seus componentes, consolidando um trabalho de grande originalidade.

Dirigida desde 2002 pelo clarinetista Sérgio Albach, a orquestra é considerada um dos principais grupos de música instrumental brasileira. Na sua formação estão 17 instrumentistas, divididos na execução de flautas transversais, clarinetes, clarone, sax alto, sax tenor, trompetes, trombones e uma base rítmico-harmônica com piano, guitarra, baixo, bateria e percussão.

Vencedora do prêmio Saul Trumpet de melhor grupo instrumental, em 2002, e indicada ao Prêmio TIM, na categoria revelação 2008 pelo CD “Mestre Waltel”, a orquestra tem projetos de intercâmbio de maestros, arranjadores e solistas, além da divulgação da música brasileira, desde as bandinhas de coreto à música instrumental contemporânea, passando pelas orquestras de gafieira, de rádio e de frevo. Convidados ilustres já se apresentaram com a orquestra, entre eles Léa Freire, Roberto Sion, Mauro Senise, Toninho Ferragutti, Laércio de Freitas, Proveta e Itiberê Zwarg.



Serviço:

Apresentações da Orquestra À Base de Sopro com Nelson Ayres, dentro da temporada patrocinada pelo Ourocard Banco do Brasil.

Datas e horários: dias 25 (sábado), às 20h, e 26 de setembro de 2010 (domingo), às 19h

Local: Teatro do MON (Museu Oscar Niemeyer) – Rua Marechal Hermes, 999 – Centro Cívico

Informações de bilheteria: (41) 3350-4441 / (41) 3350-4429

Entrada franca

Renato Braz se une ao grupo Pau Brasil no Teatro da CAIXA







Músicos apresentam grandes obras da música brasileira





A CAIXA Cultural Curitiba apresenta o show “Pau Brasil e Renato Braz”, de 01 a 03 de outubro. A apresentação une o altíssimo nível do grupo instrumental com a refinada voz de Renato Braz. No palco se juntam Teco Cardoso (saxofones e flautas), Paulo Bellinati (violão), Nelson Ayres (piano), Rodolfo Stroeter (baixo), Ricardo Mosca (bateria) e Renato Braz (vocal). A parceria deste projeto estreia em Curitiba.



O repertório traz obras como “Ária das Bachianas Brasileiras nº4” (Heitor Villa Lobos), “Modinha” (Heitor Villa Lobos e Manduca Piá), “Tororó” (Edu Lobo e Chico Buarque), “Pulo do Gato” (Paulo Bellinati), “Rancho Fundo” (Ary Barroso e Lamartine Babo), “Desde Ontem” (Dorival Caymmi) e “Cidade Encantada” (Nelson Ayres e Milton Nascimento).



O quinteto oferece ainda um workshop sobre o processo de criação músical. O evento, voltado para músicos e estudantes de música, acontece no sábado (02), às 15h, no Teatro da CAIXA.



Pau Brasil



O quinteto Pau Brasil nasceu em 1979 e é um dos principais pontos de referência da música instrumental brasileira. Sua proposta original é a criação de um repertório visceralmente brasileiro, com diversas influências, conforme preconizava Oswald de Andrade no seu "Manifesto Pau Brasil", inspiração inclusive para o nome do grupo. A música é enérgica, cheia de surpresas, de um bom humor contagiante.



Em 1982, um convite da Radio France levou o Pau Brasil pela primeira vez à Europa, representando a música brasileira no Festival de Jazz de Paris. Sua sonoridade única originou convites para uma série de turnês européias, com apresentações nos mais prestigiosos Festivais e Clubes de Jazz, nos Estados Unidos e também no Japão.



Em 31 anos de trajetória, mais de 20 músicos passaram por suas diversas formações, como os saxofonistas Roberto Sion e Hector Costita, o acordeonista Toninho Ferragutti, a cantora Marlui Miranda, os tecladistas Lelo Nazário e Cristóvão Bastos e os bateristas Azael Rodrigues, Nenê, Bob Wyatt e Zé Eduardo Nazário. O repertório contempla oito CDs, cinco lançados internacionalmente. "Babel", de 1996, foi indicado ao Grammy norte americano na categoria Best Jazz Group.



Renato Braz



Renato Braz iniciou sua carreira se apresentando em pequenas casas de shows e bares noturnos. Em 1996, lançou o disco de estréia, que lhe rendeu uma indicação ao Prêmio Sharp de melhor disco na categoria revelação. Em 1999 iniciou a carreira internacional, com shows na Alemanha. Fez longa parceria com Dori Caymmi, no seu segundo álbum “História Antiga”.



A convite de Edu Lobo, integrou o elenco do espetáculo O Grande Circo Místico, ao lado de Arnaldo Antunes, Cássia Eller, Nando Reis, Daniella Mercury, e Orquestra Jazz Sinfônica. Em 2002, como parte da premiação do Prêmio Visa de Música Brasileira , lançou pelo selo Eldorado o cd Quixote, com as participações especiais de Alaíde Costa, Chico Cesar e Dori Caymmi.
Em 2004, foi selecionado para representar o Brasil no Festival de Spoleto, nos EUA. Logo depois participou do SUMMER SOLSTICE, concerto realizado anualmente na catedral gótica St. John The Divine. Pouco depois, ao lado de Paul Mc Candless e do coral russo Dimitri Pokrovsky Ensemble, apresentou-se em New York no Winter Solstice Celebration.



Em maio de 2006 lançou o disco “Por Toda a Vida”, que lhe rendeu o Prêmio Rival Petrobrás na categoria Cantor Popular. Em outubro do mesmo ano, a convite do maestro Nelson Ayres, participou do concerto em homenagem ao compositor Heitor Villa-Lobos, ao lado do violonista Fabio Zanon, do flautista Marcelo Barbosa e do Quarteto de cordas da cidade de São Paulo. Em seguida, com Roberta Sá, Maria Rita, João Bosco e Chico Buarque, participou do CD “Forró Pras Crianças”.



Serviço



Música: Pau Brasil e Renato Braz

Local: Teatro da CAIXA – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba/PR

Data: De 01 a 03 de outubro

Horário: sexta e sábado 21h e domingo 19h

Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sexta das 12 às 19h, sábado e domingo das 16 às 19h)

Ingressos: R$20 e R$10 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA) e 20% de desconto para o Clube do Assinante Gazeta do Povo

Classificação etária: Livre para todos os públicos

www.caixa.gov.br/caixacultural



Workshop: Master Classes com Pau Brasil - O Processo de Criação Musical

Data: 02 de outubro

Hora: Sábado 15h, com duração de 90 minutos

Local: Teatro da CAIXA

Ingressos: Entrada franca - Os ingressos para a oficina devem ser retirados na bilheteria do Teatro, no dia do evento, a partir das 14h.

Público alvo: Músicos e estudantes de música

Capacidade do Teatro: 125 lugares (02 cadeirantes)