terça-feira, 29 de setembro de 2009

Edital do Fundo seleciona projetos musicais para a Capela Santa Maria


As inscrições para o edital “Música de Câmara na Capela Santa Maria”, do Fundo Municipal de Cultura, estão abertas e podem ser feitas até 30 de novembro.

A Fundação Cultural de Curitiba lançou o edital do Fundo Municipal da Cultura para seleção dos grupos musicais que participarão da programação da Capela Santa Maria, em 2010. Os grupos de música de câmara selecionados receberão apoio financeiro para a produção dos seus espetáculos. As apresentações acontecerão de abril a dezembro do próximo ano.

Para o edital, que integra o Programa de Apoio e Incentivo à Cultura da Prefeitura de Curitiba – PAIC, serão disponibilizados R$ 282 mil. O projeto deve estar enquadrado em três categorias – duos, trios e quartetos ou grupos com mais integrantes. Serão contemplados até 14 projetos, sendo que cada um deverá realizar duas apresentações. Além disso, os projetos devem prever uma proposta de contrapartida social, que consiste na realização de um master class ou um workshop com temática relacionada à música de câmara.

Os projetos apresentados passarão inicialmente pela análise de mérito por um grupo técnico especializado, composto por três membros – dois indicados pela Fundação Cultural e um profissional ligado à área de música. Depois dessa etapa, os projetos passam pela análise de documentação.

As inscrições podem ser feitas até 30 de novembro de 2009. O formulário de inscrição e demais informações estão disponíveis no site da Fundação Cultural de Curitiba (www.fccdigital.com.br), no link “Lei/editais”, menu “Editais de Inscrições”.

Serviço:

Edital do Fundo Municipal da Cultura – Música de Câmara na Capela Santa Maria.

Inscrições até 30 de novembro.

Informações no site www.fccdigital.com.br/ Lei de Incentivo/Editais de inscrições.

ROGÉRIA HOLTZ CANTA “NO PAÍS DE ALICE”


ROGÉRIA HOLTZ CANTA “NO PAÍS DE ALICE” COM ZECA BALEIRO NO TEATRO POSITIVO

Uma mostra de admiração e respeito. Uma homenagem. Uma obra musical, dedicada inteiramente à maior das letras no Paraná, Alice Ruiz, poeta e musicista, mestre em haicais, e especialista em sonoridade. Foi essa admiração que motivou o novo CD de Rogéria Holtz, “No País de Alice”, e que deu o tom para o show que acontece no dia 7 de outubro no Teatro Positivo, em parceria com Zeca Baleiro.

“Tudo é silêncio / Acordei tarde demais / Para ouvir os sabiás”, versou Alice Ruiz. Mas talvez os sabiás tenham apenas se calado para ouvir o contralto de Rogéria Holtz. Considerada um dos maiores expoentes da música no Paraná, a cantora tem colecionado elogios de figuras como Nelson Motta, Patrícia Palumbo e Roberto Menescal. Rogéria se destaca também por seu repertório vasto, com muitas referências aos poetas do estado. O primeiro álbum lançado foi em 2003. Rogéria sustentou em “Acorda”, apenas com cordas e voz, um grito de despertar para os compositores paranaenses. Já no repertório de “No País de Alice”, lançado no ano passado, no universo da poeta paranaense há parcerias com Zeca Baleiro, Waltel Branco, Alzira Espíndola, José Miguel Wisnik, Arnaldo Antunes, Itamar Assumpçã.

Para Alice Ruiz o som ideal para sua poesia é mesmo Rogéria Holtz. “Rogéria interpreta minhas músicas do jeito que eu gostaria de cantá-las. Eu gosto de falar do simples. E música a pessoa tem que entender na primeira vez que escuta”.

E agora o maior teatro da América do Sul recebe mais de 2 mil pessoas para escutar as letras da curitibana Alice na voz de Rogéria Holtz e Zeca Baleiro Além das 13 faixas do CD, Rogéria Holtz e Zeca Baleiro prometem algumas surpresas. Os ingressos já podem ser adquiridos nas bilheterias do teatro, e pelo Disk Ingressos (www.diskingressos.com.br). A entrada custa R$ 40. Estudantes e pessoas acima de 60 anos pagam meia-entrada. A taxa de conveniência para quem for comprar pela internet é de R$ 4.

serviço:

Rogéria Holtz "No País de Alíce", participação especial Zeca Baleiro

Data: 07 de outubro, 21h

Local: Teatro Positivo - Rua Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300

Ingressos: À venda pelo site www.diskingresso.com.br, nos pontos de venda Disk ingresso e na bilheteria do Teatro Positivo, por R$ 40. A meia-entrada R$ 20, mais R$ 4 de taxa de conveniência do Disk Ingressos.

Ópera de Mozart é atração da Capela Santa Maria


“Cosi FanTutte” será apresentada nos dias 2 e 3 de outubro, como parte do programa Ópera Ilustrada 2009. O espetáculo tem direção de Neyde Thomas, Rio Novello e José Luiz Brasil.

A Capela Santa Maria – Espaço Cultural volta a sediar o programa Ópera Ilustrada, oferecendo ao público uma oportunidade de conhecer e apreciar esse gênero musical. O terceiro espetáculo da série é “Cosi Fan Tutte (ou A Escola dos Amantes)”, de Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791), que será apresentado nos dias 2 e 3 de outubro (sexta-feira e sábado), às 20h, com direção artística de Neyde Thomas e Rio Novello, e direção cênica de José Luiz Brasil. Na quinta-feira (1º), às 20h, o grupo faz um ensaio aberto ao público.

“Cosi Fan Tutte” é uma das últimas óperas escritas por Mozart. Com libreto de Lorenzo da Ponte, a ópera teve sua estreia em 1790. A história se passa em Nápoles, tendo como personagens duas jovens burguesas enamoradas, dois jovens oficiais, um velho senhor experiente e ardiloso e uma empregada astuta e mais esperta que as próprias amas. A trama se desenvolve a partir de um plano dos dois rapazes de colocar à prova a fidelidade de suas noivas.

A encenação reúne os cantores líricos Priscila Zamlutti, Carla Mattioli, Cláudio di Biaggi, Bruno Spadoni, Lindsay Funchal e Jéferson Pires. No elenco também estão os 12 integrantes do Coro Nova Philarmonia As vozes são ensaiadas por Neyde Thomas, que é um dos principais nomes da ópera no Brasil. A cantora desenvolveu uma carreira internacional de sucesso e, de volta ao Brasil, optou por se estabelecer em Curitiba. Todos os anos dirige a classe de canto lírico da Oficina de Música, promovida pela Prefeitura Municipal, por meio da Fundação Cultural de Curitiba. É também professora da Escola de Música e Belas Artes do Paraná.

A cantora apresentou-se nos maiores teatros e salas de concerto do mundo, com destaque para o Metropolitan Opera House (Nova Iorque), nos Deutsche Opera (Berlim Ocidental e Oriental), Teatro Angelicum (Milão), Palais de Beaux Arts (Bruxelas), Palácio de La Música - Barcelona, Palácio del Congresso (Madrid), Theatro Municipal de São Paulo e Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Contracenou com grandes nomes da ópera, como Luciano Pavarotti, Plácido Domingo e Cezare Siepi.

A produção de “Cosi Fan Tutte” foi patrocinada pelo Fundo Municipal da Cultura. O grupo de Neyde Thomas foi um dos contemplados pelo edital “Ópera Ilustrada”, que prevê a realização de quatro peças ao longo de 2009. Já foram apresentadas “Suor Angélica”, de Giacomo Puccini, e “Domitila”, de João Guilherme Ripper. Mais um espetáculo (“Les plaisirs de Versailles”) está previsto para dezembro.

Serviço:

Ópera Ilustrada – Cosi Fan Tutte, de Wolfgang Amadeus Mozart. Direção artística de Neyde Thomas e Rio Novello, direção cênica de José Luiz Brasil.

Local: Capela Santa Maria – Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro)

Data: 2 e 3 de outubro de 2009 (sexta-feira e sábado), às 20h.

Ingressos: R$ 10 ou R$ 5 (mais um quilo de alimento não perecível)

Quinta-feira, dia 1º de outubro, às 20h, haverá ensaio geral aberto ao público.

sábado, 26 de setembro de 2009

Saber Ouvir



Saber Ouvir

Curso Livre de História da Música


Quintas-feiras das 18.00h às 19.30h

De Outubro de 2009 a Janeiro de 2010





Transmitir o entusiasmo e a paixão pela chamada “Música Erudita”, divulgando-a junto de quem a não conhece, ou junto daqueles que já a conhecendo pretendam enriquecer um pouco mais os seus conhecimentos musicais, nomeadamente no que se refere à sua evolução ao longo dos séculos, eis o que move Miguel Leite a orientar este Curso Livre de História da Música.

No fundo, trata-se de transpor para uma actividade semanal, lúdica e pedagógica, o formato de concerto comentado, no qual se complementa a audição dos exemplos musicais apresentados com explicações breves e pequenos comentários informais.

Aqui fica o desafio de realizarem uma viagem ao “Mundo dos Sons”, às Quintas-Feiras entre as 18.00h e as 19.30h, de Outubro de 2009 a Janeiro de 2010, no Clube Literário do Porto.

Serão fins de tarde musicais previamente planificados, em sessões de audição musical comentada, nas quais se procurará enriquecer a literacia musical dos formandos, ao mesmo tempo que se dará a conhecer a evolução musical ao longo dos séculos numa viagem musical que partirá do presente para o passado...

INICIATIVA: 16 Sessões de Audição Musical Comentada: (Música Erudita do Período Contemporâneo até ao Período Barroco), com início no dia 1 de Outubro de 2009 (Dia Mundial da Música).

CALENDARIZAÇÃO/HORÁRIO: Sessões de 90 Minutos – Quintas-Feiras das 18.00H às 19.30H – De Outubro de 2009 a Janeiro de 2010.

LOCAL: Clube Literário do Porto, sito à Rua Nova da Alfândega, Nº 22.

CONDIÇÕES E DESCONTOS: Pagamento Mensal 40€ (Quarenta Euros/Aluno/Mês); 30€ (Euros/Aluno/Mês) para Estudantes e Aposentados ou Maiores de 65 Anos

PLANIFICAÇÃO:

Módulo 1: Música Contemporânea/Música do Século XX

Módulo 2: Romantismo

Módulo 3: Classicismo

Módulo 4: Introdução à Música no Período Barroco



PÚBLICO-ALVO:

1 – Público frequentador habitual do Clube Literário do Porto;

2 – Quadros Médios/Superiores Aposentados (Professores. Médicos, Advogados, etc.);

3 – Pessoas interessadas em actividades de cariz cultural/musical;

4 – Alunos do Ensino Superior, do 3º Ciclo do Ensino Básico e do Ensino Secundário da região;

5 – Alunos de Música dos Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo da região;

6 - Público Portuense que habitualmente frequenta Concertos de Música Erudita;

7 – Público em geral.




Miguel Leite nasceu em Braga em 1970. Iniciou os seus estudos musicais aos seis anos de idade com sua avó paterna Laura Estrela de Lima Castro, discípula de Luís Costa. Posteriormente, ingressou no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga, onde mais tarde concluiu o Curso Geral de Formação Musical.

Frequentou os Cursos de Ciências Musicais na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e o de Relações Internacionais – Culturais e Políticas na Universidade do Minho em Braga.

Tem-se dedicado ao ensino em diversas Escolas do 2º Ciclo do Ensino Básico nas quais leccionou a disciplina de Educação Musical e em Escolas do Ensino Especializado onde orientou Classes de Formação Musical e Classes de Conjunto Instrumentais.

Entre 1991 e 1997 foi professor na Academia de Música Valentim Moreira de Sá em Guimarães, tendo exercido, cumulativamente, as funções de Assessor da Direcção Pedagógica e Administrativa.

Ideólogo e co-autor do projecto de criação de uma Academia de Música Oficial que paralelamente à sua actividade pedagógica usual transpusesse regularmente em palco as melhores perspectivas de interpretação vocal e instrumental, fundou, em 1998, em parceria com o maestro José Atalaya e a Câmara Municipal de Fafe, a denominada Academia de Música José Atalaya, instituição na qual exerceu funções docentes e onde ocupou o lugar de Director Adjunto. No âmbito do mesmo projecto integrou também a Direcção da Associação Cultural de Educação pelas Artes.

No ano 2000, na qualidade de colaborador da Nova Era/Actividades Musicais implementou o I Festival e Concurso Internacional de Guitarra da Trofa, evento sob a organização da então Comissão Instaladora do Município da Trofa – patrocinado pelo IPAE – Ministério da Cultura, no qual exerceu as funções de Adjunto do Director Artístico. No mesmo ano e no decurso do exercício destas funções, colaborou na concepção do I Ciclo Nacional de Música Nova Era em parceria com a Câmara Municipal de Serpa.

Actualmente está a desenvolver um projecto de concertos comentados em parceria com o Pianista João Lima, iniciativa que teve a sua estreia no Teatro Municipal Sá da Bandeira em Santarém, prosseguiu no Museu Nogueira da Silva/Universidade do Minho e no Museu de Arqueologia

D. Diogo de Sousa em Braga projecto que, em 2008, foi escolhido para o Concerto Inaugural da VIII Temporada de Concertos do Ateneu Comercial do Porto, ao qual se têm vindo a associar outros conceituados instrumentistas como é o caso do Violinista Bruno Monteiro, dos Pianistas João Paulo Santos e Joana Gama, da Soprano Maria João Matos e, mais recentemente, do Maestro António Victorino D’Almeida, a propósito da audição moderna da sua Sonatina Op. 10 para Piano. No âmbito do mesmo projecto realizou em Janeiro de 2009 a Audição Moderna do Ciclo Anteriano, constituído por 13 Sonetos de Antero de Quental para Canto e Piano de Alberto Toscano [1896-1989] num Concerto/Conferência a que também se associou o Prof. Dr. Cândido Oliveira Martins (Universidade Católica Portuguesa), espectáculo estreado em Braga no Auditório Adelina Caravana do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian, repetido no Teatro Diogo Bernardes em Ponte de Lima e que se encontra neste momento em digressão nacional.

Com o Pianista João Lima e com o Maestro António Victorino d’Almeida protagonizou 3 Concertos no FAN (Festival de Ano Novo/2009) em Chaves, Vila Real e Bragança naquilo que foi um Concerto Comentado a 2 Vozes.

No ano lectivo 2008/2009 orientou 2ª Edição da iniciativa “SABER OUVIR” – Curso Livre de História da Música, no Museu Nogueira da Silva/Universidade do Minho em Braga e o evento “PERCURSOS MUSICAIS” – Curso Livre de História da Música, comissariando 3 Concertos Comentados, integrados no Festival de Música Foz do Cavado, em Esposende – iniciativa da Câmara Municipal de Esposende e da Escola de Música de Esposende.

A sua acção no âmbito da divulgação musical estendeu-se entretanto à Rádio, onde aos microfones da RUM – Rádio Universitária do Minho (97.5Mhz) é autor e apresentador do programa semanal “À DESCOBERTA DOS SONS” – Programa de Música Erudita emitido aos Domingos entre as 21.00H e as 22.00H, disponível para audição on-line em www.rum.pt

As suas actividades de divulgação musical podem acompanhar-se a par e passo no Blogue: http://descobertadossons.blogspot.com/

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Show no Paiol reúne músicas do Clube da Esquina



O show “Esquinas”, que as cantoras Ana Cascardo e Paula Santoro apresentam neste fim de semana, reúne músicas consagradas num dos movimentos mais conhecidos da música brasileira.



As mineiras Ana Carcardo e Paula Santoro se reúnem no palco do Teatro Paiol para celebrar um dos movimentos que mais influenciou a música brasileira, depois da bossa nova. A singularidade das músicas do Clube da Esquina o transformou em um movimento musical de destaque internacional. As apresentações acontecem na sexta-feira e no sábado (25 e 26), às 21h.

O disco Clube da Esquina 1, de 1972, representa a história de uma geração de músicos. Suas obras foram registradas nas faixas de um disco de vinil que acabou se tornando o símbolo do movimento, formado por Milton Nascimento, Wagner Tiso, Toninho Horta, Beto Guedes e Lô Borges.

A tal esquina é o cruzamento das ruas Divinópolis e Paraisópolis, no bairro Santa Tereza, em Belo Horizonte. Essa esquina se multiplicou e ecoou pelo o Brasil afora. Outras esquinas, em outras cidades, com outras sonoridades, identificaram-se com ela, inclusive no exterior, influenciando músicos do mundo inteiro. Daí a importância do show “Esquinas”, com Ana Cascardo e Paula Santoro, em Curitiba, que reverencia um momento marcante na história musical do país.

O espetáculo “Esquinas” mostrará algumas das canções mais conhecidas do Clube da Esquina, e também canções da carreira solo de Ana e Paula. Conhecedoras desse vasto repertório, as duas fazem um show intimista e revelador ao som do piano de Adriano Souza e do violão de Fábio Hess.

O CD Paula Santoro (2005) teve como maior influência a sonoridade do Clube da Esquina, percebida na seleção das canções do disco, como a música “Léo”, de Milton e Chico Buarque e a canção “Segue em Paz”, a única parceria de Milton com Toninho Horta, até aquela altura ainda inédita. Paula foi a primeira intérprete a registrá-la. Essas canções serão executadas no show “Esquinas”. Ana Cascardo apresentará uma composição inédita da poeta paranaense Etel Frota em parceria com o compositor mineiro, arranjador e produtor musical Sérgio Santos, e a canção “Sete Trovas”, da mineira Consuelo de Paula, Rubens Nogueira e Etel Frota, valorizando mais uma vez a dobradinha Paraná-Minas.



As cantoras - Ana Cascardo, mineira de Itajubá, finalista do 8º Prêmio Visa de Música Brasileira, Edição Vocal de 2005, mora em Curitiba desde 1993. Na cidade, participou do Vocal Brasileirão, sob regência do maestro Marcos Leite, de 1995 a 2003. Formou-se em Musicoterapia pela Faculdade de Artes Paraná em 1988 e é professora de canto popular no Conservatório de MPB de Curitiba desde 2000. Desde então vem realizando oficinas e pesquisas na área do ensino do canto popular.

Paula Santoro foi finalista do 5° Prêmio Visa Vocal em 2002 e classificou-se em 3º lugar. Foi indicada também ao prêmio Rival Petrobrás de Música, na categoria de "Melhor Cantora". Em 2008, se apresentou no projeto Rumos Itaú Cultural e em 2009 gravou uma participação especial na minissérie Maysa. Ainda na TV, integrou os programas Som Brasil, em homenagem a Ivan Lins, e Mosaicos, em homenagem a Aracy de Almeida, dublou a atriz Maria Fernanda Cândido na minissérie Aquarela do Brasil, e participou de A Casa das Sete Mulheres e Chiquinha Gonzaga. Paula também atuou nos musicais "Mulheres de Hollanda", "Aldir Blanc, um cara bacana" e "Manoel, o Audaz".


Serviço: Show “Esquinas”, com Ana Cascardo e Paula Santoro Local: Teatro Paiol (Praça Guido Viaro, s/n – Rebouças) Data e horário: dias 25 e 26 de setembro de 2009 (sexta-feira e sábado), às 21h Ingresso: R$ 15 (com meia-entrada para estudantes, professores e idosos) Informações de bilheteria: (41) 3213-1340

Acordeom em destaque no show da Sinfonética Comunitária




A acordeonista Marina Camargo é a convidada para a apresentação desta sexta-feira (25), no Conservatório de MPB de Curitiba.



O acordeom de Marina Camargo enriquece o espetáculo que o grupo curitibano Sinfonética Comunitária Flutuante apresenta às 20h desta sexta-feira (25). A sessão musical acontece no Conservatório de MPB de Curitiba, espaço da Prefeitura Municipal, e leva ao palco o talento de instrumentistas locais, numa proposta que une improviso e criatividade.

Nascida em Concórdia (SC), Marina Camargo desenvolve sua carreira artística em Curitiba, onde é professora de acordeom no Conservatório de MPB e em outras escolas de música, além de integrar os grupos Fole Harmônico, Baque Solto e Fole Baixo. Graduada em Licenciatura em Música pela Universidade Federal do Paraná, com especialização em Música Brasileira pela Faculdade de Artes do Paraná, a instrumentista aprimorou técnicas musicais com Rubens Pires, Waldir Teixeira, Toninho Ferragutti, Lula Alencar e Alessandro Kramer.

Com um extenso currículo de apresentações, Marina Camargo já atuou em diversos shows e festivais, bem como em concertos na Sala Cecília Meireles e na UNIRIO, ambas no Rio de Janeiro, como integrante do Grupo de Percussão da UFPR. Também participou como instrumentista convidada da Cia. Senhas, Cia. Nossa Senhora de Teatro Contemporâneo e Os Satyros, em espetáculos de música e teatro, em Curitiba e São Paulo.



Sinfonética – O improviso é uma das características da Sinfonética, que faz com que artistas e plateia compartilhem o inesperado. Normalmente, a formação do grupo e o repertório a ser executado são conhecidos somente quando os músicos começam a tocar. O grupo é coordenado pelo instrumentista, compositor e professor Glauco Sölter.

A Sinfonética reúne-se desde 2001. Os primeiros encontros foram em bares da cidade e, em 2004, as apresentações passaram a acontecer no Conservatório de MPB. O espetáculo é uma oportunidade para os jovens talentos estarem ao lado de profissionais experientes. O repertório conta com obras dos grandes mestres da música brasileira de todos os tempos, entre eles Hermeto Pascoal, Egberto Gismonti, Edu Lobo, Tom Jobim, Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Toninho Horta, Laércio de Freitas e Waltel Branco, além de composições de músicos locais. O objetivo principal do grupo é divulgar e experimentar a produção musical do Brasil.



Serviço: Sinfonética Comunitária Flutuante com a acordeonista Marina Camargo Data e horário: 25 de setembro de 2009 (sexta-feira), às 20h Local: Conservatório de Música Popular Brasileira de Curitiba (Rua Mateus Leme, 66 – Setor Histórico) Ingressos: R$ 5 e R$ 2,50 (estudantes) Informações: (41) 3321-3208

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Coro da Camerata Antiqua recebe maestro francês



Martin Gester é o regente convidado do concerto que tem apresentações neste fim de semana, com obras do compositor italiano Giovanni Bassani.

Depois de turnê vitoriosa na Itália, no último mês de junho, o Coro da Camerata Antiqua de Curitiba, grupo mantido pela Prefeitura Municipal, apresenta neste fim de semana um concerto sob a regência do maestro francês Martin Gester. No repertório estão os “Salmi Concertati”, do compositor italiano Giovanni Battista Bassani (1657 – 1716). As sessões acontecem às 20h de sexta-feira (25), na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, e às 18h30 de sábado (26), na Capela Santa Maria, dentro da temporada 2009 de espetáculos do grupo, sob o patrocínio da Volvo.

Citado pela imprensa européia entre os dez melhores coros do mundo, o Coro da Camerata Antiqua confirma seu potencial neste concerto, ao interpretar uma das maiores obras de Bassani, datada de 1699. Saudado naquela época como trabalho refinado, no qual não há extravagâncias na harmonia, os “Salmi Concertati” foram escritos na tradição das Vésperas barrocas. Na sucessão de cinco Salmos, criados para um conjunto máximo de cinco vozes e participação de violinos e órgão, a obra de Bassani ganha vida a partir do jogo de combinações vocais e instrumentais.

A escolha do repertório evidencia o trabalho de pesquisa do maestro Martin Gester. Nascido na França, estudou música no Conservatório de Strasbourg e literatura na Universidade de Strasbourg, antes de se interessar por canto e polifonia, e depois órgão e cravo. Após gravar seu primeiro disco, devotado aos trabalhos com órgão de Johann Sebastian Bach, Martin Gester escolheu dividir o seu tempo entre pesquisa, interpretação no cravo e órgão, regência (cantores e grupos) e dar aulas, com um interesse particular nos repertórios dos séculos XVII e XVIII.

Fundador do grupo “Le Parlement de Musique”, em 1990, Martin Gester continuou atuando como maestro, com apresentações na maioria dos países da Europa, América e Ásia. No total, como solista e como maestro, gravou 40 discos, recebendo diversos prêmios. Em suas interpretações, gosta de explorar os relacionamentos que existem entre música e gesto, dança, drama, declamação e tradição oral, na procura por um estilo que combine requinte e qualidades dramáticas. Martin Gester é chefe do departamento de Música Antiga no Conservatório de Strasbourg e também ensina regularmente em academias e instituições da Alemanha, México e Estados Unidos. Em 2001, o músico tornou-se Cavaleiro das Artes e Letras pelo Ministério de Cultura da França.


Serviço: Apresentações do Coro da Camerata Antiqua de Curitiba, sob a regência do maestro convidado Martin Gester, dentro da temporada 2009 de espetáculos patrocinados pela Volvo. Programa: “Salmi Concertati”, do compositor italiano Giovanni Battista Bassani. Data e horário: 25 de setembro de 2009 (sexta-feira), às 20h Local: Paróquia Nossa Senhora Aparecida (Av. Nossa Senhora Aparecida, 1.637 – Seminário – telefone: 41 - 3274-3477) Entrada franca Data e horário: 26 de setembro de 2009 (sábado), às 18h30 Local: Capela Santa Maria – Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro) Ingressos: R$ 10 ou R$ 5 mais um quilo de alimento não perecível (promoção não cumulativa).

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Originalidade marca espetáculo da Orquestra À Base de Sopro




O show “Nossos Compositores”, neste fim de semana, no Teatro do Museu Oscar Niemeyer, mostra a inventiva linguagem musical do grupo curitibano.Músicas escritas especialmente para o grupo e arranjos que se destacam pela originalidade estão no repertório do show “Nossos Compositores”, que a Orquestra À Base de Sopro apresenta neste fim de semana. As sessões acontecem no Teatro do Museu Oscar Niemeyer, às 20h de sábado (19) e às 19h de domingo (20).O espetáculo é resultado do trabalho desenvolvido pelos integrantes da orquestra, voltado à elaboração de composições e à transformação de obras conhecidas por meio de arranjos peculiares. A criatividade do grupo, que já possui mais de 25 músicas escritas pelos seus componentes, consolida uma linguagem original, além de pavimentar o caminho da gravação de um CD próprio, com o objetivo de ampliar a divulgação desse importante material.A Orquestra À Base de Sopro, grupo da Prefeitura Municipal mantido pela Fundação Cultural, surgiu em janeiro de 1998, sob a direção do maestro Roberto Gnattali. Paralelamente ao incentivo e à valorização da produção local, o repertório da orquestra reúne mais de 40 arranjos de diversos compositores, entre eles Chico Buarque, João Bosco, Paulinho da Viola, Jacob do Bandolim e Egberto Gismonti.Dirigida desde 2002 pelo clarinetista Sérgio Albach, a orquestra é considerada um dos principais grupos de música instrumental brasileira. Na sua formação estão 17 instrumentistas, divididos na execução de flautas transversais, clarinetes, clarone, sax alto, sax tenor, trompetes, trombones e uma base rítmico-harmônica com piano, guitarra, baixo, bateria e percussão.Vencedora do prêmio Saul Trumpet de melhor grupo instrumental, em 2002, e indicada ao Prêmio TIM, na categoria revelação 2008 pelo CD “Mestre Waltel”, a orquestra tem projetos de intercâmbio de maestros, arranjadores e solistas, além a divulgação da música brasileira, desde as bandinhas de coreto à música instrumental contemporânea, passando pelas orquestras de gafieira, de rádio e de frevo. Convidados ilustres já se apresentaram com a orquestra, entre eles Léa Freire, Roberto Sion, Mauro Senise, Toninho Ferragutti, Laércio de Freitas, Proveta e Itiberê Zwarg.Direção – O atual diretor da Orquestra À Base de Sopro, o clarinetista curitibano Sérgio Albach estudou com Ernesto Cordeiro, José Máximo Sanches, José Botelho. É formado em Licenciatura em Música pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná.Albach foi diretor musical dos espetáculos “O Auto da Feira”, de Paulinho Maia, “Bandoleiro”, dos Mixiricas Aborígenas e “Como Uma Pêra”, de Rocio Infante. O músico tocou na Orquestra Sinfônica do Paraná entre os anos de 1988 e 1991, sendo que hoje se dedica à pesquisa do choro brasileiro. Com o violonista João Egashira, realizou os projetos “No TUC tem Choro” e “Choro no Sebo”.Serviço:Orquestra À Base de Sopro no espetáculo “Nossos Compositores”Datas e horários: dia 19 de setembro (sábado), às 20h, e dia 20 de setembro de 2009 (domingo), às 19hLocal: Teatro do MON (Museu Oscar Niemeyer) – Rua Marechal Hermes, 999 – Centro CívicoInformações de bilheteria: (41) 3350-4441 / (41) 3350-4429Ingressos: R$ 10 ou R$ 5 (mais um quilo de alimento não perecível. Promoção não cumulativa)

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Charles Roussin comanda concerto da Camerata Antiqua



Composições de Bártok e Bruckner integram o repertório das apresentações que acontecem neste fim de semana.


Na temporada 2009 de concertos da Camerata Antiqua de Curitiba, patrocinada pela Volvo, um novo espetáculo acontece neste fim de semana. O grupo musical da Prefeitura Municipal interpreta composições de Béla Bártok (1881 – 1945) e Anton Bruckner (1824 – 1896), sob o comando do maestro convidado Charles Roussin, regente titular da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais. As apresentações acontecem às 20h de sexta-feira (18), na Paróquia São Judas Tadeu, e às 18h30 de sábado (19), na Capela Santa Maria.

O concerto conta também com solistas convidados, levando ao palco os cantores Ana Vargas (soprano), Daniele Oliveira (contralto), Alexandre Mousquer (tenor) e Cláudio de Biaggi (baixo), ao lado dos instrumentistas Isaque Santos Silva (trompa), Elisabeth Fadel (órgão), Eduardo Machado, Raphael Pixão e Ricardo dos Santos (trombones). A Volvo ainda proporciona ao público mais uma oportunidade de conferir os contrastes sonoros e os ricos detalhes das obras de Bártok e Bruckner, com uma sessão especial no domingo (20), às 11h, no Pequeno Auditório do Teatro Positivo.

O programa inicia com “Divertimento para Cordas”, do húngaro Béla Bartók, considerado um dos maiores compositores do século XX. Feita sob encomenda de Paul Sacher, maestro e mecenas europeu, a obra foi escrita no curto período de 15 dias, no verão de 1939, estreando com a Orquestra de Câmara de Basel (Suíça). A composição retrata uma das abordagens da música folclórica defendida por Bartók, pela qual novas estruturas são criadas a partir de elementos encontrados nas peças originais, como contornos melódicos e métrica, entre outros.

O concerto da Camerata Antiqua também contempla o “Réquiem em Ré Menor”, escrito pelo austríaco Anton Bruckner, aos 25 anos de idade. A peça exige solistas soprano, contralto, tenor e baixo, além de coro e cordas, mais uma trompa e três trombones. Severo crítico de sua própria obra, ao fim da vida o autor que figuraria entre os principais compositores sinfônicos do século XIX considerou esse trabalho digno de integrar seu restrito catálogo. A composição revela a religiosidade de Bruckner, que sempre teve na ligação com o divino, por meio da fé católica, um dos baluartes da sua existência.

O maestro – Nascido em Itaúna (MG) e graduado em violão clássico e regência de orquestra pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Charles Roussin aperfeiçoou conhecimentos com destacados professores, entre eles Per Brevig, Roberto Tibiriçá, Holger Kolodziej, Isaac Karabtchevsky e Osvaldo Ferreira. Como recitalista e camerista, apresentou-se em várias salas de concerto de seu estado natal, além de ter atuado como solista frente a orquestras mineiras e de outros estados, entre elas a Sinfônica da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Fundador da Orquestra de Câmara de Itaúna, em 1998, e da Orquestra de Câmara de Ouro Branco, em 2001, Charles Roussin já dividiu o palco com solistas de renome internacional, entre eles o tenor Marcos Thadeu, o violinista Daniel Guedes, os violoncelistas Sigmund Kubala e Matias de Oliveira, o trompetista Charles Schlueter e o oboísta Alex Klein. Desde 2004 é regente titular do Coral Lírico Palácio das Artes e professor da Escola de Música da UFMG, nas cadeiras de Harmonia, Fundamentos de Regência e Orquestração.

Diretor artístico da Semana de Música de Ouro Branco, evento realizado sempre no mês de outubro, Roussin atua intensamente na divulgação da produção brasileira contemporânea. É responsável pela estreia de diversas obras para orquestra de câmara, de compositores como Ernani Aguiar, Rufo Herrera, Nélson Salomé, Calimério Soares, Oiliam Lana e Avelar Júnior.

Em maio de 2007, o maestro foi convidado pelo Festival Internacional de Música do Algarve (Portugal) para se apresentar ao lado da Orquestra Sinfônica de Póvoa de Varzim e do Coro da Camerata Antiqua de Curitiba, na interpretação de obras de Luiz Álvares Pinto, Ernst Mahle e Henrique de Curitiba. O programa foi levado a diversas cidades portuguesas, como Faro, Portimão e Vila Real de Santo Antônio. Em 2008, assumiu como maestro titular a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais.

Serviço: Apresentações da Camerata Antiqua de Curitiba, sob a regência de Charles Roussin, dentro da temporada 2009 de concertos, patrocinada pela Volvo. Data: 18 de setembro de 2009 (sexta-feira), às 20h Local: Paróquia São Judas Tadeu (Rua Carlos de Laet, 2.495 – Vila Hauer) Entrada franca Data: 19 de setembro de 2009 (sábado), às 18h30 Local: Capela Santa Maria – Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro) Ingressos: R$ 10 ou R$ 5 (mais um quilo de alimento não perecível) Informações de bilheteria: (41) 3321-2840 Data: 20 de setembro de 2009 (domingo), às 11h Local: Teatro Positivo – Pequeno Auditório (Rua Professor Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300 – Campo Comprido) Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia) Informações: (41) 3317-3446

Acordeonista francês apresenta-se no Teatro Paiol



Richard Galliano, que tocou com Astor Piazzolla e com grandes nomes do jazz e da música francesa, estará em Curitiba nos dias 17 e 18.

O Teatro Paiol apresenta nesta semana uma atração internacional. O músico francês Richard Galliano, que tocou com Astor Piazzolla e com grandes nomes do jazz e da música francesa, fará apresentações nesta quinta e sexta-feira (17 e 18), às 21h. Galliano é conhecido por ter mudado a história do acordeom, utilizando o instrumento para transitar por uma variedade de estilos musicais, como o tango, o jazz e a música erudita. A vinda de Richard Galliano a Curitiba conta com o patrocínio da Denso Furokawa.

Nascido em Cannes (França), Richard Galliano vem de uma família de músicos. Aprendeu a tocar acordeom com o pai, acompanhando-o em bailes populares. O músico, entretanto, não se limitou ao estilo popular. Sua paixão pelo jazz fez com que misturasse a sonoridade do instrumento com outras influências. Criou um estilo próprio que lhe rendeu muitos prêmios em festivais.

Foi tocando com grandes nomes da música francesa, nos anos 70, que Galliano firmou a sua carreira internacional. Ele trabalhou com Charles Aznavour, Juliette Gréco, Georges Moustaki e Alain Leprest, entre outros. No período de 1980 a 2003, dividiu o palco com grandes músicos em concertos no mundo inteiro. Esteve em Paris, Nova York, Moscou, Londres, Buenos Aires, Montreal, São Francisco, Istambul. Tocou com Chet Baker, Ron Carter, Al Foster, Pierre Michelot, Aldo Romano, Toots Thielemans, Jean-Charles Capon e muitos outros.

Em 1983, Astor Piazzolla convidou-o para atuar num espetáculo da Comédie Française (em Paris), que representou o marco da amizade entre os dois. Galliano reconhece a importância de Piazzolla na sua formação. “Ele foi um mentor para mim, como um pai espiritual. Piazzolla me indicou o caminho certo, feito de tradição e de cultura clássica. Ele sempre me empurrou para achar e cultivar as minhas raízes, mas também a escutar a música clássica do nosso tempo”, afirma o músico em entrevista exclusiva ao guia cultural “Curitiba Apresenta” (edição setembro/2009).

O acordeonista francês também tocou com músicos brasileiros, como Dominguinhos, Hamilton de Holanda e Gilberto Gil. Galliano diz que sempre admirou a musicalidade de Dominguinhos. Tocou com ele e com sanfoneiros nordestinos no filme “Paraíba, Meu Amor”. Sua ligação maior, contudo, é com Hamilton de Holanda, que teve participação especial no disco “Luz Negra”, gravado em São Paulo por Galliano e o seu QuartetoTangaria.

A música de Richard Galliano inspira toda a nova geração de acordeonistas internacionais. Hoje muitos jovens músicos tocam suas músicas e seguem seu estilo. Atualmente, o músico continua viajando com o Quarteto Tangaria, e simultaneamente faz apresentações com Gary Burton, e com o trio Mare Nostrum (com o trompetista italiano Paolo Fresu e o pianista sueco Jan Lundgren).

Em Curitiba, apesar de fazer um show solo, Richard Galliano promete um espetáculo diversificado, que representa bem a sua versatilidade ao transitar por variados estilos. Na entrevista ao guia Curitiba Apresenta, o músico adiantou que vai tocar uma “Ária” de Bach, um choro de Hermeto Paschoal, um tango de Astor Piazzolla, uma melodia de Edith Piaf, um bolero, uma salsa e uma valsa de sua autoria. “Serão várias coisas diferentes, sem preconceitos, na inspiração da hora”, diz.

Confira a entrevista completa de Richard Galliano ao guia Curitiba Apresenta, no site www.fccdigital.com.br/Curitiba Apresenta.


Serviço: Show do acordeonista francês Richard Galliano Local: Teatro Paiol (Praça Guido Viaro, s/n – Prado Velho) Data: 17 e 18 de setembro de 2009 (quinta e sexta-feira), às 21h Ingressos: R$ 20

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Músicos curitibanos são as estrelas de shows no Paiol


A sanfona de Rubens Pires, nesta sexta-feira (11), e as flautas do Quarteto Pneuma, na terça-feira (15), integram o programa Terça Brasileira.



O programa Terça Brasileira no Paiol, desenvolvido pela Fundação Cultural de Curitiba, teve datas alteradas no mês passado. Agora, quem ganha é o público, que tem dois espetáculos seguidos para conferir o talento de músicos curitibanos. Nesta sexta-feira (11), às 20h, quem toma conta do Teatro Paiol é o sanfoneiro Rubens Pires. Na terça-feira (15), também às 20h, será a vez do Quarteto Pneuma levar ao Paiol o show “... de Tirar o Fôlego”.

O compositor, instrumentista e arranjador Rubens Pires cursou Piano Popular na Faculdade de Artes do Paraná. Aprimorou conhecimentos de acordeom com Toninho Ferragutti e Alessandro Kremer, em edições das Oficinas de Música de Curitiba. Professor do Conservatório de MPB de Curitiba, também integra o grupo Viola Quebrada, com o qual realiza um trabalho voltado à música caipira.

Como integrante do Viola Quebrada, Rubens Pires já realizou shows em vários estados brasileiros, além de Argentina e Paraguai. Também com o grupo gravou quatro CDs e acompanhou artistas de renome, entre eles Inezita Barroso e Tinoco, com participações em gravações de Pena Branca e Xavantinho, Roberto Correa, Zeca Baleiro e Alaíde Costa. Neste show, ao lado de músicos convidados, Rubens Pires executa um repertório formado por composições próprias e de autores como Ernesto Nazareth, Valdir Azevedo e Waltel Branco.

Para tirar o fôlego – O Quarteto Pneuma, formado pelos flautistas Clayton Rodrigues da Silva, Eliane Luiza Muller, Jennifer Heinrichs e Priscila da Silva de Assis, apresenta o show “... de Tirar o Fôlego”. Sob a direção de Giampiero Pilatti, o quarteto criado em 2003 tem realizado concertos em diversas cidades brasileiras, além de desenvolver projetos didáticos, com apresentações em fábricas de Curitiba e escolas públicas de cidades do Paraná.

Em 2008, o grupo foi vencedor do Concurso Latino-Americano Rosa Mística, na categoria Música de Câmera. Nas suas apresentações, o Quarteto Pneuma mostra um repertório diversificado, reunindo tradicionais compositores eruditos e destaques da música popular brasileira. Para o espetáculo no Paiol, entre as obras selecionadas pelo grupo estão composições de Ary Barroso, Ernesto Nazareth, Noel Rosa, Tom Jobim e Vinícius de Moraes, André Corrêa e Maestro Duda.


Serviço:

Edições do programa Terça Brasileira no Paiol

Local: Teatro Paiol (Praça Guido Viaro, s/n – Prado Velho)

Show do sanfoneiro Rubens Pires e convidados

Data e horário: dia 11 de setembro de 2009 (sexta-feira), às 20h

Show “... de Tirar o Fôlego”, com o Quarteto Pneuma

Data e horário: dia 15 de setembro de 2009 (terça-feira), às 20h

Ingressos para cada espetáculo: R$ 10 e R$ 5

Informações de bilheteria: (41) 3213-1340